Homem chora ao encontrar curativo com o seu tom de pele: “Pertencimento”


Homem chora ao encontrar curativo com o seu tom de pele: "Pertencimento"
PUBLICIDADE ANUNCIE

Professor e pesquisador da Universidade de Stanford, Dominique Apollon compartilhou sua surpresa em uma rede social ao encontrar um curativo da cor de sua pele, afirmando que desde a infância procurava pelo produto, sem jamais ter encontrado até então.

“Foram 45 viagens ao redor do Sol, mas pela primeira vez na minha vida eu sei como é ter um ‘band-aid’ no meu tom de pele. Você mal pode mesmo percebê-lo na primeira imagem. De verdade, eu estou segurando as lágrimas”, desabafou na legenda da foto publicada no Twitter, onde mostra o curativo pregado na sua mão.

O post repercutiu fortemente na plataforma, tendo alcançado 555 mil curtidas desde a sua publicação, em 19 de abril.

Dominique voltou a postar na rede social dias depois, comentando sobre como se sente valorizado por algo tão singelo, ao mesmo tempo em que se sente triste por saber que milhões de jovens e crianças negras ao redor do mundo não encontram esse mesmo sentimento de pertencimento.

Leia também“Comecei lavando louça, agora sou auxiliar de cozinha no restaurante”: projeto abre portas para mercado de trabalho

“Não que eu não soubesse que esses tipos de curativos existiam, mas eu definitivamente não esperava sentir essas emoções enquanto o colocava sobre minha pele (…) É um sentimento de pertencimento. Como se sentir valorizado. Tristeza pelo meu eu mais jovem e milhões de crianças de cor, especialmente crianças negras. Como um lembrete de inúmeros espaços onde minha pele ainda não é bem-vinda. Temida. Odiada”, complementou.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Durante uma entrevista à rede de televisão norte-americana NBC, o pesquisador disse que nunca procurou ativamente por esse tipo de curativo, mas decidiu comprá-los da Tru-Color Bandages pois “desejava apoiar pessoas de produtos centrados em cores”.

A Tru-Color Bandages foi fundada há cinco anos pelo magnata Toby Meisenheimer, que é branco, após ele não conseguir encontrar um curativo que correspondesse ao tom de pele de seu filho adotivo afro-americano.

Leia tambémBares e restaurantes brasileiros começam a abrir espaço para a gastronomia sustentável

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Universa

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar