Startup alagoana está ajudando milhões de surdos a se comunicarem com o mundo

Uma startup alagoana está mudando a vida de milhares de pessoas surdas do Brasil, bem como de todos que os cercam também.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Através do Hugo, um avatar em animação 3D muito simpático, magrelo, de cabeça e mãos grandes, braços compridos e um rosto muito expressivo, é possível traduzir em tempo real qualquer conteúdo dito em português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O app chamado Hand Talk, além de disponível para smartphones, também já virou totem para ser usado em eventos e plugin para ser usado em alguns sites.

Segunda dados do Projeto Draft, no mundo, estima-se que o número de pessoas com deficiência auditiva ultrapasse a casa dos 200 milhões. No Brasil, de acordo com o Censo de 2010, existem quase 10 milhões de pessoas com algum tipo de problema auditivo. Destas, aproximadamente 70% não foram completamente alfabetizadas em português e dependem exclusivamente da Libras para se comunicar.

A ideia do projeto nasceu há quase um ano, em Maceió (AL), quando Ronaldo Tenório recebeu o desafio de criar um produto inovador para o curso de publicidade na faculdade e como já tinha interesse no mercado de acessibilidade, logo o projeto surgiu no papel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

hand-talk-795x401

Porém, por 5 anos esse app ficou apenas na teoria. Nesse tempo Ronaldo se formou e abriu uma agência. Foi quando um de seus parceiros, Carlos Wanderlan, logo depois de fazer um curso de desenvolvimento de aplicativos, queria colocar em prática seu aprendizado e assim Ronaldo propôs criá-lo.

Após o primeiro protótipo, foi a vez de Thadeu Luz se juntar ao projeto, um especialista em animação para dar vida àquela ideia e tornar-se o terceiro sócio.

Pouco depois, o investidor João Kepler organizou o primeiro Demo Day em Maceió, onde os três apresentaram ao mundo pela primeira vez sua ideia. Eles queriam testar como seria a receptividade e, para surpresa deles, saíram de lá com 170 mil reais em investimentos anjos.

Agora 100% dediados ao projeto, eles foram uma das 10 startups selecionadas para serem aceleradas pela Artemisia, focada em negócios sociais. “Esse processo foi muito rico para nós. Tivemos muitos mentores, empreendedores e pessoas trabalhando com a gente. Saímos de Alagoas e participamos de vários eventos ao redor do país. Foi um processo esclarecedor em vários pontos de vista, principalmente para entendermos que um negócio social não é uma ONG: ele tem que ser sustentável, ter escala e receita para crescer e aumentar seu impacto”, conta Carlos, que hoje atende como CTO da empresa (Ronaldo é CEO e Thadeu é COO).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2013, levaram o app para participar do WSA Mobile 2013, promovido pela ONU. A Hand Talk foi um dos dois projetos a representarem o Brasil em um evento realizado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Competiram com empresas do mundo inteiro e terminaram como um dos oito premiados, vencedores da categoria “Inclusão Social”.

De lá para cá, o serviço já foi baixado mais de 500 mil vezes.

handk_talk_bandeira

Segundo Carlos, o aplicativo tem mais de 80 mil usuários ativos mensalmente. Ele estima que, somando o plugin tradutor de sites, os softwares de tradução em totens, o aplicativo e outros serviços que a startup presta, o número de pessoas impactadas pela Hand Talk já ultrapasse 3,5 milhões.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma vez que o aplicativo é gratuito, a maior fonte de monetização da empresa vem dos serviços customizados, como os softwares para totens ou o plugin tradutor de sites, que funciona em um modelo freemium.

Todas as semanas, Ronaldo, Thadeu e Carlos acessam a área de feedbacks do aplicativo para darem uma olhada não só nas sugestões, mas nas várias histórias inspiradoras e mensagens de agradecimento que recebem. “Outro dia, uma moça perguntou qual era o smartphone Android mais barato que rodava nosso serviço porque ela queria comprar seis ou sete aparelhos e distribuir para a família, para que pudessem se comunicar com a filha dela”, conta Carlos.

Fonte: Projeto Draft

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Sem internet em casa, pai constrói barraca no meio da lavoura para filho estudar durante a pandemia

Nada vai impedir o filho dos agricultores Odilésio e Dejanira Somavilla de estudar! Nem mesmo a falta de internet. Eles montaram uma sala de...

Bike Sem Barreiras oferece passeios com bicicletas adaptadas no RJ

Projeto permite que pessoas com baixa ou nenhuma mobilidade possam curtir, gratuitamente, uma volta de bicicleta em modelos adaptados. Rola todo domingo, das 9h às 12h.

Adolescente de 15 anos faz e vende lindos crochês para ajudar mãe com paralisia

Dizem que a arte salva e talvez seja verdade, se pegarmos a história do adolescente André Müller, 15 anos. A arte no caso dele...

99 e Vamos Juntas treinam motoristas para promover corridas seguras para mulheres

Mais de 200 motoristas participaram da iniciativa que faz parte das ações para o Dia da Mulher e conta com Workshop presencial, online e cartilhas  Em março, a 99 realizou um Workshop presencial para motoristas que aceitaram...

Instagram

Startup alagoana está ajudando milhões de surdos a se comunicarem com o mundo 2