Senegalês corrige valor de venda de óculos para cliente e atitude dá um tapa de luva no preconceito

Sobra honestidade do lado de quem busca uma vida melhor no Brasil. É o que mostra um imigrante senegalês que vende óculos na orla das praias cariocas. (Ajudar uma causa social pode ser mais fácil do que você imagina. Cadastre o seu Visa e escolha uma causa. Cada vez que você usar seu cartão, a Visa fará uma doação.)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quem conta a história é a Juliana Figueiredo. “Ontem eu fui à praia e esse rapaz de Senegal, passou vendendo óculos, o meu tinha quebrado aí comprei um… R$35,00 era o preço (ta ne, praia.. Barra, peguei!) Aí usei o cartão e na claridade, nem vi valor…”, escreveu Juliana no Facebook.

Por engano, o rapaz cobrou 350 reais pelos óculos, mas o valor passou batido para Juliana. Quando percebeu a confusão, minutos depois, ele correu até Juliana desesperado, dizendo que tinha passado o valor errado. Ela entrou no aplicativo do banco e viu o débito na conta de 350 reais.

senegalês corrige valor venda óculo clientes

Obviamente, Juliana caiu em desespero. A sorte é que o rapaz usa uma maquininha de cartão que cobra o valor da compra um dia depois. O senegalês pediu ajuda para um colega que fala português para dizer à Juliana que não tinha feito aquilo por maldade. Ajudar uma causa social pode ser mais fácil do que você imagina. Cadastre o seu Visa e escolha uma causa. Cada vez que você usar seu cartão, a Visa fará uma doação. Cadastre-se!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Se ele não volta eu nem ia saber! Quando entrasse na conta ia sentir falta, mas já ia ser tarde demais”, afirma Juliana.

Isso aconteceu no domingo (01/07), na segunda-feira, ela foi atrás do rapaz na praia e pediu o número do WhatsApp dele. Eles trocaram mensagens e Juliana disse para o senegalês devolver 300 reais e ficar com 50 – 35 pelo valor dos óculos, mais 15, pela sua honestidade, podemos colocar assim.

“A foto do zap dele é um menino, perguntei se era filho dele, ele disse que sim. Comprei um carrinho de 20,00 e levei pra ele. O sorriso que ele deu, mudou meu dia. Ele ficou mais feliz por eu ter levado o carrinho, do que ter dado um dinheiro a mais.”

Juliana finaliza a publicação dizendo estar sem palavras para agradecer a honestidade do senegalês. Apesar das dificuldades que ele e sua família enfrentam, o rapaz achou que devia fazer a coisa certa, ao invés de tirar vantagem na venda dos óculos.

“Ainda existem pessoas boas. Ainda existe esperança. Ainda há fé num mundo melhor.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O relato de Juliana viralizou nas redes sociais, confira:

Conheça mais sobre o programa Visa Causas e apoie uma instituição sem pagar nada a mais por isso. É só cadastrar o seu cartão Visa e a cada transação no crédito ou débito, a Visa faz uma doação. Saiba mais!

crédito das fotos: Juliana Figueiredo/Facebook/Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,275,963SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Esses 14 gatos grudentos se recusam a dar um momento a seus humanos. E isso é cômico!

Depois de adotar um gato. dificilmente você saberá o que é tomar banho sem o bichano olhando ou abrirá a porta do banheiro e...

Vó Georgiana abre creche na própria casa para crianças abandonadas

Dona Georgina improvisou uma creche na sua própria casa, onde cuida de crianças abandonadas ou em situação de risco.

A técnica que sofreu assédio e se vestiu como homem para comandar seleção de rugby em cadeira de rodas

Ana Ramkrapes é a primeira técnica mulher da seleção brasileira de rugby em cadeira de rodas. Ela sofreu e trabalhou muito para chegar ao posto!

Projeto convida pessoas que sofreram bullying a quebrarem o silêncio e contarem suas histórias

(Post enviado pela leitora Gabriella Azevedo) Me chamo Gabriella Azevedo, tenho 25 anos, sou natural de Brasília mas moro a um tempo no Nordeste (Maceió)....

Mãe aos 17 e desacreditada, ela foi aprovada em 1º lugar em Geografia na UFS

“A maioria das pessoas dizia que eu tinha destruído o meu futuro.”

Instagram

Senegalês corrige valor de venda de óculos para cliente e atitude dá um tapa de luva no preconceito 2