Cliente acusa restaurante de racismo e volta com moradores de rua

Raul Ribeiro foi a um restaurante com seu sobrinho – um adolescente negro de 13 anos, – almoçar, na Asa Norte de Brasília. Ao se dirigir ao caixa para pagar a conta, um funcionário perguntou se ele também pagaria para o “menino de rua” que estava próximo dele.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Indignado com a situação, Raul decidiu reunir um grupo de pessoas em situação de vulnerabilidade e retornar ao mesmo estabelecimento no dia seguinte após o episódio. Eles almoçaram no estabelecimento na última quarta-feira, 21. Todas as despesas foram bancadas por Raul.

“É assim que se combate esse tipo de preconceito”, disse.

Seu sobrinho mora em Planaltina, região administrativa do Distrito Federal e foi ao Plano Piloto de Brasília para aprender sobre o manuseio de hardware e programação. “Perguntei se ele tinha almoçado, ele disse que não, então fui sozinho até o caixa para deixar a refeição paga, quando me perguntaram se eu estava pagando a comida para um menino de rua”, relatou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Infelizmente, o adolescente escutou a conversa entre o tio e o funcionário, mesmo estando longe do caixa. Ele se sentiu bastante chateado com a situação e por ter sido confundido. “Eu não queria que ele ouvisse. No caminho, não disse nada, mas depois contou para o pai o que houve. Saímos dali rapidamente e o levei para uma lanchonete.”

No dia seguinte, durante o almoço promovido com os moradores de rua, Raul também levou flores e um amigo, que é saxofonista, para animar a refeição.

“Um grande mal-entendido”

Procurado pelo jornal Metrópoles, o restaurante Armazém do Ferreira afirmou ter havido uma falha de comunicação entre o funcionário e Raul. De acordo com a gerência do local, o responsável pelo caixa sequer viu o adolescente e apenas teria perguntado “se a refeição era uma criança de rua, pois é praxe da administração do restaurante o fornecimento de refeições a pessoas em situações vulneráveis.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Armazém do Ferreira também afirmou ser comum que os clientes “se dirijam diretamente ao caixa para pagar pela alimentação de pedintes e isso teria contribuído para a confusão.”

Ajude a Gastromotiva alimentar milhares de pessoas em situação de vulnerabilidade. Clique aqui e contribua.

A pergunta feita pelo funcionário do restaurante não teria sido feita, em hipótese alguma, levando em conta a cor da pele do garoto. Segundo o Armazém, a pergunta poderia ter sido feita a qualquer frequentador, e caso este fosse pedinte, o restaurante iria se propor a pagar pela comida.

Por fim, a gerência disse que todos os clientes são atendidos da mesma forma, não importando a cor ou condição social. “Ele saiu sem nos dar nenhum tipo de chance de explicar”, concluiu.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações de: Metrópoles
Foto de capa: Divulgação/YouTube

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,636,434SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Médico se fantasia de cachorro para abraçar a filha e a esposa grávida em MG

“Na hora que eu a abracei, senti uma coisa muito forte. Um amor gigante misturado com uma dor muito grande.” A gente mal começa a...

Prefeitura de SP vai pagar salário mínimo para travestis poderem estudar

A prefeitura de São Paulo anunciará no fim do mês a criação de uma bolsa de um salário mínimo mensal (R$ 788) para que,...

Cachorro salva homem preso em móveis após chuva forte em SP: ‘Me mordeu e me puxou’

O autônomo José Alexandre da Silva passou por maus bocados na última terça-feira, em sua residência. Ele foi levado pela água, que invadiu sua...

Oficina de “desprincesamento” combate o sexismo e empodera meninas no Chile

As atividades são divididas em seis módulos na Casa de Cultura da cidade. São realizados debates, aulas de defesa pessoal, cantorias e atividades manuais.

Noiva convida idoso que recebeu o coração do pai em transplante para levá-la até o altar

A norte-americana Jeni Stepien emocionou parentes e amigos quando entrou na igreja acompanhada pelo idoso que recebeu o coração do pai dela em um...

Instagram