Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP

Cerca de 20 famílias de refugiados vivem em uma ocupação no bairro da Liberdade, em São Paulo. “Temos dois sírios, três egípcios, mas a grande maioria é composta de palestinos que já eram refugiados na Síria. Todos tiveram que deixar o país por conta da guerra”, conta Silmara Silva, que é de Rondônia e chegou à capital paulista sete anos atrás.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Brasil é a nação que mais recebeu refugiados sírios na América Latina. Alguns chegaram diretamente do aeroporto e outros foram encaminhados por mesquitas, onde aguardavam um teto.

“Quando eles chegam, organizações da sociedade civil como Caritas encontram um lugar para eles, mas não podem ficar mais do que 90 ou 120 dias, depois, eles têm que se virar. Não é fácil, já que muitos não têm a documentação em dia, não têm trabalho, e, sobretudo, não sabem falar português”, diz Silmara.

No imóvel que era da Telesp, antiga operadora de telefone do Estado de São Paulo, vivem ao todo 60 famílias. Os três últimos andares do prédio são ocupados pelos refugiados, enquanto os sem-tetos brasileiros ocupam os seis primeiros.

A Agência da ONU para refugiados (Acnur) calcula que o número de refugiados no País chega a 2.077 pessoas. Em 2013, o Comitê Nacional para os Refugiados desburocratizou a emissão de vistos para cidadãos sírios e outros estrangeiros vítimas da guerra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente considera o Brasil como uma nação mãe, sabe”, explica Yahya Moussa, um dos refugiados que se beneficiou da flexibilização da burocracia. Ele é chegou ao Brasil nove meses atrás. Passou um tempo na mesquita de Guarulhos/SP e, em seguida, trouxe a esposa, Zubeida, e a filha do casal. “Conseguimos tirar um visto no Consulado do Brasil em Beirute, onde nos refugiamos depois de fugir de Damasco. Os outros consulados não queriam saber nada da gente”, completa.

No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.
No local onde a família de Yahya está acampada, há apenas colchões, um sofá velho e uma mesinha.

Fonte: Opera Mundi

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,146,563SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cuiabá vai construir 82 pontos de ônibus em contêineres com jardins suspensos e placas solares

Cada ponto de ônibus vai abrigar jardins suspensos, placas solares para iluminação, pontos de USB para recarga de celulares, além de uma pequena biblioteca de livros.

Mamãe lontra pondo o filhote para ninar é a coisa mais fofa que você vai ver hoje [vídeo]

As mamães lontras cuidam dos seus filhotes até os seis meses de vida. Nesse período, os filhotes aprendem a nadar e a se alimentar....

Pescador que ganhou vaquinha após salvar 122 famílias doa parte do valor para caridade e recebe homenagem de Luciano Huck

No último Natal, em pleno 25 de dezembro, o pescador Jean Paulo Neves, sua esposa e filho de 5 anos foram vítimas de uma...

Resgatando vidas: diagnóstico, tratamento e reversão do AVC. Tire suas dúvidas!

Um dos assuntos que mais causam curiosidade é como diagnosticar e tratar o Acidente Vascular Cerebral, o AVC. Recentemente, falamos de um tratamento usado em...

Instagram

Refugiados sírios, palestinos e egípcios são acolhidos por sem-tetos em SP 3