Para substituir plástico filme e papel alumínio, casal brasileiro cria embalagem vegana

O plástico pode causar grandes danos ao meio ambiente, além de ser uma grande ameaça para as espécies marinhas. Um estudo revela que mais de 70% da produção total de plásticos no mundo vão parar em esgotos, em ambientes a céu aberto ou acabam poluindo rios e oceanos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Preocupados com esse problema, o casal Lucas Bastos e Carla Enero, de Joinville (SC), desenvolveram uma alternativa ao plástico filme (ou PVC) e ao papel alumínio no armazenamento de alimentos e criaram o Keep Embalagens Ecológicas.

Seu principal benefício é a possibilidade de substituir o uso de plásticos, um problema sério para o meio ambiente.

Ele pode durar até um ano e é feito de tecido 100% algodão, mel ou cera de carnaúba (na versão vegana) e resina de árvore.

O Keep também possui  outras diferentes formas de uso: o acondicionamento de pratos, pedaços de frutas ou legumes que sobram das receitas; de sanduíches ou lanches para levar à escola ou ao trabalho, de pães frescos, entre outros. Ele serve até mesmo para embalar barras de sabonete usados em viagem. O Keep pode ainda substituir as embalagens descartáveis na pesagem de produtos a granel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além de durar vários reusos, o Keep também ajuda na conservação dos alimentos. A fina película que envolve o algodão é respirável, mantendo o alimento hidratado dentro da embalagem.

Junto a essas vantagens, o produto é confeccionado em diversos modelos de estampas coloridas, decorativas e que dão um ar mais alegre na cozinha ou geladeira.

Também possui um aroma agradável, fruto das matérias-primas usadas na sua fabricação. A higienização para reuso é muito simples: basta limpar suavemente com um pano úmido e deixar secar à sombra. Quando não puder mais ser reutilizado, pode ser descartado sem culpa na lixeira ou destinado à compostagem.

Leia tambémAdidas revela os primeiros produtos feitos com plástico retirado do oceano: tênis e camisas de futebol

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O casal explicou que a inspiração veio de uma embalagem similar conhecida na Austrália, país onde moraram no ano de 2015.

“Eu gostei tanto da ideia que decidi tentar produzir um para usarmos na nossa casa quando voltamos ao Brasil. Depois de tantas tentativas, adaptações, erros e acertos, o produto ficou tão bom que pensamos em fazer dele um negócio e dar acesso a esse utensílio tão maravilhoso para mais pessoas”, conta Carla.

O Keep faz parte de um movimento internacional chamado Beeswax Food Wrap Movement, que está ajudando a reduzir a quantidade de plástico descartado no nosso planeta, sendo utilizado já em muitos países.

“Ao desenvolver a ideia no Brasil, queremos que o produto possa contribuir com a redução do impacto do plástico no nosso país”, afirma Carla.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Onde comprar:

O produto é fabricado nos tamanhos P (18x20cm), M (25×28 cm), G (33x35cm) e XG (38x47cm). Podem ser vendidos separadamente ou em kits com três unidades. Os preços variam de R$ 14,90 a R$ 75 (valor do kit com três unidades do tamanho G), sem valor de frete incluído. Inicialmente, as vendas estão sendo feitas pela página da marca no Facebook e no Mercado Livre. São aceitos pedidos de todo país.

Via

Foto: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,784,743SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Esse bebê sorrindo ao cortar cabelo pela 1ª vez é a coisa mais fofa que já passou por aqui

A simpatia do Levi Donato Mastroianni, de 1 ano e 3 meses é imbatível. Um vídeo dele, que os pais gravaram o ano passado,...

Brasileira cria diário de viagem ilustrado para registrar suas aventuras mundo afora

Nossa entrevistada da semana é a Tatiana Vieira, 30 anos, que nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e hoje vive em Köln, Alemanha, de...

Professor usa lixo eletrônico para ensinar alunos conceitos de robótica e reciclagem

Num laboratório improvisado, o professor de matemática ensina aos seus alunos conceitos fundamentais de robótica e reciclagem usando lixo eletrônico.

Jovem que criou escola de lona mostra como está o local após doações da VOAA

O Carlos André da Silva tinha apenas 11 anos quando começou a dar aulas de reforço em uma comunidade carente em Miracema, interior do...

Adesivo para tratamento de Alzheimer começa a ser distribuído de graça pelo SUS

A Doença de Alzheimer é uma enfermidade incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. Quase todas as suas...

Instagram