Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP

Cerca de 20 famílias de refugiados vivem em uma ocupação no bairro da Liberdade, em São Paulo. “Temos dois sírios, três egípcios, mas a grande maioria é composta de palestinos que já eram refugiados na Síria. Todos tiveram que deixar o país por conta da guerra”, conta Silmara Silva, que é de Rondônia e chegou à capital paulista sete anos atrás.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Brasil é a nação que mais recebeu refugiados sírios na América Latina. Alguns chegaram diretamente do aeroporto e outros foram encaminhados por mesquitas, onde aguardavam um teto.

“Quando eles chegam, organizações da sociedade civil como Caritas encontram um lugar para eles, mas não podem ficar mais do que 90 ou 120 dias, depois, eles têm que se virar. Não é fácil, já que muitos não têm a documentação em dia, não têm trabalho, e, sobretudo, não sabem falar português”, diz Silmara.

No imóvel que era da Telesp, antiga operadora de telefone do Estado de São Paulo, vivem ao todo 60 famílias. Os três últimos andares do prédio são ocupados pelos refugiados, enquanto os sem-tetos brasileiros ocupam os seis primeiros.

A Agência da ONU para refugiados (Acnur) calcula que o número de refugiados no País chega a 2.077 pessoas. Em 2013, o Comitê Nacional para os Refugiados desburocratizou a emissão de vistos para cidadãos sírios e outros estrangeiros vítimas da guerra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente considera o Brasil como uma nação mãe, sabe”, explica Yahya Moussa, um dos refugiados que se beneficiou da flexibilização da burocracia. Ele é chegou ao Brasil nove meses atrás. Passou um tempo na mesquita de Guarulhos/SP e, em seguida, trouxe a esposa, Zubeida, e a filha do casal. “Conseguimos tirar um visto no Consulado do Brasil em Beirute, onde nos refugiamos depois de fugir de Damasco. Os outros consulados não queriam saber nada da gente”, completa.

No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.
No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.

Fonte: Opera Mundi

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menino abre brechó para vender as próprias roupas e ajudar sua mãe no RJ

O pequeno Davi Santos, 11 anos, decidiu abrir um brechó para ajudar sua família a superar a difícil fase econômica que tem passado. O...

Escolas públicas de Nova York acolhem imigrantes, mesmo em situação ilegal

O novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, adora polemizar e destilar todo o seu preconceito em medidas do governo, principalmente contra imigrantes. Embora a...

Marca de cuecas quebra o estereótipo do “machão” e faz campanha com homens reais

Não é de hoje que algumas marcas vem questionando o que é "ser homem" no universo de suas campanhas, como a Natura fez ano...

Desconhecido cria menu personalizado da Netflix para autista assistir “Procurando Nemo”

O Analista de Suporte Rodrigo Lima usou toda sua sensibilidade e criatividade para acabar com as crises de choro do pequeno Miguel.

Participação em coral melhora qualidade de fala de portadores de lábio leporino

Pelo terceiro ano consecutivo, a ONG Smile Train,  que oferece tratamento de fissuras gratuitas ao redor do mundo, promove o Coral do Centro de Fissura Labiopalatal (CEFIL)....

Instagram

Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP 2