Mineira se torna primeira mulher trans a ingressar na faculdade de medicina na UFBA


Mineira se torna primeira mulher trans a ingressar na faculdade de medicina na UFBA 1
PUBLICIDADE ANUNCIE

Na semana passada, a estudante mineira Thaiz Andrade, de 37 anos, se tornou a primeira mulher trans (dos registros históricos) a ingressar no curso de medicina de uma universidade pública brasileira.

Thaiz conquistou a vaga após meses de preparação e contou com a ajuda do sistema de cotas. Ela irá estudar na Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

“Quando vi o resultado [da Ufba] fiquei sem dormir três dias”, relatou Thais, em entrevista ao portal. Segundo ela, esse já era seu terceiro ano tentando conseguir uma vaga. “Quero que diante da minha escolha outras pessoas trans se encorajem e voltem a estudar. Acredito que a educação é a maior porta para um futuro melhor para todos”, destacou.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

Interessante notar que por meio do sistema de cotas, a UFBA garantiu a vaga de 22 pessoas trans para os próximos semestres nos mais diversos cursos.

“Este é o primeiro ano das cotas para pessoas trans e refugiados. Estamos muito satisfeitos com o primeiro resultado. Já é um avanço e a expectativa é de que cresça no ano seguinte. A universidade renova o compromisso com os Direitos Humanos e dá visibilidade social, demonstrando que 22 pessoas trans querem estudar, quebrando aquele preconceito de que as pessoas trans querem se prostituir”, destaca o pró-reitor de graduação, Penildon Silva.

PUBLICIDADE ANUNCIE
Mineira se torna primeira mulher trans a ingressar na faculdade de medicina na UFBA
Thaiz Andrade, estudante de medicina da UFBA. Foto: Maiana Belo / Reprodução

O investimento em políticas públicas é a ferramenta ideal para o combate à situação de invisibilidade social da população trans no Brasil, um problema histórico e estrutural, ainda arraigado de velhos preconceitos.

Leia também:

Evento arrecada fundos para abrigo que acolhe mulheres trans em situação de rua em SP

Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Põe na Roda

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar