Ela nasceu surda e sua avó a ensinou falar através de leitura labial

Mesmo tendo o apoio da avó, Morgana sofreu bastante bullying por conta do seu "sotaque surdo".


Morgana é surda oralizada e contou sua história no canal ter.a.pia
PUBLICIDADE ANUNCIE

Diagnosticada com perda profunda bilateral severa, os médicos fadaram Morgana à incapacidade por ter nascido surda.

Mas sua avó não deu o braço a torcer e ensinou a garotinha a falar, mesmo ela não ouvindo nada.

Seu método era extremamente caseiro e consistia em colocar a mão da neta em sua garganta e mostrar como o som era produzido ali, depois ela escrevia a letra correspondente para a menina assimilar.

E foi assim que a Morgana aprendeu a escrever e a falar, por meio da vibração da garganta e da leitura labial de sua avó.

Isso possibilitou sua entrada na escolinha, mas não permitiu que ela estivesse protegida do bullying.

Bullying por ser surda

Morgana falava, mas sua voz soava diferente. É o chamado “sotaque surdo“.

Seu jeito de falar se assemelha realmente a um sotaque estrangeiro. Isso não passou desapercebido pelas crianças. Seu aparelho auditivo também não.

Morgana é surda oralizada e contou sua história no canal ter.a.pia
A Morgana é surda oralizada e, por ter um jeito diferente de falar, já chegou a ter vergonha de assumir sua deficiência auditiva

Ela conviveu com as piadinhas durante toda a infância e adolescência.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Quando já prestes a procurar emprego, não eram mais as piadas que afetavam sua vida, mas sim o preconceito do mundo corporativo.

Morgana fazia inúmeras entrevistas, passava, mas ao expor algumas de suas limitações, não recebia o retorno prometido das empresas.

A volta por cima

Isso mudou quando sua mãe viu na TV uma reportagem sobre determinada empresa que tinha programas de inclusão.

Nesta empresa, Morgana se deparou com a maior mudança da sua vida. Lá, ela encontrou pessoas que, assim como ela, também eram surdas – até então ela não havia convivido com nenhum deficiente auditivo.

A partir disso, ela começa a achar sua identidade e entender que sua surdez não era devia ser um fardo.

Hoje, Morgana é secretária da diversidade surda em uma ONG e trabalha para garantir direitos essenciais aos mais de 10 milhões de surdos que existem no Brasil, e também para divulgar meios de pessoas não-surdas somarem a causa, garantindo acessibilidade e respeito para todo mundo.

Assista a sua história na sessão 52 do canal ter.a.pia:

Conteúdo do ter.a.pia, canal parceiro do Razões.

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar