Garoto ignora fome e tenta ajudar pais desempregados em Senador Canedo (GO)


Garoto ignora fome e tenta ajudar pais desempregados em Senador Canedo (GO)
PUBLICIDADE ANUNCIE

David viu os irmãos passarem fome em casa. Foi à uma padaria e ganhou alguns pães amanhecidos para alimentá-los. Apesar da escassez, exercita a solidariedade e divide o pouco que tem com seus amigos. Seus pais estão desempregados e a qualquer momento podem ser despejados.

Aos 10 anos de idade, David precisa lidar com a dureza de uma vida sem fartura. Os pais estão desempregados e, sem dinheiro para pagar o aluguel do barracão onde vivem, serão despejados em breve. Se não bastasse, perdeu um dos três irmãos recentemente, que morreu vítima de uma doença.

A fome rodeia o garoto e sua família a todo tempo. Mas o garoto não desanimou e decidiu fazer algo para mudar isso. David Vasconcelos vive em Senador Canedo (GO), na Região Metropolitana de Goiânia, com os pais e os dois irmãos.

Ele é o filho mais velho e faz questão de ajudar como pode. Ao ver a situação de fome dos irmãos pequenos, encontrou uma maneira de amenizar a situação conseguindo alguns pães amanhecidos na padaria do bairro.

[Matéria continua depois do vídeo abaixo]

Convidamos cinco mulheres que enfrentaram o câncer de mama para falar sobre suas experiências. Mas elas não sabiam que, durante a gravação do vídeo, seriam surpreendidas. Nesta linda homenagem, as filhas presenteiam suas mães com um sutiã especial (para quem viveu o câncer) acompanhado por uma prótese externa, uma espécie de enchimento que encaixa na lingerie. Assista o vídeo e prepare o lencinho:

“A mulher me dava todo duro, mas mesmo assim eu pegava e partia para meus irmãos e eu comer”, afirma.

Dono de uma voz calma e mansa, David exala uma sabedoria pouco comum para a idade, e exercita todos os dias, apesar das dificuldades, a solidariedade para com seus amigos.

Leia tambémDesde os 6 anos, menino cultiva horta no quintal para ajudar crianças com fome

“O bolo de R$ 0,50 eu pago e na escola eu topo dividir com meus amigos. Amigo é para isso né, tem vezes que ele divide para mim e tem vez que eu divido com eles”, revela.

Apesar de assumir responsabilidades de gente grande, sua criança interior se revela a todo tempo, quando ele conta, meio tímido, seus desejos e sonhos futuros.

Garoto ignora fome e tenta ajudar pais desempregados em Senador Canedo (GO)
Mesmo com dificuldades, David não tira o sorriso do rosto. Foto: TV Anhanguera / Reprodução

“Tem vez que eu pego lata de manteiga, pego canudo e faço a rodinha de tampa [para montar um carrinho de brinquedo]. Queria ter um carrinho de controle remoto, meu sonho era ter um desse”, afirma.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Ajuda na escola

David estuda numa escola municipal próxima à sua casa. O diretor da instituição, Jesiel Marcos de Souza, conta que conversou com o menino recentemente e descobriu a complicada situação pela qual sua família vive. Decidiu ajudá-los comprando alguns alimentos.

“A clareza, a inteligência dele, a preocupação com a família. Isso é muito comovente. Nós percebemos que não é a condição financeira que faz o caráter, mas a essência. E a essência dele é linda, ele tem uma alma linda”, afirma.

Garoto ignora fome e tenta ajudar pais desempregados em Senador Canedo (GO)
Com apenas 10 anos, garoto ignora as dificuldades e encontra formas de ajudar pais e irmãos em Senador Canedo. Foto: TV Anhanguera / Reprodução

O garoto passa na padaria algumas vezes na semana para buscar os pães amanhecidos. A dona do local, Josiane de Souza Santos, conta que ele é muito querido, e que entende sua situação. “Já passei dificuldade também antes de vir para cá. Não fome, mas dificuldade. Eu sei como que é isso”, relata.

Dificuldades

A família de David saiu do Pará, onde moravam, vindo para Senador Canedo em setembro do ano passado para conseguir tratamento para Emanoel, de 8 anos, que tinha microcefalia e sopro no coração. Infelizmente, a criança morreu na sexta-feira, 3 de maio.

“O que estava prejudicando mais era a cabeça. E ele também estava na UTI, não teve jeito”, diz Erlândia das Dores Cavalcante, mãe do garoto.

Eles viviam com o auxílio-doença do menino, que ajudava a pagar o aluguel do barracão, de R$ 400. No entanto, com o falecimento, o benefício será cortado. Para piorar, a dona do imóvel pediu para eles desocuparem a casa.

Mardônio Lima Vasconcelos, pai de David, fez um apelo em busca de ajuda. “Eu quero um trabalho, uma chance de aprender alguma profissão para sustentar minha família”, clama.

Leia tambémFamília compra material escolar para irmãos que catavam papelão

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações do G1

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar