Refugiados e seus pertences mais valiosos

O que levaria com você caso precisasse fugir de casa e ir pra outro país? Milhares de sírios e sudaneses tiveram que tomar essa decisão rapidamente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Esse é um projeto em andamento que pergunta aos refugiados de diferentes partes do mundo: “Qual é a coisa mais importante que você trouxe de casa?”. Foi essa pergunta que o fotojornalista Brian Sokol fez, enquanto estava em missão para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e desenvolveu o projeto “A coisa mais importante”, que nos permite refletir sobre a desigualdade do mundo, e lembra o ensaio que mostramos aqui no Hypeness de crianças com seus brinquedos ao redor do mundo, e que vitima milhares de pessoas atualmente. O projeto emociona pela simplicidade, pois mostra em imagens, histórias de pessoas sem casa, sem rumo, sem nada, numa sofrida luta pela vida.

Na foto acima, o objeto mais importante que Dowla foi capaz de trazer com ela é uma balança de madeira equilibrados no seu ombro, com o qual ela levou seus seis filhos durante a viagem de 10 dias a partir de Gabanit ao Sudão do Sul. Às vezes, as crianças estavam muito cansadas de caminhar, obrigando-a a levar dois de cada lado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O objeto mais importante que Amuna foi capaz de trazer com ela foi a panela equilibrada no alto da cabeça, com o qual ela foi capaz de alimentar os seus filhos durante a viagem da família para a fronteira com o Sudão do Sul.

A coisa mais importante para a garota Maria, de 10 anos de idade, é um galão velho que ela segura orgulhosa nesta fotografia tirada no acampamento Jamam no condado de Maban, Sudão do Sul.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A coisa mais importante Yusuf foi capaz de trazer quando ele fugiu da Síria é o celular que ocupa nesta fotografia: “Com isso, eu sou capaz de ligar para o meu pai”.

A coisa mais importante que Magboola (foto acima) foi capaz de trazer com ela é uma panela. Não foi o maior pote que ela tinha, mas era pequeno o suficiente que ela pudesse viajar com ele, mas grande o suficiente para cozinhar para si e para suas três filhas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

As coisas mais importantes que Torjam foi capaz de trazer com ele foi as garrafas de plástico que ele segura aqui. Um carregava água potável, a outra óleo de cozinha.

A coisa mais importante que Haja foi capaz de trazer com ela foi um xale, chamado de “taupe”, que o que ela usou para levar sua neta de 18 meses, Gaze Bal.

Maio, de 8 anos, posa para um retrato em Domiz campo de refugiados na região do Curdistão do Iraque. Ela e sua família chegaram em Domiz cerca de um mês antes da foto ser tirada, depois de ter fugido de sua casa, em Damasco, capital da Síria. A coisa mais importante que ela foi capaz de trazer com ela quando ela saiu de casa é o conjunto de pulseiras que ela usa nesta foto.

Noora, que não sabe sua idade, fica dentro de seu abrigo improvisado no campo de refugiados de Doro, Maban County, sul do Sudão. O objeto mais importante que ela foi capaz de trazer com ela é uma cesta de madeira que ele detém, pois permitiu-lhe levar o seu filho de um ano de idade.

 

Taiba Yusuf, de 15 anos, fugiu do Sudão apenas com a roupa que ela estava usando, não usava sapatos, não conseguiu comer nem uma garrafa de água. Ou seja, ela não tem nenhum objeto pois saiu abruptamente e de mãos vazias.

 

A coisa mais importante que Abdul foi capaz de trazer da Síria quando ele fugiu, são as chaves de sua casa. Apesar de não saber se o apartamento da família ainda está de pé, ele sonha todo dia voltar para casa.

Alia, de 24 anos, diz que a única coisa importante que ela trouxe com ela “é a minha alma, nada mais – nada material.” Quando perguntada sobre sua cadeira de rodas, ela disse que considera uma extensão do seu corpo, não um objeto.

A coisa mais importante que Omar foi capaz de trazer com ele é o instrumento de música que ele mostra na foto. Chamado de “buzuq” e diz que “tocar me enche de um sentimento de nostalgia e me faz lembrar da minha terra natal, durante um curto período de tempo, me dá algum alívio de minhas dores.”

 

Para Ahmed, de 70 anos, seu objeto mais importante é sua bengala, sem isso, ele diz, não teria feito o cruzamento de duas horas a pé para a fronteira com o Iraque.

As coisas mais importantes que Asha foi capaz de trazer com ela são as pulseiras, ou “kubasha”, que ela mostra na foto. “Eu não podia levar nada comigo, eu corri com o que eu estava vestindo.

A coisa mais importante que Waleed foi capaz de trazer com ele é a fotografia de sua esposa.

 

Ele disse que a coisa mais importante que foi capaz de trazer com ele da Síria é sua esposa. “Ela é a melhor mulher que eu já conheci na minha vida”, diz ele. “Mesmo se eu fosse voltar 55 anos, eu escolheria você de novo.”

Shari Jokulu é cego, e tem como seu mais importante objeto, a vara que o ajuda e o guia.

A coisa mais importante que ela foi capaz de trazer com ela é seu diploma. Com isso, ela será capaz de continuar a sua educação, na Turquia.

A coisa mais importante que Ahmend foi capaz de trazer com ele é “Kako”, seu macaco de estimação.

 

O objeto mais importante que Howard foi capaz de trazer com ele é uma grande faca, chamada de “shefe”, com a qual ele foi capaz de defender sua família e seu rebanho de 20 bovinos durante a sua viagem de 20 dias de Bau County para a fronteira com o Sudão do Sul.


Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,518,910SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Padre Júlio Lancellotti Beija Pés de Transexual e Pede Perdão

Esse vídeo foi gravado há dois anos, mas tomamos conhecimento dele agora, e resolvemos publicá-lo. Na véspera da Páscoa, o Padre Júlio Lancellotti, da...

Desconhecido ajuda idosa a comprar toca-fitas para escutar as músicas de Roberto Carlos

Se você tem 30 e poucos anos com certeza sabe o que é um toca-fitas, aquele aparelho que a gente usava para escutar músicas...

Série documenta a história de amor entre uma mulher e um gato resgatado das ruas

Cat lovers gonna love. Treze anos atrás, a fotógrafa japonesa Miyoko Ihara começou a documentar a relação da sua avó de 88 anos, Misa, com seu gatinho de...

Canal no YouTube traz histórias da comunidade LGBT com tradução em Libras

Escritor, influenciador e designer, Samuel Gomes traz na sua história a luta de seus ancestrais e da comunidade LGBT. Nascido em uma família periférica...

Mulher transforma sua casa em santuário para animais idosos abandonados

Dizem que os gatos têm sete vidas e que todos os cães vão para o céu, e este santuário garante que é verdade. House With a...

Instagram