Skol faz ensaio com modelos plus size e ativista trans para combater a gordofobia

Quatro modelos. Quatro histórias. Para alguns, eles estão fora do padrão (é a chamada gordofobia). Mas que padrão? O Carnaval, mais do que em qualquer outra época do ano, é tempo de ser livre.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pensando nisso, a Skol leva para a rua uma ação que rompe padrões e valoriza todos os corpos com ajuda de quatro pessoas que lidaram com o preconceito e agora encaram a vida de forma positiva.

SKOL Corpo Positivo é inspirada no movimento homônimo, que vem da expressão em inglês Body Positive, que estimula pessoas do mundo todo, de todos os corpos, altos, baixos, gordos e magros, a aceitarem suas formas e falarem sobre o tema de maneira franca. Um movimento que conversa exatamente com a campanha de verão de SKOL e a mensagem “Tá redondo, Tá Junto”, que celebra a diversidade e reforça que é melhor se juntar a segregar.

A ação contribui também para derrubar o mito do corpo perfeito e também a combater a gordofobia, um preconceito ainda pouco conhecido, mas que está muito presente do dia a dia do brasileiro.

Leia também: Chuveiro de glitter biodegradável e montanha russa para espaço no Largo de Batata

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

skol gordofobia trans plus size
O artista Douglas Reder estará na Estação SKOL, espaço da cerveja no Largo da Batata, em São Paulo, para pintar pessoas voluntárias que queiram celebrar seus corpos.

“Quando valorizamos e celebramos o diverso e a autoestima de todos, mais conexões verdadeiras são possíveis e é isso que transmitimos em todas nossas conversas para o verão deste ano e que buscamos com o ensaio e a ação. Desde que fizemos a pesquisa SKOL Diálogos, no ano passado, ficamos muito impressionados que em um país tão plural, exista um preconceito massivo contra algo tão natural e que diz respeito somente ao outro e queríamos fazer algo a respeito”, afirma Maria Fernanda Albuquerque, diretora de Marketing de Skol.

A pesquisa, realizada pelo IBOPE Inteligência em setembro de 2017, mostrou que, ainda que velada, a gordofobia está presente na rotina de 92% dos brasileiros. Apesar do alto número, apenas 10% daqueles que se declaram preconceituosos assumem que são gordofóbicos.

Diante deste cenário, o artista curitibano Douglas Reder foi incumbido de representar, em cada um dos modelos, a história de aceitação e orgulho de seus corpos. Desde o ano passado, ele toca, com o irmão Vantees, também artista, o projeto Entretes, que busca encontrar a beleza e a essência dos diversos corpos por meio da pintura corporal e outras experimentações. “É a primeira vez que pinto modelos tão diversos e está sendo uma experiência de conexão incrível com seus corpos e histórias”, afirma o curitibano. Para ele, o Carnaval é quando todos estão mais soltos e abertos a ter mais diálogo. “É uma época de mais liberdade e aceitação, perfeita para falarmos e inspirarmos mais pessoas”, finaliza.

ensaio plus size trans skol gordofobiaEm seu processo de aceitação, a professora e atriz Érika Theodoro, de 37 anos, contou com uma dose de autoconhecimento e ajuda de Skol. Ela participou, de biquíni, da campanha de verão de 2017. “Eu vinha passando por um processo desde 2013, aceitando meu cabelo crespo e meu corpo e tentando entender quem eu realmente era. Quando a campanha aconteceu tudo foi construtivo, até mesmo os haters. Mesmo as críticas das pessoas que questionavam uma mulher negra e gorda na campanha não me atingiram e, com isso, entendi que estava no caminho certo, havia me encontrado como mulher e sentia orgulho disso”, conta Érika.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Junto com Érika, outros três modelos foram indicados por Flávia Durante para comporem a ação: a modelo plus size Genize Ribeiro, 26 anos, que desde que desenvolveu seu TCC na faculdade de jornalismo sobre gordofobia participa de eventos e conversas para ampliar o debate sobre o tema; o DJ Gabriel Seabra, 29 anos, que participou da ação SKOLORS (que publicamos aqui) que celebrava a diversidade dos tons de pele em latas comemorativas e encontrou em São Paulo um lugar para se descobrir seu gênero e seu corpo; e a arquiteta urbanista Magô Tonhon, 31 anos, mulher trans que sempre sentiu a pressão das pessoas que a viam como um menino e queriam que ela se visse da mesma forma.

“Acho essa iniciativa de SKOL um fruto de uma batalha que é anterior, delicada, mas muito necessária. Não teremos a potência para representar a pluralidade de todos, mas é necessário redesenhar as referências de corpo e de beleza. Se eu tivesse nascido uma geração mais tarde talvez tivesse sido mais fácil se eu visse pessoas como eu, mas estou cada vez mais perto de ser a pessoa que sempre sonhei para mim”, diz Magô.

No projeto, Flávia Durante, exercitou seu olhar natural para a diversidade e comemora que cada vez mais marcas estejam falando sobre este tema. “É preciso reforçar que essas pessoas, até então esquecidas, consomem também carros, móveis, serviços bancários… É preciso ser diverso, um lugar apenas com gente igual é chato. Incluir todo tipo de gente traz a diversão”, finaliza.

Neste sábado de Carnaval, entre 14h e 16h, o artista Douglas Reder estará na Estação SKOL, espaço da cerveja no Largo da Batata, em São Paulo, para pintar pessoas voluntárias que queiram celebrar seus corpos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Skol plus size trans gordofobia Skol plus size trans gordofobia Skol plus size trans gordofobia

Fotos: Murillo Mendes/SKOL

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,411,289SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ela 103 e ele 100: idosos se casam e mostram que o amor não tem idade

Se alguém algum dia te disser que histórias de amor estão limitadas aos jovens, não acredite! John e Phyllis se conheceram no lar de...

Conheça o morador de rua que passou em 1º lugar em concurso público em MG

O baiano Valter Fonseca dos Santos, 41 anos, saiu de Ilhéus há 16 anos para realizar o sonho de conseguir um emprego fixo na...

Gari criticada por se maquiar para trabalhar diz: “Me cuidar me torna mais forte para as dificuldades do dia a dia”

Toda mulher merece celebrar sua individualidade e originalidade. Para isso, é fundamental que elas tenham consciência de sua força e do seu poder. A autoestima...

Leão salva um bezerro do ataque de outro leão

No começo do vídeo vemos o leão correndo atrás do bezerro, mas logo depois percebemos que eles estão brincando e o leão não vai...

Instagram