Proteína pode facilitar a perda de peso e o controle da glicose, aponta estudo

Pesquisadores brasileiros e americanos descobriram uma proteína secretada pelo tecido adiposo marrom que consegue se comunicar com o fígado. Isso pode facilitar a perda de peso, além de melhorar o controle da glicose e dos lipídios em circulação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O estudo é parte do pós-doutorado do educador físico Carlos Henrique Grossi Sponton e tem o apoio direto da FAPESP. Carlos Henrique está atuando com pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA), onde faz sua tese.

A pesquisa de Carlos torna-se um fator determinante para a Medicina, uma vez que ajudará profissionais a direcionarem os melhores tratamentos para diversas doenças crônicas, como obesidade e diabetes tipo 2.

proteína melhora glicose
Foto: Pixabay

A batoquina PLTP e seu efeito no metabolismo energético

As pesquisas apontaram que, da mesma forma que a gordura branca libera hormônios, o tecido adiposo marrom também libera moléculas com papel regulatório no organismo, que vão além da produção de calor. Essa interferência é possível graças às batoquinas – fusão dos termos BAT (de Brown Adipose Tissue) e citocinas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sabendo disso, na primeira etapa do estudo, os pesquisadores fizeram uma comparação do perfil molecular de células de tecido adiposo marrom e branco extraídas de humanos. “Identificamos as proteínas que estavam mais expressas no tecido marrom, o que significa que esse tecido secretava quantidades maiores dessas proteínas”, explica Carlos.

Confirmando qual a maior secreção dessas proteínas pelo tecido marrom, eles utilizaram um método da engenharia genética (com uso de vetor viral) para testar a função de cada uma dessas proteínas em camundongos obesos. Uma proteína em particular, conhecida como PLTP (sigla em inglês para proteína de transferência de fosfolipídios), chamou a atenção dos pesquisadores após alguns testes.

O mecanismo de comunicação entre o tecido adiposo marrom e o fígado por meio da PLTP levou ao aumento do gasto energético e, consequentemente, à perda de peso e à redução de gordura corporal dos camudongos.

Eles também passaram a ter um controle melhor dos níveis de glicose sanguínea e de lipídios circulantes, como o colesterol, e outros menos conhecidos, como os esfingolipídeos e fosfolipídeos.

Chances positivas 🙏

A expectativa dos pesquisadores é de que haja ainda mais resultados animadores. Desta forma, a PLTP poderá tratar doenças nas quais o metabolismo lipídico da glicosee ou o peso estão alterados, como é o caso da síndrome metabólica, do diabetes tipo 2 ou da obesidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Diário Online

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,275,963SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Experimento na Lituânia mostra como pessoas reagem em uma situação de racismo

O racismo infelizmente ainda acontece em diversos países - incluindo o Brasil, e de tempos em tempos vemos vídeos e campanhas que combatem essa...

Cadeirante varre ruas de Beirute após megaexplosão: “por aqueles que morreram”

Mohamed Brees é cadeirante, mas mais do que isso, um exemplo de cidadão para povos do mundo inteiro. Ele é um dos moradores de Beirute...

Jogador da seleção brasileira ajuda vítimas das chuvas no Espírito Santo

O atacante capixaba da seleção brasileira e do time inglês Everton, Richarlison, conhecido como o “Pombo”, doou esta semana 40 cestas básicas para serem...

Garoto levanta R$ 16 mil vendendo limonadas e doa para a caridade

Quando tinha apenas 10 anos de idade, Jaxson Turner decidiu fazer do mundo um lugar melhor. O garoto, morador de Plano, no Texas (EUA),...

Instagram

Proteína pode facilitar a perda de peso e o controle da glicose, aponta estudo 2