Psicólogo de Harvard mostra que a busca pela felicidade pode ser o contrário que você imagina

O pesquisador da Universidade de Harvard Shawn Achor, especialista em investigar a conexão entre felicidade e sucesso, acredita que as pessoas podem – e devem – ser felizes. E para isso criou o Goodthink Inc., onde ele divide tudo o que descobriu em mais de 12 anos de pesquisa de uma maneira prática e interativa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O psicólogo acredita que a felicidade não é consequência do que acontece no exterior, e sim da maneira pela qual enxergamos esses acontecimentos. Ele usa os próprios estudantes de Harvard como exemplo. Apesar da felicidade por  entrar e estudar em uma das maiores instituições educacionais do mundo, pouco depois esse sentimento é totalmente engolido por problemas, dificuldades acadêmicas, reclamações, etc.

Dessa maneira, Shawn afirma que apenas 10% da nossa felicidade depende do mundo externo. Os outros 90% dependem exclusivamente da maneira como você enxerga a realidade. É como se tivessemos uma lente que condiciona a maneira que o nosso cérebro lida com as coisas. E ele vai além, afirmando que apenas 25% do seu sucesso profissional depende da sua capacidade (QI, habilidades técnicas, etc). Os outros 75% dependeriam do comportamental, ou seja, do seu nível de otimismo e da sua capacidade de enxergar desafios como aprendizados e não problemas.

Com esses exemplos, a conclusão é que devemos inverter alguns pensamentos que rondam o inconsciente coletivo e pessoal. Coisas como “se eu trabalhar muito, vou conseguir tal coisa e então serei feliz”. Até que você chega lá e descobre que a tal coisa não te trouxe a felicidade esperada. E aí?

Você precisa trabalhar a favor da felicidade, e não contra. A dica do especialista para começar a programar seu cérebro nesse novo sentido é fazer alguns exercícios durante 21 dias consecutivos. Coisas como:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

– Exercitar sua gratidão ao listar três coisas pelas quais você se sente grato todos os dias;

– Escrever sobre pelo menos uma experiência bacana que você teve durante o dia;

– Meditar e exercitar o corpo e a mente;

– Realizar pequenos atos de gentileza.

Depois de 21 dias, seu cérebro seria então capaz de enxergar o mundo de uma maneira mais positiva. Vale a pena conferir o que ele mesmo diz sobre isso no seu TED Talk (um dos mais acessados do mundo) e tirar suas próprias conclusões:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fundo filantrópico arrecada recursos para ajudar na recuperação de Brumadinho

O ‘PróBrumadinho’ pretende arrecadar recursos para apoiar na recuperação e desenvolvimento sustentável de Brumadinho.

Expulso de casa por ser gay, jovem fotógrafo consegue trabalhos com a ajuda das redes sociais

Após defender a irmã em uma discussão familiar, Rodrigo foi expulso de casa pelos pais. Não que isso seja uma novidade para o fotógrafo:...

Campanha da Hellmann’s contra desperdício de comida surpreende estádio lotado

O desperdício de comida é um problema crônico global. Alimentos perfeitamente seguros e comestíveis que poderiam alimentar milhões de necessitados são desperdiçados, especialmente nos...

Pai dá uma lição de vida ao filho

A vida é um ciclo. Quando crianças, dependemos 100% dos nossos pais, e quando estamos crescendo, a frase que mais falamos é: "O que...

Marca infantil reutiliza camisas descartadas pela indústria e as transforma em novas peças

Diariamente pessoas estão buscando ideias inovadoras e nunca vistas antes para lançar seus negócios. Mas, e se fizermos um exercício de ver as coisas...

Instagram

Psicólogo de Harvard mostra que a busca pela felicidade pode ser o contrário que você imagina 3