Psicólogo de Harvard mostra que a busca pela felicidade pode ser o contrário que você imagina

O pesquisador da Universidade de Harvard Shawn Achor, especialista em investigar a conexão entre felicidade e sucesso, acredita que as pessoas podem – e devem – ser felizes. E para isso criou o Goodthink Inc., onde ele divide tudo o que descobriu em mais de 12 anos de pesquisa de uma maneira prática e interativa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O psicólogo acredita que a felicidade não é consequência do que acontece no exterior, e sim da maneira pela qual enxergamos esses acontecimentos. Ele usa os próprios estudantes de Harvard como exemplo. Apesar da felicidade por  entrar e estudar em uma das maiores instituições educacionais do mundo, pouco depois esse sentimento é totalmente engolido por problemas, dificuldades acadêmicas, reclamações, etc.

Dessa maneira, Shawn afirma que apenas 10% da nossa felicidade depende do mundo externo. Os outros 90% dependem exclusivamente da maneira como você enxerga a realidade. É como se tivessemos uma lente que condiciona a maneira que o nosso cérebro lida com as coisas. E ele vai além, afirmando que apenas 25% do seu sucesso profissional depende da sua capacidade (QI, habilidades técnicas, etc). Os outros 75% dependeriam do comportamental, ou seja, do seu nível de otimismo e da sua capacidade de enxergar desafios como aprendizados e não problemas.

Com esses exemplos, a conclusão é que devemos inverter alguns pensamentos que rondam o inconsciente coletivo e pessoal. Coisas como “se eu trabalhar muito, vou conseguir tal coisa e então serei feliz”. Até que você chega lá e descobre que a tal coisa não te trouxe a felicidade esperada. E aí?

Você precisa trabalhar a favor da felicidade, e não contra. A dica do especialista para começar a programar seu cérebro nesse novo sentido é fazer alguns exercícios durante 21 dias consecutivos. Coisas como:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

– Exercitar sua gratidão ao listar três coisas pelas quais você se sente grato todos os dias;

– Escrever sobre pelo menos uma experiência bacana que você teve durante o dia;

– Meditar e exercitar o corpo e a mente;

– Realizar pequenos atos de gentileza.

Depois de 21 dias, seu cérebro seria então capaz de enxergar o mundo de uma maneira mais positiva. Vale a pena conferir o que ele mesmo diz sobre isso no seu TED Talk (um dos mais acessados do mundo) e tirar suas próprias conclusões:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,609SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vovô que levantou milhões para sistema de saúde recebe 125 mil cartas de aniversário

Lembra daquele simpático vovô que disse que daria 100 voltas de andador no quintal de sua casa, uma para cada ano de sua vida,...

Malala, ativista que enfrentou terroristas pelo direito de estudar, se forma em Oxford

É OFICIAL! Vencedora do Prêmio Nobel da Paz, a ativista paquistanesa Malala Yousafzai se formou pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. Malala terminou o...

Organização social lança campanha para dar asas aos sonhos de meninas vulneráveis

Em parceria com a Escola D.O.M, a organização social Samaritan’s Feet está lançando a campanha "Dançar é como sonhar com os pés", para levar...

Mulheres indígenas lançam Vinho de Mandioca em mercado de Santarém (PA)

Após anos estudando fora, na Universidade de Brasília, duas mulheres agricultoras e indígenas retornaram à comunidade onde nasceram para pôr em prática tudo aquilo...

Conheça Jill, a esquilo fêmea resgatada após sobreviver a um furacão

Todos sabemos que o ideal é que animais selvagens vivam sempre livres na natureza. Porém, por muitos motivos, alguns deles acabam precisando de cuidados...

Instagram

Psicólogo de Harvard mostra que a busca pela felicidade pode ser o contrário que você imagina 4