“Se o Lucas tivesse ido para um abrigo, ele teria ficado lá. As crianças brancas são as mais procuradas”

O ano era 1993 e rejeitado pela mãe biológica, Lucas Pinangé foi deixado na porta do hospital onde Maria da Graça trabalhava, em Goiânia (GO).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Naquela época, uma colega de trabalho tinha vontade de adotar uma criança. Porém, Lucas foi parar mesmo nos braços da dona Graça.

Ao conhecer Lucas, hoje com 28 anos, dona Graça, de 70 anos, o levou para casa por impulso. Ela conta que se Lucas tivesse ido para um abrigo as chances dele ser adotado seriam pequenas, pois era uma criança negra.

Decidiu que ficaria com Lucas até surgir alguém interessado em adotá-lo. Já mãe de três filhos, dona Graça não tinha esse desejo. No caminho para casa, dona Graça comprou leite, já que Lucas estava há horas sem se alimentar.

fotos criança negra sobre mesa rodeada folhas verdes
Foto: Lucas Pinangé/arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Graça procurou e procurou, porém ninguém quis adotar Lucas, inclusive, a colega de trabalho, que acabou adotando um cachorro. 

Foi então que, com a ajuda de um colega advogado, dona Graça deu entrada no processo de adoção. Depois de algumas visitas de psicólogos e assistentes sociais, dona Graça tornou-se mãe de Lucas, também no papel, porque no coração ela já era.

Conversa sobre a adoção

Quando tinha por volta dos 7 anos, enquanto a família separava papéis antigos para serem jogados fora, Lucas encontrou sua certidão de nascimento, que continha o nome de registro e o da adoção.

Imediatamente, dona Graça tirou o documento de suas mãos. Ela temia que Lucas se sentisse excluído ao descobrir que não era seu filho de sangue.

“Eu ri, tipo, ‘coitada, até parece que eu não sei’. Sempre tive essa convicção. De alguma forma, aquilo já estava em paz no meu coração, tendo a consciência de que estava destinado a essa família”, revela Lucas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Graça não lembra exatamente como foi a conversa, que tentou adiar até quanto pôde, mas ela aconteceu e, para sua surpresa, Lucas nem sequer quis conhecer a família biológica.

filho usando roupa chef abraçando mãe sorrindo
Foto: Lucas Pinangé/arquivo pessoal

Mas um medo acompanhou Lucas por algum tempo: ficar sozinho. Tanto que dormia junto com dona Graça e ficava desesperado se a mãe demorasse para buscá-lo na escola. Aos poucos, o medo se transformou em cumplicidade.

“Um filho que tem uma cumplicidade comigo mais do que meus filhos biológicos”, revela dona Graça.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Graça ensinou Lucas a servir

Dona Graça serviu Lucas desde o instante em que bateu os olhos naquela criança enrolada num lençol. E talvez por influência da mãe, Lucas adora servir, que nada mais é do que amar, segundo ele, e, no seu caso, por meio da gastronomia.

Lucas tomou gosto pela arte dos sabores observando a mãe cozinhar na adolescência. Aos 5 anos, já gostava de montar mesa posta. Nas reuniões de família, fazia questão de organizar tudo o que ia à mesa bem direitinho.

Durante um estágio para a faculdade de Direito, Lucas recebeu um ‘chacoalhão’ de um amigo e resolveu fazer o curso de garde manjer, profissional que prepara pratos frios ou em temperatura ambiente.

antepastos caixa madeira
Foto: Lucas Pinangé/arquivo pessoal

Foi então que ele combinou as duas paixões – o prazer em servir e a gastronomia – e fundou uma empresa de produção de antepastos, chamada Manre, palavra que significa abundância em Hebraico.

“O que eu faço hoje em relação à Manre, não pensando como empresa, mas a partir daquilo que eu recebi… Eu sou resultado daquilo que me foi disponibilizado. Um amor sem reservas, limites, preconceitos, barreiras. Isso me ensinou a servir, a fazer as coisas com apreço e carinho”, afirma Lucas.

Lucas e dona Graça são os convidados do 19º EP do Cafezoom. Dá o play e confira mais sobre esta linda história de adoção:

Os outros episódios do Cafezoom estão disponíveis para você maratonar aqui.

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,572,055SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Antes de voltar pra selva, chimpanzé abraça mulher que o cuidou

Jane Goodall é uma criadora, engajada em causas dos animais, especificamente na salvação de chimpanzés do Congo, o instituto que ela coordena, trata animais...

Razões acessível: nova ferramenta do site permite ouvir nossas histórias

A gente ama fazer o que faz e quer que o Razões chegue pra todo mundo! Estamos mais perto disso com uma nova funcionalidade...

[VÍDEO] Noiva realiza sonho de menina com paralisia recusada como dama de honra em outros casamentos

Após algumas tentativas negadas por ter paralisia cerebral, Larissa finalmente foi dama de honra em um casamento. Com seu andador, a menina desfilou radiante...

Cadela solitária ganha amiguinho e até produz leite para amamentá-lo

Foi “lambida” à primeira vista. A cadelinha que nunca teve filhotes, se entregou aos encantos do novo mascote da família

Ambulantes perdem tudo em tumulto no carnaval e desconhecidos cobrem prejuízo

Durante um tumulto no bloco Mascarados, em Salvador (BA), alguns vendedores ambulantes perderam tudo: mercadorias, isopor, TUDO! Felizmente, foi formada uma corrente do bem...

Instagram