Sargento supera desconfiança e vira regente de orquestra em favela no Rio

Clique e ouça:

Para o sargento José Ricardo Moreira da Silva, a música tem o poder de “abrir novos horizontes”, especialmente para aquelas pessoas cujas oportunidades de expandir seus horizontes são limitadas, como as crianças e adolescentes da Vila Kennedy, comunidade localizada na Zona Oeste do Rio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2015, ele recebeu a missão de montar uma orquestra na comunidade, a fim de encurtar a distância entre os moradores e a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do local. As aulas – abertas a pessoas de todas as idades – são ministradas no Teatro Mário Lago, vizinho à sede da UPP. Atualmente, cerca de 90 crianças e adolescentes fazem parte da primeira orquestra da favela, segundo informações do portal EXTRA.

sargento-orquestra-crianças-vila-kennedy-rio-janeiro
O regente ministra as aulas no Teatro Mário Lago. Foto: Guilherme Pinto/Agência O Globo

O programa é dividido em aulas teóricas, lecionadas às segundas e terças-feiras, de manhã e de tarde, e práticas, realizadas às sextas-feiras. Qualquer pessoa pode participar – moradores de outras comunidades são bem-vindos – e não há limite de idade.

A ideia da orquestra foi do agitador cultural Binho Cultura e do capitão Carlos Pimenta Jr, subcomandante da Companhia de Músicos da Polícia Militar. Silva era a pessoa ideal para tocar o projeto, pois estudou em escola pública e entrou na PM com o desejo de fazer ações sociais com a música.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

sargento-orquestra-crianças-vila-kennedy-rio-janeiro
Foto: Guilherme Pinto/Agência O Globo

Os 50 músicos que hoje compõem a orquestra são formados pelo sargento Silva, com a colaboração do soldado Thiago Brito Corrêa, que garante: o regente não faz o estilo “sargentão”, pelo contrário, é um “amigaço” dos seus pupilos.

Essa amizade foi construída com o tempo. A desconfiança dos alunos, pelo fato do professor usar uma farda da Polícia Militar, foi ficando para trás com a convivência diária, sem queimar etapas: cada um respeitando o espaço e a vivência do outro – a orquestra toca Mozart, mas também toca Anitta e Maiara e Maraisa. Mais do que uma orquestra, eles podem dizer que são uma família!

Interessados em integrar o projeto ou fazer doações podem ligar para 2333-5408 ou 2333-5407.

Foto de capa: Guilherme Pinto/Agência O Globo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Mulher convida policial que a prendeu para sua graduação da faculdade e faz homenagem

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,078,000FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,669SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Homem raspa cabelo da namorada com alopecia, depois o seu também e ela não aguenta a emoção

Quando a gente escuta que amar não tem limites, a gente fala de gestos como o de Damien! Ele namora Eva Barilaro e, recentemente, os...

Vaquinha para motoboy humilhado bate mais de R$100 mil em menos de 24h

Todo mundo acordou ontem precisando engolir a seco a história do Matheus Pires, de Valinho (SP). Vivemos em um país onde ainda há muita indiferença...

Holanda bate recorde e é o primeiro país sem nenhum cão de rua abandonado

O governo holandês deu uma notícia inspiradora para todo o mundo. O país é o único a não ter cães de rua abandonados. Isso é...

Instagram

Sargento supera desconfiança e vira regente de orquestra em favela no Rio 13