Conciliando trabalho na roça com os estudos, jovem é aprovado em medicina

Clique e ouça:

Se já é difícil passar no vestibular de medicina estudando nos melhores colégios e cursinhos, imagine para um trabalhador rural que se desdobra entre os trabalhos na roça e os estudos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas, Jéferson César provou que isso é possível com a aprovação no curso de medicina da Universidade Federal de Campina Grande, na Paraíba.

A vitória de Jéferson veio quase quatro anos depois dele concluir o ensino médio na Escola Estadual Antunes Bezerra, em 2012. Desde então ele concilia os estudos com o cuidado dos animais e plantações do sítio da família.

Ele teve que adiar o sonho da universidade por causa das fortes secas que atingiram a região e que diminuíram os ganhos familiares.

“Desde os cinco anos, lido com palma, capim, feijão e milho e tiro leite de vaca. Mas a seca foi a pior que já vi no Nordeste, não tinha como meus pais me ajudarem em outra cidade. Nem tentei. Fiz Física, porque era em Pesqueira, aqui perto, e passei. Agora, com as coisas melhorando, tentei, mas achando que seria minha primeira tentativa, porque muita gente que quer ser médico tenta muitas vezes, né?”, relata Jéferson, que acaba de trancar a licenciatura em física, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), no 7° período, de um total de 8. “Não era o que eu queria”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jéferson descobriu o que queria entre os 10 e 12 anos vendo as dificuldades enfrentadas pela família que não tinha acesso a unidades de saúde. Ele acordava às 5h para trabalhar no campo até às 10h. Depois, voltava para casa para almoçar e estudar antes de retornar ao trabalho, às 14h.

À noite, ele ia para o curso de física em uma cidade vizinha, de onde retornava às 22h30 e estudava mais uma hora para a prova do Enem. “Não dava para fazer mais que isso, senão só dormiria 5h e acabava atrapalhando tudo”. Para contornar a falta de tempo, improvisava: “Eu aproveitava o silêncio do campo e, enquanto tirava leite das vacas, ouvia umas 2h, 3h de videoaulas no celular. Isso facilitou”, diz, sorrindo.

20160205082059694447u

via [Correio Braziliense]

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,052,573FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
17,530SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem com deficiência humilhado por atraso de salgados se surpreende com apoio: “o telefone não para”

Coisa mais linda essa corrente de solidariedade, o Rafael tá sem acreditar! Rafael foi humilhado por um cliente que não aceitou o atraso da sua...

Homem cria “restaurante” 24 horas para alimentar cachorros de rua

João Araújo mora em Palmas, no Tocantins e é gerente de uma loja de peças para motos. Ele sempre se preocupou com os cachorros de rua da...

Adolescente recusa oferta de R$ 46 milhões por site sobre Covid-19

O que você faz quando tem 17 anos? Pensa em estudar, curtir a balada, se divertir. Mas, não o Avi Schiffmann. Ele construiu um...

Mãe que anunciou faxina por R$ 20 para alimentar filhos comove internautas e recebe R$ 53 mil em doações

A jovem mãe Liliane está desempregada e as faxinas foi o meio que encontrou pra não faltar comida em casa.

Sambista Arlindo Cruz volta a falar três anos depois do AVC

O cantor Arlindinho, filho de Arlindo Cruz, deixou uma mensagem em suas redes sociais que nos encheu de alegria: após mais de três anos...

Instagram

Conciliando trabalho na roça com os estudos, jovem é aprovado em medicina 13