No Tocantins, mulheres quilombolas se destacam com produção agrícola sustentável

Formada há cerca de 90 anos em Santa Tereza (TO), a comunidade quilombola Barra da Aroeira reúne 97 famílias que produzem, do solo da sua terra, todo tipo de comida: arroz, feijão, mandioca, abóbora, inhame, batata-doce, hortaliças, além da criação de galinha e porcos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A produção agrícola e pecuária da comunidade segue os princípios da agroecologia, que visa integrar ação humana com o ecossistema já existente. Trata-se, portanto, de uma mudança do homem dominador da paisagem para o homem participante do ciclo da vida que ocupa o espaço.

Grande parte dos alimentos produzidos na Barra da Aroeira são consumidos pelas próprias famílias da comunidade; uma parte pequena é vendida em feiras a céu aberto na capital Palmas.

mulheres quilombolas produção agrícola sustentável
Foto: FAO/Reprodução

No dia 15 de outubro, comemorou-se o Dia Internacional das Mulheres Rurais e sua contribuição para o bem-estar socioeconômico, para a segurança alimentar mundial e para a redução da pobreza.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dar visibilidade aos esforços das agricultoras foi o principal objetivo da campanha regional Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos”, criada pela Secretaria de Agricultura Familiar do Ministério da Agricultura em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e outras instituições.

Segundo o IBGE, as mulheres brasileiras representam praticamente metade da população residente no campo – destas, 63% são afrodescendentes.

Leia também:

Mulheres quilombolas à frente

E essa estatística não foge à regra na comunidade de Barra da Aroeira, que é administrada pela Associação Comunitária do Quilombo da Barra da Aroeira.

Maria de Fátima Rodrigues, 50 anos, é a primeira mulher a presidir a associação. Assim como outras mulheres do quilombo, ela é agricultora e artesã, além de ser a principal responsável pelo cuidado da casa e dos seis filhos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

mulheres quilombolas produção agrícola sustentável
De acordo com o censo demográfico mais recente, as mulheres rurais são responsáveis pela renda de 42,2% das famílias do campo no Brasil. Foto: Banco Mundial/Andrea Borgarello

Fátima aproveita sua vasta experiência com os alimentos como merendeira escolar. “Eu trabalho meio período na escola e no outro período aqui na casa, na roça plantando mandioca, cuidando das galinhas”, relata.

A merendeira relata que para aumentar a produção – e a renda – o principal desafio da comunidade é conseguir apoio externo. “Nosso interesse é produzir mais quantidade, mas até agora enfrentamos muitos desafios para estar organizando a terra pra plantar. Às vezes, as hortaliças perdem, porque não tem como escoar os produtos”, conta.

Atualmente, as mulheres da Barra da Aroeira contam com o apoio da associação e da Cooperativa Quilombarras, criada há pouco tempo pelos agricultores da comunidade. De acordo com Maria de Fátima, a cooperativa ajuda a divulgar os produtos quilombolas e deve reunir cooperados de outros quilombos da região do Tocantins.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

mulheres quilombolas produção agrícola sustentável
Família de descendentes quilombolas em Pajeu (PE). Foto: Governo Federal do Brasil

As matriarcas também participam de atividades de capacitação técnica e trocas de experiência promovidas por universidades da região e pelo Departamento de Agricultura Familiar da Secretaria de Agricultura do Estado de Tocantins.

“O que esperamos é um apoio pra nós trabalhadoras rurais, especialmente nós quilombolas, mostrarmos a nossa força, porque somos pessoas ainda discriminadas. O nosso interesse é melhorar a qualidade de vida e a renda das mulheres quilombolas”, disse Fátima.

Fonte: Nações Unidas Brasil

Quer ver a sua pauta aqui? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,067,715SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Idosa que estava há dias sem comer comove internautas e vaquinha bate mais de R$23 mil

A dona Zefinha tem 63 anos e desde que ficou viúva sobrevive catando latinhas, há 33 anos. Ela mora numa casa inacabada, não tem...

Homem diagnosticado com paralisia cerebral desafia expectativa médica e brilha como bailarino profissional

Aos três meses de vida, Jerron Herman foi diagnosticado com paralisia cerebral do tipo hemiplegia. Para os médicos ele seria totalmente dependente para atividades...

Rapaz com paralisia cerebral vê o mar pela 1ª vez e se emociona

Marcelo Souza Lopes pôde contemplar o mar pela primeira vez aos 37 anos. O passeio foi completo: ele foi à praia, colocou os pés...

Paranaense de 84 anos vence maratona no Deserto do Saara

Um paranaense de 84 anos viajou quase 10 mil quilômetros para competir – e vencer! – a Maratona do Deserto do Saara 2019, no Marrocos. Antonio...

Participe do bate papo sobre como superar a opressão no trabalho e tirar lições disso

Poder. O que essa palavra significa pra você? Qual é o sentido de empoderar-se? E mais, quais são as armadilhas escondidas por trás dessas...

Instagram

No Tocantins, mulheres quilombolas se destacam com produção agrícola sustentável 3