“(…) só é inovador aquilo que melhora a vida das pessoas.”

Já deu para perceber que há um movimento mundial de questionamentos sobre os rumos do planeta, e não estou falando só de sustentabilidade ambiental. Os assuntos humanitários também estão em alta e até o mercado começou a levá-los em consideração. O capitalismo está deixando sua selvageria um pouco de lado. Sem perder o lucro, claro! Isso acontece porque o consumidor está cada vez mais consciente dos seus direitos e deveres e também está atento às ações que as empresas- em particular as grandes-realizam para , sem demagogia, ajudar o próximo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

São novos conceitos que tentam integrar diferentes realidades, como é caso do Brasil, palco de diversidades culturais e, agora, dos grandes eventos mundiais. E quem está inteirado dessa demanda busca aproveitar os benefícios dessa visibilidade. A empresa Mandalah, criada por Lourenço Bustani, 32 anos, junto com o publicitário Igor Botelho, trabalha justamente com essa ideia (que já falamos no começo do RPA aqui) .

“Para nós, o novo pelo novo não serve. Acreditamos que só é inovador aquilo que melhora a vida das pessoas e deixa um legado positivo para a sociedade. Por isso desenvolvemos projetos com a finalidade de criar, junto de organizações de todos os perfis e setores, produtos, serviços, visões de marca e culturas internas que equilibrem lucro e propósito. Existimos nesse círculo mágico no qual a empresa ganha, prospera, mas devolve obrigatoriamente um efeito benéfico para os cidadãos e para o mundo”, Victor Cremasco, Relações Públicas na Mandalah.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Entre seus clientes estão grandes marcas como a Natura, General Motors, Petrobras e Pepsi. Seus 50 funcionários estão distribuídos em seis cidades: Rio de Janeiro, São Paulo, onde fica sua sede, Nova York, Cidade do México, Berlim e Tóquio. Na prática, a Mandalah aplicou esse conceito novo do mercado em um trabalho para a Nike no Rio de Janeiro. Levando em conta os eventos que irão acontecer na cidade, a empresa  recomendou trocar as ações espetaculares de marketing pela participação em atividades que deixem um legado para a população. Atualmente a marca patrocina torneios de futebol para jovens de baixa renda como os do Futebol Social, reformas de rampas de skate e a escola de surfe do Favela Surf Clube. Essa alternativa de casar lucro com impacto social positivo está se firmando cada vez mais, porque “Não vão sobreviver a longo prazo empresas que não souberem entender e agir de forma mais responsável no seu contexto de mundo”, afirma Victor.

Nessa equação todos saem ganhando!

Texto da Kelly Ribeiro.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,502,658SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ex-sem teto reinaugura restaurante após vaquinha e convida idoso que também teve vida transformada pela Voaa

Que encontro mais lindo, gente! O fofo do seu Roberto e o Gabriel se encontraram em um momento muito especial: a reinauguração do restaurante...

Mulheres solteiras desempregadas estão ganhando dinheiro com a criação de esponjas marinhas

Com altas taxas de desemprego, profunda exploração dos recursos marinhos e milhares de pessoas vulneráveis, um grupo de mulheres solteiras e sem emprego de...

Pais criam cadeirinha de rodas caseira para filha de 1 ano ter mais liberdade

A pequena Evelyn Moore, de 1 ano de idade, foi diagnosticada com um câncer na espinha quanto tinha apenas 4 meses. O tumor estava esmagando...

Pai e gay, homem faz depoimento emocionante

Em um depoimento esclarecedor e emocionante ao portal Universo AA, Fabiano Melo, de Fortaleza, conta sua história de amor e aceitação. Sobre ser pai,...

Instagram