Projeto ‘Rodando com Tampinhas’ doa 100ª cadeira de rodas

Nem em seus sonhos mais otimistas, Márcia Dabul, a criadora do Rodando com Tampinhas, ousava imaginar que em menos de um ano o projeto ganharia a proporção que tomou: tem recebido, por semana, de 2,5 a 3 toneladas de tampinhas coletadas uma a uma por milhares de pessoas em todo o Rio. Ou melhor, em todo o Estado do Rio, já que a ideia se espalhou por muitas cidades.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A proposta é simples: juntar tampinhas para vender o plástico a indústrias que fazem a reciclagem e, com o dinheiro, comprar cadeiras de rodas para serem doadas a adultos e crianças que aguardam na fila da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR).

Por aliar o cuidado com o meio ambiente ao desejo de ajudar o próximo – e sem exigir quase nada de quem participa, apenas que guarde tampinhas – o projeto conquistou a cidade.

Voluntários lidam com tampinhas na Igreja São José da Lagoa
Crianças, adultos e idosos participam de todas as etapas do projeto. Foto: Arquivo pessoal

O primeiro aliado foi o Padre Omar, da Igreja São José da Lagoa. Ele permitiu, desde o início, que as tampinhas doadas ficassem na paróquia, como ponto central de coleta. Talvez não tenha imaginado que seriam tantas… “Ficam todas guardadas dentro da igreja. O padre até brinca que vai trocar o nome para São José das Tampinhas”, conta Márcia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dezenas de sacos repletos de tampinhas estocados na igreja
Montanha de tampinhas armazenadas no interior da igreja já é rotina. Foto: Arquivo pessoal

Nos primeiros meses, voluntários se reuniam após a missa de domingo, ali mesmo na igreja, para fazer a triagem das tampinhas recolhidas e pesá-las para a venda. Este tempo ficou curto demais: para lidar com tantas tampinhas, os voluntários agora fazem quatro encontros semanais.

Separação por cores

Além de selecionarem as tampinhas plásticas corretas e retirarem materiais inapropriados, como metais, o grupo agora tenta separá-las por cor. Isto porque, no processo de reciclagem, quando se mistura tampinhas coloridas, obtém-se como matéria prima o plástico preto.

Temos um super parceiro, o Instituto Soul Ambiental, que compra as tampinhas para reciclagem e deposita o valor correspondente em dinheiro diretamente na conta da empresa que vende as cadeiras de rodas. Com o crescimento do projeto, eles ficaram com um estoque enorme de plástico preto. Não estavam mais dando vazão. E, se a empresa não conseguisse vender o que tinha em estoque, teríamos que parar a compra de cadeiras”, explica Márcia.

Voluntários em mutirão separando as tampinhas doadas
Voluntários em mutirão para separar as tampinhas doadas. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A solução encontrada foi separar as tampinhas por cor, assim o projeto passou a obter plástico branco, vermelho, amarelo e de diversos tons na reciclagem. Na indústria, este plástico tem mais possibilidades de venda por poder virar brinquedos, potes, bancos, mesas e diversos objetos.

Nas redes sociais, os organizadores do projeto começaram a pedir a quem pudesse que já entregasse as tampinhas separadas por cor. E a surpresa foi grande: muita gente aderiu. Mas milhares ainda vêm misturadas e são separadas pelos voluntários nos mutirões.

O que está acontecendo agora? Fico arrepiada de contar. Muitos idosos levam sacos enormes cheios de tampinhas para casa e retornam com todas separadas por cor. Estou encantada”, diz Márcia.

Onde doar tampinhas

O Rodando com Tampinhas fez dez meses em outubro e atualmente conta com 70 pontos de coleta espalhados por toda a capital, além de várias cidades do interior do Estado (veja a lista completa aqui). São pontos que concentram as doações e depois levam as tampinhas para a Igreja São José da Lagoa, onde um caminhão do Instituto Soul Ambiental as recolhe toda semana para a reciclagem.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Caminhão abastecido com toneladas de tampinhas plásticas
Toda semana toneladas de tampinhas plásticas partem para a reciclagem. Foto: Arquivo pessoal

E as novidades são as mais imprevistas: a fila por uma cadeira de rodas, ao contrário do que se esperava, só aumenta. “Como divulgamos com o Rodando com Tampinhas que a ABBR doava cadeiras de rodas, a procura cresce a cada dia. Muita gente não sabia que não é preciso ser paciente de lá para estar nesta fila”, explica Márcia, lembrando que, no início de outubro, havia 371 adultos e 177 crianças na lista.

Mas a notícia continua sendo boa: apesar de a fila crescer em número, já caiu o tempo de espera. “Quando começamos o projeto, cada pessoa aguardava em torno de dois anos para ganhar uma cadeira de rodas. Hoje em dia, espera-se no máximo quatro meses. A fila é grande, mas está andando”, comemora Márcia.

200 cadeiras de rodas

Ah, e outra ótima notícia: motivados pelo projeto, muitas pessoas decidiram doar, em vez de tampinhas, as próprias cadeiras. Nesta semana, além de o projeto ultrapassar as 100 cadeiras de rodas conquistadas com a reciclagem (foram 105), alcançou a marca de 200 cedidas à ABBR por meio do Rodando com Tampinhas. Isso porque 95 foram obtidas por doações diretas.

De tampinha em tampinha, muitas pessoas com deficiência têm ganhado a liberdade de circular pelas ruas do Rio.

Conteúdo do Rio de Boas Notícias, site parceiro do Razões.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

Relacionados

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

996,567FãsCurtir
1,940,686SeguidoresSeguir
9,507SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

USP cria ventilador pulmonar de baixo custo com tecnologia 100% brasileira

Cientistas da USP desenvolveram um protótipo de ventilador pulmonar emergencial capaz de ser produzido em massa para atender a demanda hospitalar de pacientes infectados...

Homem planta 152 milhões de árvores e refloresta manguezal sozinho no Senegal

Um homem aposentado plantou incríveis 152 milhões de árvores em um intervalo de 10 anos às margens do rio Casamansa, no Senegal. Plantando sem parar...

Nesse hotsite especial agrupamos vagas home office para ajudar você

Por conta do coronavirús, as empresas estão adotando o home office para driblar a crise. Para ajudar você que perdeu ou busca por um...

Idoso de 80 anos constrói trenzinho para cães que resgatou das ruas

Um idoso de 80 anos passa seu tempo livre operando o que provavelmente pode ser o trem mais divertido do mundo! O senhor Eugene Bostick...

Cliente antecipa pagamentos para salão de sobrancelha passar por crise do coronavírus

A servidora pública Débora Benon, de Brasília (DF), tinha uma viagem planejada com o marido e os três filhos no início de abril. Mas veio...

Instagram