Conciliando trabalho na roça com os estudos, jovem é aprovado em medicina

Se já é difícil passar no vestibular de medicina estudando nos melhores colégios e cursinhos, imagine para um trabalhador rural que se desdobra entre os trabalhos na roça e os estudos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas, Jéferson César provou que isso é possível com a aprovação no curso de medicina da Universidade Federal de Campina Grande, na Paraíba.

A vitória de Jéferson veio quase quatro anos depois dele concluir o ensino médio na Escola Estadual Antunes Bezerra, em 2012. Desde então ele concilia os estudos com o cuidado dos animais e plantações do sítio da família.

Ele teve que adiar o sonho da universidade por causa das fortes secas que atingiram a região e que diminuíram os ganhos familiares.

“Desde os cinco anos, lido com palma, capim, feijão e milho e tiro leite de vaca. Mas a seca foi a pior que já vi no Nordeste, não tinha como meus pais me ajudarem em outra cidade. Nem tentei. Fiz Física, porque era em Pesqueira, aqui perto, e passei. Agora, com as coisas melhorando, tentei, mas achando que seria minha primeira tentativa, porque muita gente que quer ser médico tenta muitas vezes, né?”, relata Jéferson, que acaba de trancar a licenciatura em física, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), no 7° período, de um total de 8. “Não era o que eu queria”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jéferson descobriu o que queria entre os 10 e 12 anos vendo as dificuldades enfrentadas pela família que não tinha acesso a unidades de saúde. Ele acordava às 5h para trabalhar no campo até às 10h. Depois, voltava para casa para almoçar e estudar antes de retornar ao trabalho, às 14h.

À noite, ele ia para o curso de física em uma cidade vizinha, de onde retornava às 22h30 e estudava mais uma hora para a prova do Enem. “Não dava para fazer mais que isso, senão só dormiria 5h e acabava atrapalhando tudo”. Para contornar a falta de tempo, improvisava: “Eu aproveitava o silêncio do campo e, enquanto tirava leite das vacas, ouvia umas 2h, 3h de videoaulas no celular. Isso facilitou”, diz, sorrindo.

20160205082059694447u

via [Correio Braziliense]

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Para incentivar menino a usar aparelho auditivo, Marvel cria super-herói surdo

Anthony Smith é uma criança que não ouve nada com o ouvido direito e tem audição reduzida do lado esquerdo, mas graças a um...

Jornalista do JN faz sinal de coraçãozinho após vencer coronavírus ao lado de enfermeiras

Na quarta-feira passada (18), o jornalista Marcelo Magno, 37 anos, que participa do revezamento da bancada de apresentadores do Jornal Nacional, foi diagnosticado com...

Enfermeira é contratada pelo mesmo hospital que trabalhava como faxineira há 10 anos

A Jaines Andrades trabalhou muitos anos na limpeza do Baystate Medical em Springfield, no estado de Massachusetts (EUA). E o sonho dela, durante todo esse...

Empresária tem sempre um pedaço de bolo para moradores de rua que passam em sua loja

A Bolo Doce Bolo tem chamado atenção pela generosidade de sua dona.

Pizzaria coloca fotos de cães em caixas de pizza e incentiva a adoção

Um abrigo de animais se juntou a uma pizzaria para incentivar a adoção de cães resgatados das ruas de Amherst, nos EUA. Todas as caixas...

Instagram