Bebê abraça mulher com mesma condição que ele e emociona a todos


Menino de 1 ano abraça desconhecida ao reconhecer nela a mesma condição que ele tem
PUBLICIDADE ANUNCIE

É comum para um bebê “estranhar” a visita de alguém que ele nunca viu na vida, ainda mais se essa pessoa tentar pegá-lo no colo. Mais difícil ainda é convencê-los, mesmo com as mais sinceras tentativas do papai e da mamãe.

Porém, numa ocasião um tanto especial, tudo foi diferente para Joseph Tidd, um bebê de ano. Num evento organizado pela associação de apoio a pessoas com deficiência física, a Lucky Fin, o bebê encontrou Amy, 34 anos, uma moça que, assim como ele, não tem a parte inferior de um dos braços.

Joseph não pensou duas vezes e correu para dar um abraço em Amy, emocionando todos os presentes do evento, especialmente sua mãe.

 [Nota da Redação do Razões] (Matéria continua depois do vídeo abaixo)

Crianças trocam brinquedos por pedido de trabalho para seus pais em cartinhas ao Papai Noel, assista:

LEIA TAMBÉM: Por que cuidar da saúde deve estar no topo da sua lista de resoluções para 2019?

“Geralmente, não publicamos muitas coisas, mas esse vídeo do Joseph é muito doce para deixar de compartilhar. Ele sentiu uma conexão com Amy imediatamente!”, escreveu Collen Miles Tidd no seu perfil pessoal do Facebook.

Na página oficial da Lucky Fin, a mãe de Joseph agradeceu Amy. “Que momento lindo! Obrigada por ser tão gentil com meu menininho”. Amy respondeu em seguida: “Tenho certeza de que esse menino, sozinho, poderia iluminar o mundo inteiro. Me sinto muito abençoada por ter compartilhado esse momento com ele”.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Amy e Joseph nasceram com uma condição genética rara chamada symbrachydactyly, uma anomalia congênita que impede que os braços se desenvolvam integralmente no útero.

Leia tambémMenino curado vira médico para cuidar de crianças com câncer

A symbrachydactyly é caracterizada por anomalias diversas nos membros do corpo, como braquidactilia (dedos mais curtos), sindactilia cutânea (quando dois ou mais dedos nascem grudados) e hipoplasia global (quando um tecido ou órgão do corpo nasce subdesenvolvido). Essa condição é extremamente rara, atingindo 1 em cada 50.000 recém-nascidos.

Assista ao vídeo abaixo (se não conseguir visualizar, clique aqui):

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Revista Crescer
Foto: Reprodução / Reddit

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar