SKOL chama as minas em busca da igualdade de gênero na música brasileira

Cada vez mais, mulheres donas de vozes poderosas estão conquistando seu espaço no mercado de trabalho da música. Mas o número de homens no topo da indústria fonográfica ainda é bem maior.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para mudar essa realidade, SKOL lançou o manifesto #ChamaAsMinas: um movimento que busca pela igualdade de gênero no universo musical. O manifesto potencializa o Women’s Music Event (WME), evento criado para aumentar o protagonismo da mulher na música.

Afinal, se a justificativa mais comum para a baixa presença feminina em funções de bastidores é a falta de mulheres, a plataforma vem para mostrar que há muitas delas prontas para assumirem qualquer função nesse mercado.

skol manifesto mulheres trabalho música

SKOL é a patrocinadora máster da segunda edição do WME, realizada em São Paulo, na terça-feira (4). Preta Gil, Carol Conká, Drik e Duda reforçaram o manifesto de SkOL na performance de abertura do WME, dando o tom do evento, em uma noite que contou com apresentação de diversas artistas e homenageou mulheres da cena musical brasileira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Skol veste lata com as cores da bandeira LGBT e destina parte das vendas para Casa de acolhimento

“Quando há apenas 10 mulheres entre os 100 artistas que mais arrecadaram na música brasileira em 2017, é claro o sinal de que algo precisa ser feito. Por isso apoiamos o WME e suas iniciativas. SKOL é a marca que mudou o papel da mulher nas campanhas de cerveja e tem uma trajetória de valorização da diversidade e igualdade de gênero. Com o #ChamaAsMinas queremos que cada vez mulheres mostrem seu talento no universo musical”, disse Maria Fernanda Albuquerque, diretora de marketing de SKOL.

Um estudo da Universidade do Sul da Califórnia, divulgado no início deste ano, apontou que das 600 músicas que apareceram na parada da Billboard nos últimos 6 anos, apenas 16,8% contavam com mulheres como protagonistas. Em 2012 o número era de 22,7%. Entre 2012 e 2017, a porcentagem média de mulheres levando crédito como compositora ficou em 12,3%.

Sobre o WME

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com o intuito de ser tornar o eixo central em torno dos eventos focados no universo musical feminino que surgem a cada dia no Brasil, o Women’s Music Event (WME) é uma plataforma de música, negócios e tecnologia vista por uma perspectiva feminina. Criada por Claudia Assef e Monique Dardenne em 2016, a plataforma estreou offline em março de 2017 com um evento em São Paulo, que atraiu mais de 1.000 pessoas em painéis de debate, workshops, shows e festas. Em março de 2018, o WME reuniu mais de 6.000 pessoas em São Paulo. Na internet, a plataforma mantém conteúdos em vídeo como o programa WME Sessions, com versões intimistas de shows de artistas brasileiras, além de matérias e entrevistas com profissionais da indústria e artistas.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito da foto: Divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,282,832SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Voluntarioso, comerciante retira lixo de lago numa jangada

Com uma jangada feita de tubos de PV, o comerciante Antonio Ferreira de Araújo, de 60 anos, recolhe garrafas, sapatos, embalagens e latas lançados...

Esses vídeos provam que no segundo filho os pais já são experts

A sabedoria está em conseguir administrar com leveza. É claro que existem todas aquelas preocupações, nervosismos, medos e etc. Mas a maternidade não é e nem...

Ação liderada por mulheres indígenas já plantou mais de 1 milhão de árvores no MT

As mulheres Yarang coletam sementes para possibilitar o reflorestamento e a manutenção das nascentes dos rios Xingu e Araguaia.

Hospital do Rio usa pele de tilápia para tratamento de queimaduras

O Hospital Municipal Souza Aguiar, no Rio de Janeiro (RJ), se tornou a primeira unidade do estado a utilizar pele de tilápia para tratar...

Comunidade nos EUA se reúne para ajudar fazendeiro com a colheita após ele sofrer ataque cardíaco

Quando um grupo de pessoas se une pra fazer o bem, temos sempre as histórias mais incríveis para contar! ❤ Depois que um homem, na...

Instagram

SKOL chama as minas em busca da igualdade de gênero na música brasileira 1