Série de fotos emocionantes mostra o último dia de vida do cão Duke

16
10959

É uma decisão dolorosa, que machuca profundamente. Nos referimos à decisão de praticar a eutanásia em um animal, neste caso, em um cachorro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A família Roberts, de Houston, nos Estados Unidos, teve que encarar essa difícil decisão com seu tão amado Duke, que foi diagnosticado com câncer de osso e, mesmo após o tratamento e de uma perna amputada, teve metástase. Sua condição piorou muito e a família percebeu que não havia mais nada que poderia ser feito,

E com a despedida iminente, a tutora de Duke, Jordan Roberts, preparou um dia memorável com tudo que seu cachorro amava, incluindo hamburgueres, passeio no parque aquático e a presença de todos os amigos. Para capturar esse dia tão especial, Jordan chamou sua amiga e fotógrafa pet Robyn Arouty.

Essa matéria foi primeiramente publicada pelo BuzzFeed e as legendas a seguir são de autoria de Robyn Arouty:

– Eu morri hoje. Por Duke Roberts.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-01

E eu comi muitos hambúrgueres. Fizemos uma festa.

Eu ri.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-02

E eu pensei no quanto eu vou sentir falta daqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-03

Nós contamos piadas.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-04

Ficamos sérios

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-05

Meus amigos que moram ao lado vieram me ver. Eles são gêmeos. Quando alguém ofereceu um de meus hambúrgueres, um disse,“Não, obrigado, eu não quero tirar nenhum do Dukey.”

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-06

Kristen veio me ver. Ela é muito bacana. Ela é minha groomer. E minha amiga.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-07

Enquanto nós estávamos esperando o veterinário chegar, Kristen disse que nós iríamos passear. E entao alguém disse, “Que tal nós brincarmos na água no parque no final da rua?” E nós fomos.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-08

Você sabe que eu vou sentir sua falta, né?

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-09

E a sua também, tá?

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-10

Eu preciso que você me ajude olhando a minha família.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-11

Você escutou? É tudo que eu quero.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-12

Nós nos molhamos hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-13

Nós sorrimos hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-14

Nós nos sentimos abençoados hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-15

Nós quebramos as regras hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-16

Eu escutei as crianças brincando de longe. E pensei nos meus dois bebês em casa. Eu amava protegê-los.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-17

Eu relaxei hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-18

Eu não senti nenhuma dor, apesar do tumor ter crescido tanto.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-19

Eu senti o amor hoje.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-20

Eu disse adeus a minha linda amiga Kira. Ela me “viu” pulando em todo mundo, antes do médico dizer que havia chegado a hora. Eu estava animado & pulando & feliz.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-21

Bem, eu não disse adeus. Eu disse até nós nos encontremos novamente.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-22

Deus, como eu tive sorte. Nosso tempo foi curto. Mas vocês duas me deram uma segunda chance & nós a vivemos juntos. Você ama quando eu olho para você. Eu nunca vou parar.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-23

Sempre, Dukey.

duke-robyn-arouty-cachorro-ensaio-eutanasia-24

O vídeo de Duke, da época que foi adotado, ainda está online no Youtube. Você pode conferir abaixo quando a Labs4Rescue procurou um lar para esse meninão. A adoção é um gesto tão especial. Dê uma chance a um animal e ganhe a oportunidade de conhecer um amor único.

Texto publicado originalmente no Portal do Dog.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

16 COMENTÁRIOS

  1. muito triste!
    eu tenho e sempre tive cães (atualmente com 4 rs) e jamais faria ou teria coragem de agir desta maneira.

    • Dian, eu tb pensava assim, até ver meu anjinho de 4 patas (neste momento com 19 anos) definhar e sofrer. Sofrer muito. Meus pais e eu tratamos dele e fomos até onde a gente pôde. O veterinário sempre foi contra a eutanásia, mas chegou num ponto em que ele veio conversar com a gente e falou q infelizmente não havia mais o que fazer.

      Ele viveu esse tempo todo com a gente, cresci junto com ele, e é dificil dar esse passo. Mas o fato de vc ver um bichinho q era ativo (ele pulou muros e portões até os 17 anos dele, imagina! Hehehhe!)e que se virava com td sozinho, precisar de ajuda para ficar em pé, comer e fazer as necessidades… Claro que é uma situação terrível, mas ai quem acaba sendo egoísta somos nós, sabe…? Pelo apego, acabamos dando um tempo maior de sofrimento a eles. E eles não merecem nunca sofrer….

      Achei q o Duke ainda estava legal, mas não somos médicos, não sabemos a real situação dele… Se foi precipitado ou não só eles sabem… Mas ele com certeza foi um cão muito feliz…

      Abraços pra vc e seus 4 anjinhos! 🙂

  2. Acho que essa é a decisão mais difícil da vida de uma pessoa. Eu tinha um cachorro, o Zakk. Adotamos ele quando pequenininho, e de tão maltratado que ele era eu achei que ele não ia sobreviver. Mas ele sobreviveu.
    Ficou grande, forte, bonito. Era sempre ativo e um dos cachorros mais meigos que eu já conheci na minha vida. Até depois de eu sair de casa, quando ia visitá-lo era sempre uma festa, e nós rolávamos no chão e ele sempre me olhava com o mesmo olhar de quando ele era filhote.

    Aos 4 anos e meio, Zakk foi diagnosticado com uma doença degenerativa nos rins, e eu, mesmo sem morar com a minha mãe, ia quase todos os dias levar ele para o tratamento,e mesmo com todo esse sofrimento, ele continuava feliz, ativo,brincando e fazendo toda uma festa. Um dia ele piorou.

    Vi meu cachorro perder 12 quilos em uma semana. Vi os veterinários falarem que tinham feito tudo que podiam, mas que a partida dele era inevitável. Então, no dia marcado, fui me despedir e ficar ao seu lado, e ele me olhou, me distinguiu com dificuldade, apoiou sua cabeça no meu ombro e ficou lá, durante minutos, apenas abraçado comigo.

    Desde esse dia eu penso nele, não dei um adeus, dei uma té logo. Desde esse dia nunca mais toquei nesse assunto, e sinceramente, não sei porque resolvi abrir isso hoje, na internet.

    O fato é que eu não poderia deixar ele sofrendo, cheio de tubos e fios e aparelhos ligado nele.

    Queria ter feito mais, ter estado mais com ele, mas sei no fundo do meu coração que ele está feliz aonde está, apenas esperando o dia em que vamos rolar no chão novamente e ficar juntos mais uma vez.

    • Nossa Luiz, obrigado por compartilhar algo tão íntimo de sua vida aqui no nosso site. Podemos postar na nossa fanpage seu depoimento? Seria bacana se mais pessoas soubessem que não é uma decisão fácil praticar a eutanásia no seu animal de estimação.

      • Pode sim Vicente. Caso possível, gostaria que me passasse o link. Quero compartilhar com a minha mãe.

    • O meu tb, acompanhei ele até o fim… O veterinário veio conversar comigo, explicar que eu não precisava ficar, mas falei que fazia questão. E da mesma maneira que vc, tb dei um “até logo”. 🙂

  3. Sabe… ler essa história me deixou muito emocionada…
    Eu era uma pessoa que nunca deixaria uma injeção levar algum dos meus bichinhos, sempre acreditei na cura de tudo, meus animais são todos castrados para evitar qualquer tipo de doenças, mas se pegassem eu trataria porque matar jamais…
    Mas a poucas semanas passei por uma situação que pela primeira vez me fez parar para pensar e colocar em uma balança oque era realmente importante.
    Minha gatinha entrou dentro do motor do carro do vizinho no dia do jogo do Brasil X Chile, o vizinho não sabia e ligou o carro para sair… como ela estava com os pelos grandes, alguma coisa no motor enroscou nos pelos dela arrancando a pele de toda a bundinha dela…
    A vizinha me chamou achando que ela tinha sido atropelada, fui correndo ela me olhou e deu um miadinho tão delicado, do tipo: “Eu sei que você vai resolver”.
    Peguei ela no colo sem nem ver oque havia machucado e levei ela correndo ao veterinário…
    Chegando lá meu mundo desabou… minha gatinha havia perdido os movimentos das perninhas (isso era de menos, eu faria uma cadeira de rodas pra ela por experiencia anterior e cuidaria para o resto da vida) mas além disso ela perdeu uma pele que dificilmente iria recuperar, e ia sempre doer quando fizesse as necessidades, além de ter 99% de chance de ocorrer infecções…
    Eu sei que ela queria viver, e que confiou em mim, confiou que eu faria o melhor, foi difícil ver que da cinturinha pra cima ela estava perfeita, e eu tinha que decidir… “por egoismo” ficar com ela independente do sofrimento que ela iria ter, ou “por amor” deixar ela partir e evitar o sofrimento…
    Chorei muito, mas muito mesmo… minha princesa tinha 6 aninhos, era delicada e carinhosa, mas fiz o melhor para ela…

  4. Sabe… ler essa história me deixou muito emocionada…

    Eu era uma pessoa que nunca deixaria uma injeção levar algum dos meus bichinhos, sempre acreditei na cura de tudo, meus animais são todos castrados para evitar qualquer tipo de doenças, mas se pegassem eu trataria porque matar jamais…

    Mas a poucas semanas passei por uma situação que pela primeira vez me fez parar para pensar e colocar em uma balança oque era realmente importante para mim e para minha gatinha.

    Minha Emmy entrou dentro do motor do carro do vizinho no dia do jogo do Brasil X Chile, o vizinho não sabia e ligou o carro para sair… como ela estava com os pelos grandes, alguma coisa no motor enroscou nos pelos dela arrancando a pele de toda a bundinha…

    A vizinha me chamou achando que ela tinha sido atropelada, fui correndo ela me olhou e deu um miadinho tão delicado, do tipo: “Eu sei que você vai resolver”.

    Peguei ela no colo sem nem ver oque havia machucado e levei ela correndo ao veterinário…

    Chegando lá meu mundo desabou… minha gatinha havia perdido os movimentos das perninhas (isso era de menos, eu faria uma cadeira de rodas pra ela por experiencia anterior e cuidaria para o resto da vida) mas além disso ela perdeu uma pele que dificilmente iria recuperar, e ia sempre doer quando fizesse as necessidades, além de ter 99% de chance de ocorrer infecções…

    Eu sei que ela queria viver, e que confiou em mim, confiou que eu faria o melhor, foi difícil ver que da cinturinha pra cima ela estava perfeita, e eu tinha que decidir… “por egoismo” ficar com ela independente do sofrimento que ela iria ter, ou “por amor” deixar ela partir e evitar o sofrimento…

    Chorei muito, mas muito mesmo, tive pouco tempo para pensar… minha princesa tinha 6 aninhos, era delicada e carinhosa, mas fiz o melhor para ela…

    Minha princesa era SRD, um amigo pegou da vizinha na frente da casa dele que tinha muitos gatos jogados e maltratados, ele disse que ela parecia uma princesinha e merecia cuidados para tal, então ele me trouxe…

    Ainda choro… sinto saudades… ela era cheia de costumes… era perfeita…

    As pessoas devem repensar muito conceitos sobre eutanásia… eu pensava que como isso não é praticado em pessoas, não deve também ser praticado em animais… Mas mudei meu conceito… acabei com meu egoismo…

    Fiquei quase uma hora na sala da clinica com ela, beijando e dizendo que tudo ia ficar bem, que ela era minha princesa e nunca deixaria de ser… ela sentia que era uma despedida, eu sei que ela sentia… lambeu minhas lagrimas antes de eu autorizar que a injeção fosse dada… Ela não sentiu dor… mas em mim Doeu demais…

    Eu faria tudo para ter ela aqui… tudo menos ver ela sofrer…

    Isso é a maior prova de amor…

  5. Eu chorei lendo a matéria e depois todos esses comentários! Me lembrei de todos os filhinhos que tive, pensei nos que eu ainda tenho…
    A eutanasia é bastante controversa. O veterinário tem que estar certo de que não há mais como continuar. Digo isso pois tinha um cachorro, Dove, ele veio para minha casa com 3 anos, e viveu 13 conosco. Em 2008, encontrei-o no quintal, esticado e babando. Levei-o ao veterinário que a principio pensou ser uma lesão na coluna. Todos os exames foram feitos e nada… Só depois descobrimos que era um problema neurológico, ele teve um AVC. Logo o veterinário disse que a melhor opção seria eutanasia, pois ele não se movia, estava com sondas e que não viveria mais uma semana. Eu disse a ele que essa ultima semana seria comigo, em casa!
    Quatro dias depois o Dove voltou a andar, comer… Eu fiquei aliviada, feliz demais…
    Viveu mais dois anos, até que uma noite ele teve outro AVC, chorava demais, corpo mole… Passei a madrugada com ele, de manhã o levei a um veterinário que disse que realmente dessa vez não tinha mais o que fazer. E eu o deixei ir, derrotada por dentro, mas ele sabia que eu tentei tudo que pude.
    Hoje tenho 2 gatos e minha Patricia, que era companheira do Dove, e eu peço para que eu não precise tomar essa decisão… Pois é de uma tristeza e uma dor sem fim.

  6. nossa é muito triste, temos q decidir fazer algo desse tipo com algum animal q amamos, afinal são seres humanos e merecem viver, eu amo animal e chorei muito com a matéria nossa doí muito penco q poderia ser comigo perdi minha gatinha faz 4 messe ñ a esqueço é muito triste, muita gente ñ ta nem ai agem como se os animais fosse lixo, eu odeio o pensamento dessas pessoas e odeio o mal trato com esse inocente q ñ faz mal a ninguém só querem amor e dar amor .

Comments are closed.