Refugiada da Guerra na Síria cria restaurante de comida árabe em SP para recomeçar a vida

Caiu uma bomba do lado de Mohamed, meu marido, e ele perdeu parte da audição… ele escuta agora só 30%“, conta Razan, cozinheira que nasceu em Aleppo, na Síria, mas que buscou refúgio no Brasil por conta da guerra civil que o país atravessa desde 2011.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Razan viu inúmeras pessoas queridas partindo para outros lugares, enquanto outras infelizmente morreram no conflito. Seu primeiro marido foi embora para a Alemanha, levando seus dois filhos. 💔

vaquinha voaa razan refugiada síria restaurante comida árabe vaquinha voaa razan refugiada síria restaurante comida árabe

Em entrevista à VOAA – a vaquinha do Razões, ela relembrou os horrores da guerra. “O governo avisou sobre a entrada do Estado Islâmico na minha cidade e que a gente precisava tomar cuidado e ficar em casa. Eles entravam nas casas das pessoas e tiravam elas de lá”.

Criamos uma vaquinha para ajudar essa jovem batalhadora a montar sua cozinha industrial! Clique aqui para contribuir.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

vaquinha voaa razan refugiada síria restaurante comida árabe

Um dia, uma bomba caiu bem próxima de sua casa. Como resultado, Razan desenvolveu um trauma com barulhos altos. “Quando você solta fogos de artifício, eu passo mal. Eu não consigo lidar, porque o barulho para mim é igual [às bombas]”, desabafou.

Em 2014, Razan decidiu fugir da Síria, mas seus planos foram frustrados no último minuto. “Pegamos o visto, tudo indo bem… No dia da viagem, lá no aeroporto do Líbano, a polícia mandou a gente ir embora”, contou.

No dia seguinte, seu marido, de um novo casamento, deu a ideia de ir embora para o Brasil. “Ele falou pra mim no dia seguinte: vamos para o Brasil, lá não tem guerra, lá o pessoal só dança, lá tem carnaval”.

vaquinha voaa razan refugiada síria restaurante comida árabe

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O esposo mostrou algumas fotos para Razan, e ela adorou. “Quando eu cheguei aqui, em 2014, aí começou [os dilemas]: o povo não é igual a mim, como eles vão aceitar eu com a minha roupa assim?”.

No início, ela teve dificuldades com relação à alimentação no país. “Quase não comia nada… É porque pão francês, leite de lata, e queijo de saquinho assim, para mim… É muito diferente”, brincou.

Desconfiada com a dificuldade de comer, Razan um dia foi ao hospital. Lá, descobriu que estava grávida!

vaquinha voaa razan refugiada síria restaurante comida árabe

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nesse meio-tempo, durante a gestação, ela conseguiu se adaptar às terras tupiniquins, fazer novas amizades e forjar vínculos afetivos. Um bom exemplo disso foi o dia que sua vizinha lhe deu a senha do seu Wi-Fi.

Agradecida, Razan ofereceu um jantar. “Eles vieram como família, eu fiz muito e pensei que eles iam comer muito. Eles comeram dois, três pedacinhos e sobrou muito. Fiz umas 200 esfihas no dia”, contou. “Ao ver que sobrou, a vizinha falou pra mim: ‘Vamos vender no prédio'”.

Logo no primeiro dia, tudo foi vendido. “As pessoas começaram a pedir mais, aí eu comecei a fazer”, relembrou. Aquela pequena oportunidade de ter uma rendinha acabou se tornou um negócio!

“Fiz um perfil no Facebook, coloquei primeiro: ‘Razan Comida Árabe’. Deu muito certo! As pessoas começaram a me procurar, começando a pedir comida para experimentar“, disse.

Faz 4 anos que a cozinheira mantém seu restaurante, com sabores típicos da Síria. “Faço kibe, esfihas, arroz com lentilha, kafta, kib cru, farofas ou as pastas: pão e doce”. Tem pessoas que pedem de outros estados também”, completou.

Com o sucesso do negócio e a ótima relação com a comunidade, hoje, Razan não se vê retornando para seu país natal. “Agora eu não quero voltar pra lá, quero ficar aqui, aqui é bom e já tenho amigos […] Desejo que o Brasil seja para sempre este país com pessoas amorosas e gentis como as que encontrei por aqui”.

No final das contas, o importante, segundo a síria, “é sonhar e permanecer atrás do seu sonho até conseguir fazê-lo”.

Vamos ajudar a Razan a montar sua cozinha industrial? Criamos uma vaquinha para a compra de forno, estufa, fogão, liquidificador e mais itens de cozinha como panelas e talheres. Clique aqui para ajudar!

Conheça o restaurante de Razan clicando aqui!

Fotos: VOAA

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,970,136SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Startup cria dispositivo para transformar qualquer bicicleta em elétrica – de forma super simples!

Você adora andar de bike, mas sente aquela dificuldade em dias quentes ou longas distâncias? Uma startup austríaca pretende acabar com esse problema da...

Fotógrafa capta as expressões quase humanas de animais em extinção

A fotógrafa alemã Manuela Kulpa cria obras de arte muito bonitas com espécies ameaçadas de extinção, de fotografias tiradas em jardins zoológicos à parques...

Menino de 12 anos pede de aniversário ração para abrigo de animais

Enquanto a grande maioria das crianças costumam pedir brinquedos ou alguma outra coisa que esteja querendo muito no aniversário, Valentin, de apenas 12 anos,...

Eles inventaram mochila para carregar amigo com distrofia muscular e realizar sonho de conhecer a Europa

Essa é uma história de amizade verdadeira, que renova nossa esperança na humanidade. Com distrofia muscular, o norte americano Kevan Chandler contou com a boa...

Amor incondicional: jovem de 27 anos adota idosa que morava em hospital e recebe apoio de desconhecidos

Gláucia tem 27 anos, já é mãe e ainda assim resolveu adotar Cotinha, uma senhorinha de 70 anos, que vivia em um hospital, após...

Instagram