Cientistas imprimem coração 3D utilizando células do próprio paciente


Cientistas imprimem coração 3D utilizando células do próprio paciente
PUBLICIDADE ANUNCIE

Há dois anos, cientistas começaram a discutir a possibilidade de utilizarem a tecnologia das impressoras 3D para revolucionar a medicina moderna, atacando um de seus maiores problemas: o transplante de órgãos. Tal tecnologia poderia ser eficaz na resolução de problemas de incompatibilidade entre doadores, além de acabar com as longas filas de espera nos hospitais públicos.

Pouco tempo depois, pesquisadores espanhóis demonstraram o funcionamento da primeira impressora 3D do mundo capaz de produzir pele humana.

Graças à descoberta de um tecido que replica com perfeição a epiderme, os cientistas subiram um degrau no estudo biológico de impressão tridimensional.

Leia tambémNoiva convida idoso que recebeu o coração do pai em transplante para levá-la até o altar

Agora, em 2019, cientistas da Universidade de Tel Aviv, em Israel, atingiram um novo e ainda mais surpreendente patamar: imprimiram o primeiro coração totalmente 3D do mundo, utilizando as células e material biológico do próprio paciente que ganhará o transplante.

O estudo, publicado no periódico Advanced Science, é com todos os méritos uma grande revolução médica, e um dos mais importantes feitos da medicina nos últimos 50 anos.

Imagine só: conseguir produzir um órgão à perfeição, incluindo células, vasos, ventrículos e câmaras utilizando uma impressora 3D!

Cientistas imprimem coração 3D utilizando células do próprio paciente

PUBLICIDADE ANUNCIE

A partir de uma biópsia do tecido adiposo do paciente foi possível iniciar o processo de impressão, realizado no hospital da Universidade de Tel Aviv.

O material celular foi usado para a impressão. Os cientistas conseguiram, então, imprimir o órgão com todas as suas complexidades.

No entanto, trata-se de um protótipo: o órgão impresso ainda não está no formato ideal para o uso em um corpo humano pois é muito pequeno, possuindo o tamanho de um coração de coelho.

Espera-se conseguir criar um coração do tamanho do órgão humano em alguns meses. O modelo menor foi criado para testar a efetividade da máquina e do projeto que utiliza tecidos.

É provável que até 2021, transplantes do tipo possam ser feitos em animais e, quem sabe, em humanos.

Leia tambémMédico sul-africano cura surdez de paciente com primeiro transplante de ouvido do mundo

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: B9
Fotos: Reprodução / Universidade de Tel Aviv

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar