Cientistas brasileiros criam prótese que devolve voz a quem perdeu laringe por câncer

A prótese de voz é um tipo de válvula que permite a produção de som semelhante à voz de um falante saudável com rouquidão moderada, porém quase normal em termos de volume e intensidade.


prótese devolve voz quem perdeu laringe por câncer
PUBLICIDADE ANUNCIE

Cientistas do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) desenvolveram uma prótese 100% brasileira que devolve a voz a pessoas que perderam parcial ou integralmente a laringe devido ao câncer.

Criado no Laboratório de Vibrações e Acústica (LVA) da UFSC, o modelo é considerado bem mais acessível e barato quando comparado aos já existentes no mercado.

A prótese de voz desenvolvida é completamente diferente da oferecida pelo SUS, conhecida coloquialmente como ‘laringe eletrônica’, uma vez que deixa a voz robotizada.

O protótipo catarinense é uma espécie de válvula que permite a produção de som semelhante à voz de um indivíduo falante saudável, com rouquidão moderada, porém estável em termos de volume e intensidade.

prótese devolve voz quem perdeu laringe por câncer

“Nossa pesquisa tem grande apelo social porque viabilizaria uma prótese de voz para uma parcela enorme da população”, diz o professor Andrey Ricardo da Silva, cuja equipe trabalha em cooperação com o Centro de Pesquisas Oncológicas de Santa Catarina (Cepon).

O câncer de laringe

Segundo dados do INCA – Instituto Nacional de Câncer, estima-se que cerca de 8 mil pessoas descubram ter câncer de laringe no Brasil todos os anos.

Quando diagnosticados tardiamente, o que infelizmente é a regra em nosso país, 4 em cada 5 casos exigem a retirada total da laringe (laringectomia total). A retirada do órgão é necessária, implicando na perda de capacidade da fala.

Atualmente, as únicas próteses disponíveis no Brasil são importadas da Suécia ou dos EUA e são caras: custam até R$ 2.400 e é preciso trocar as válvulas a cada seis meses.

prótese devolve voz quem perdeu laringe por câncer
Ensaio realizado no anfiteatro do Cepon

Restabelecimento da voz

Especialistas da fonoaudiologia e otorrinolaringologia afirmam que a maneira mais eficaz de restabelecer a voz em pacientes cuja laringe foi totalmente retirada seja a prótese tráqueo-esofágica, como a que está em desenvolvimento no LVA.

PUBLICIDADE ANUNCIE

“Só existem três formas de reabilitar a fonação dos pacientes que perderam a laringe: laringe eletrônica, prótese tráqueo-esofágica e voz esofágica, com treino fonoaudiológico. A prótese é a mais eficiente em qualidade vocal, mas ainda não é padronizada pelo SUS. A possibilidade de termos uma prótese nacional, ampliaria a possibilidade de padronização dessa alternativa. E a absoluta maioria dos pacientes laringectomizados poderá recebê-la”, diz Luiz Medina Santos, médico do Centro de Pesquisas Oncológicas de Santa Catarina (Cepon).

Leia também: Pesquisadores suíços criam prótese mecânica de perna com sensação de ‘tato’

Segundo fontes do SUS, a prótese de voz 100% brasileira já poderia estar pronta se os aportes prometidos pelo governo federal tivessem sido feitos. E com os recentes cortes, sua fabricação pode atrasar ainda mais.

prótese devolve voz quem perdeu laringe por câncer
Professor Andrey Ricardo da Silva

Produção das próteses

Uma única prótese leva até 15 horas para ser impressa numa impressora 3D. Outros dois dias são necessários para que a secagem do silicone injetado no molde aconteça.

Esse processo está sendo estudado pelo engenheiro André Miazaki da Costa Tourinho, que viajou de Brasília para Santa Catarina para compreender melhor a modelagem das próteses.

Leia também: USP descobre molécula que reduz tumor e evita metástase do câncer de ovário

André conseguiu bolsa de doutorado no ano passado para estudar no LVA. “O legal da pesquisa é poder ajudar pessoas laringectomizadas que precisam de ajuda”, afirma.

Alguns indivíduos não conseguem falar nada e precisa escrever para serem compreendidos. Outros falam com dificuldades, porque mesmo com a laringe eletrônica a pessoa precisa aprender certos macetes. ” Às vezes as pessoas entram na Justiça para que o SUS pague uma parte da prótese importada, e mesmo conseguindo, acabam tentando usar a prótese por mais tempo que o recomendado. É difícil para todo mundo”, conclui o engenheiro.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

Fonte: SNB/Fotos: Reprodução/UFSC

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar