Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP

Cerca de 20 famílias de refugiados vivem em uma ocupação no bairro da Liberdade, em São Paulo. “Temos dois sírios, três egípcios, mas a grande maioria é composta de palestinos que já eram refugiados na Síria. Todos tiveram que deixar o país por conta da guerra”, conta Silmara Silva, que é de Rondônia e chegou à capital paulista sete anos atrás.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Brasil é a nação que mais recebeu refugiados sírios na América Latina. Alguns chegaram diretamente do aeroporto e outros foram encaminhados por mesquitas, onde aguardavam um teto.

“Quando eles chegam, organizações da sociedade civil como Caritas encontram um lugar para eles, mas não podem ficar mais do que 90 ou 120 dias, depois, eles têm que se virar. Não é fácil, já que muitos não têm a documentação em dia, não têm trabalho, e, sobretudo, não sabem falar português”, diz Silmara.

No imóvel que era da Telesp, antiga operadora de telefone do Estado de São Paulo, vivem ao todo 60 famílias. Os três últimos andares do prédio são ocupados pelos refugiados, enquanto os sem-tetos brasileiros ocupam os seis primeiros.

A Agência da ONU para refugiados (Acnur) calcula que o número de refugiados no País chega a 2.077 pessoas. Em 2013, o Comitê Nacional para os Refugiados desburocratizou a emissão de vistos para cidadãos sírios e outros estrangeiros vítimas da guerra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente considera o Brasil como uma nação mãe, sabe”, explica Yahya Moussa, um dos refugiados que se beneficiou da flexibilização da burocracia. Ele é chegou ao Brasil nove meses atrás. Passou um tempo na mesquita de Guarulhos/SP e, em seguida, trouxe a esposa, Zubeida, e a filha do casal. “Conseguimos tirar um visto no Consulado do Brasil em Beirute, onde nos refugiamos depois de fugir de Damasco. Os outros consulados não queriam saber nada da gente”, completa.

No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.
No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.

Fonte: Opera Mundi

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,493,634SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem músico que fez vaquinha para estudar na Europa comemora meta alcançada

A paixão do músico Uiler Moreira, 21, pelo seu violino é uma relação harmônica e afinada que vem rendendo boas notas. Ante a admiração de...

Ronaldo Fraga faz desfiles com modelos trans na SPFW: “Foi emocionante, até chorei”

O estilista convocou somente modelos trans para o seu desfile. As modelos usavam um único modelo de vestido, inspirado nas décadas de 20, 30 e 40.

Ex, atual, marido, filhos: conheça a família que é um exemplo de aceitação e respeito

Um homem e uma mulher se casam, têm filhos e vivem felizes para sempre. Esta é a ideia romantizada que fazemos das famílias, mas...

Tio que largou tudo para cuidar de sobrinho mostra a casa que comprou após vaquinha do Razões

O amor do seu Edivaldo pelo Thalysson nem dá para explicar direito, de tão gigante que é. Há 21 anos esse tio se dedica...

Conheça a Ana Victória, a primeira modelo com microcefalia do Brasil e do mundo

Um convite para participar de uma sessão de fotos fez a roraimense Ana Victória Lago, 20 anos, revelar o seu gosto pelas câmeras e...

Instagram