Arte inspira pacientes de hospital psiquiátrico a acabarem com o preconceito

O hospital psiquiátrico Galba Velloso, em Belo Horizonte, conhecido como Galba, nunca teve uma boa fama.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ficou doido? Vou te mandar para o Galba!” “Essa sua ideia é digna do Galba.” O hospital era sinônimo de transtorno mental. Aberto em 1961, eles não colaboravam com a diminuição do preconceito contra os pacientes.

Felizmente, isso é passado!

Hoje, a prioridade da instituição é fazer com que os pacientes tenham um tratamento digno e humanizado.

Um exemplo concreto disso aconteceu semana passada. Uma das alas do hospital foi ocupada durante sete dias por latas de tintas, sprays e até artistas de rua pendurados em andaimes de até seis metros. Isso tudo devido ao novo projeto do local: uma residência artística dentro de um hospital psiquiátrico público.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

psiquiátrico-arte

Os muros do hospital, que eram uma “marca” da velha segregação entre loucura e sanidade da instituição foram o principal alvo. As paredes viraram a tela para a arte, que antes demonstrava apenas aprisionamento.

psiquiátrico-arte

Tudo isso começou há cerca de um ano, com um convite do hospital ao artista Helder Cavalcante, de 26 anos.Cecília Xavier, terapeuta ocupacional do hospital, integrava o grupo de humanização da instituição à época e entrou em contato com o artista, para a ajuda inicial.  Eles precisavam arrecadar dinheiro suficiente para o projeto dar certo. Depois de um ano e uma vaquinha virtual entre parentes, eles conseguiram arrecadar  R$ 5 mil em caixa para sprays, rolos, bandejas e latas de tinta.

psiquiátrico-arte

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cavalcante convidou dez artistas de rua de diferentes gerações. Mas para poder realizar o trabalho, o critério de escolha era possuir a sensibilidade necessária ao espaço, ou seja: artistas que também levam em conta o espaço trabalhado, não apenas a arte em si.

A equipe trabalhou durante uma semana para dar um nova cara aos paredões do pátio da enfermaria feminina de média permanência, que acolhe mulheres em situação de crise. Tudo isso, interagindo com os pacientes. A recepção deles foi positiva. Também houve música para ajudar a conectar pacientes e artistas.

psiquiátrico-arte

psiquiátrico-arte

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“De início já houve o reconhecimento de que acontecia aqui alguma coisa para o bem de todos. Elas começaram a pedir papel e telas para pintar, e uma delas fez um desenho inspirado numa obra que via e entregou ao artista.”, conta a psicóloga Cláudia Apgaua, de 48 anos, gerente assistencial do hospital.

psiquiátrico-arte

“Houve um momento em que a Luciana, paciente reconhecida por um dos artistas ‘aquela que canta e gosta de música’, começou a dançar. Quando vi, o artista dançava com ela em uma coreografia incrivelmente bela – os dois estavam em sintonia”, diz Apgaua.

psiquiátrico-arte

Cenário do projeto de arte, o pátio da enfermaria feminina fica aberto todos os dias, fechando apenas durante o almoço e o jantar. Ali há 23 dos 119 leitos do hospital. A taxa média mensal de ocupação dos leitos sempre supera 90%.

“O pátio ficou todo pintado e os artistas brincam com a gente, tiram fotos e entregam para a gente. Agora temos o que observar, o que achar bonito.”diz a paciente Célia Alves, de 50 anos.

psiquiátrico-arte

Mais sobre o tema

Se você se interessar em saber mais sobre pacientes de hospitais psiquiátricos, recomendamos o documentário “A Loucura Entre Nós”.

Ele mostra, através dos corredores e grades de um hospital psiquiátrico,histórias e personagens que mostram a linha tênue entre o que é considerado ou não loucura.

Fotos: Fernando Biagion, via

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,835,148SeguidoresSeguir
24,755SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ex-menino de rua que morava em armário de aeroporto passa em 5 concursos públicos importantes

Ismael Batista tinha apenas 8 anos quando fugiu de casa após o pai, que não queria gente fumando maconha na esquina onde morava, ser...

25 animais morrendo de ciúmes e querendo atenção

Na relação entre casais, vez ou outra o ciúme aparece, ou mesmo até entre amigos e na nossa família. Mas não ache que isso...

Escola para mulheres transgêneros na Indonésia quebra padrões religiosos

Conhecidas na Indonésia como waria (uma combinação das palavras “homem” e “mulher” no idioma local), as mulheres trans têm muitas dificuldades para praticar sua...

Professor de educação física aposentado que tem pernas amputadas dá lição de vida

O professor de educação física aposentado Túlio Max Ferreira Leite, de 64 anos, precisou amputar suas pernas após um problema circulatório. Apesar da condição ser recente, foi...

Empresário doa formatura a estudante enganados por empresa de eventos

Horas antes do evento começar, a empresa responsável pelo baile de formatura e colação de grau dos formandos do curso de enfermagem cancelou a...

Instagram

Arte inspira pacientes de hospital psiquiátrico a acabarem com o preconceito 3