“Conseguimos realizar um pouquinho o sonho deles de disputar competições fora de BH”

0
509

Não é apenas uma alternativa mais barata para viajar. Para os alunos do projeto social de Jiu-Jitsu Sylvio Silva, na comunidade do Palmital, em Santa Luzia (MG), é a possibilidade de realizar um sonho.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O projeto leva o nome do seu fundador, que, ao perceber que as crianças da comunidade tinham poucas opções de lazer, passando a maior parte do tempo na rua, expostas a más influências, resolveu agir.

“Muitos vêm de um histórico familiar complicado. A única referência positiva que eles têm é o projeto. É complicado demais, mas eu me sinto motivado. Graças a Deus, nesses seis anos de projeto eu nunca precisei faltar”, relata Sylvio, que concilia as aulas de Jiu-Jitsu com o trabalho em um escritório de contabilidade.

professor e alunos de projeto social de jiu-jitsu sentados em tatame
Projeto atende mais de 100 alunos. Foto: Sylvio Silva/Arquivo pessoal

Há muitos talentos ali, mas se os alunos não disputam os principais campeonatos, eles não se desenvolvem e o sonho vira frustração. Felizmente, o que antes era extremamente difícil de proporcionar aos futuros campeões, Sylvio agora consegue e graças à Buser.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Nos últimos anos, eu só consegui levar meus alunos para competições internacionais, como o Mundial, que sempre é realizado na cidade de São Paulo, ou o Pan-Americano, realizado no Rio de Janeiro, através da Buser porque as viagens pelo aplicativo deles são muito mais em conta do que a dos ônibus tradicionais”, afirmou.

passageiro faz selfie em ônibus da buser
Com a Buser, um sonho distante ficou mais próximo. Foto: Sylvio Silva/Arquivo pessoal

Participação em conquistas importantes

A startup de viagens rodoviárias via aplicativo, sistema rápido e inteligente, e que conta com ônibus parceiros em todo o Brasil, está marcada na história de duas alunas do projeto, em especial.

Com a Buser, Larissa Leila, da categoria Galo, e Julia Marcela, da categoria Leve, foram disputar o Mundial e o Sul-Americano de Jiu-Jitsu, respectivamente, em São Paulo. Larissa conquistou o segundo lugar e Julia ocupou o lugar mais alto do pódio.

atletas femininas em pódio de campeonato mundial de jiu-jitsu
Larissa conquistou o segundo lugar no Mundial de 2020 na categoria Galo. Foto: Sylvio Silva/Arquivo pessoal

atletas femininas em pódio de campeonato sul-americano de jiu-jitsu
Julia ocupou o lugar mais alto do pódio no Sul-Americano, em 2021. Foto: Sylvio Silva/Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Se dependessem dos ônibus de linha, Larissa e Julia dificilmente conseguiriam disputar essas competições, o que seria uma derrota dura: não apenas para elas e para o próprio Sylvio, mas, sobretudo, para o esporte.

“Eu fico muito orgulhoso por dois motivos. Ter duas meninas num projeto social de Jiu-Jitsu, que é predominantemente masculino, e por serem duas meninas com garra que disputam bem os campeonatos”, diz Sylvio.

“Os meus alunos são muito carentes. Qualquer promoção que aparece a gente pegando. Graças à Buser, conseguimos realizar um pouquinho o sonho deles”, completou.

Com uma parceria dessa, você vai poder realizar muito mais, Sylvio! OSS

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja o vídeo:

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.