Menina que desde pequena sonhava em ter lar sem goteira, hoje transforma casas de graça


Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
PUBLICIDADE ANUNCIE

Quando criança, tudo que Fernanda sonhava era morar em uma casa sem goteiras. Ela lembra de olhar para o teto e pensar em como “sentia raiva da chuva”.

Ao lado dos pais e dos cinco irmãos, a potiguar vivia em uma casa “bem pequena, de taipa e tijolos brancos” em Natal, no Rio Grande do Norte. Havia uma sala, cozinha, dois quartos e um banheiro no quintal – todos com goteira.

Não era fácil: sempre que chovia, uma caixa de papelão transformada em guarda-roupa improvisado, a cama e o chão ficaram completamente encharcados.

O reboco da parede, feito de barro, era facilmente permeável pela água e deixava um cheiro ambiente desagradável pela casa.

Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
Em meio aos 70 voluntários, há quem doe mão de obra, materiais e dinheiro. Muitos literalmente põem a mão na massa. Foto: Divulgação / ReforAmar

“O que eu pensava era que quando crescesse ia querer uma casa que não tivesse goteiras”, diz. “Era com isso que eu sonhava.”

Leia tambémPedreiro conserta telhados furados para famílias carentes de graça

Formada em Controle Ambiental e tecnóloga em Construção de Edifícios, Fernanda em breve se formará em Engenharia Civil. Aos 21 anos, relembra sua trajetória, de uma infância difícil ao voluntariado em um projeto cidadão que não cobra nada para reformar casas de famílias carentes da capital.

Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
Casas escolhidas para reforma são encontradas pelos próprios voluntários andando pelas ruas ou por indicação de histórias no Instagram. Foto: Divulgação / ReforAmar

Batizado de ReforAmar, o projeto nasceu em julho do ano passado com a missão de “mudar aquilo que mais incomoda” nas residências de pessoas de baixa renda, asilos e, em breve, abrigos de crianças. “A Fernanda criança ia querer que trocassem o telhado, para não cair mais chuva dentro de casa, mas para outras pessoas pode haver outras prioridades”, diz um voluntário. As prioridades variam entre paredes pintadas até obras mais complexas.

Foram atendidas até o momento cinco casas e um asilo de Natal. Em poucos meses, o número de voluntários saltou de 5 para 70, e cinco novas obras serão atendidas até o final deste ano.

Fernanda espera expandir o alcance do projeto. “A intenção é chegar a outras cidades e quem sabe crescer a ponto de também poder contratar pessoas. Mas tudo com os pés no chão”.

PUBLICIDADE ANUNCIE
Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
Fernanda se divide entre as obras, o curso de engenharia e trabalhos que realiza em eventos como freelancer. Foto: Divulgação / ReforAmar

A construtora diz que seu projeto “não tem data para acabar”.

Uma espécie de “faz-tudo”, Fernanda literalmente põe a massa na massa na reforma de casas e ajuda na contratação de pessoal para auxiliar nas obras e na área de eventos. Também é operadora de caixa. Estuda nas horas vagas.

Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
Fernanda está prestes a se formar em engenharia e quer mais: Pós-graduação em perícia e patologia de edificações é o próximo passo. Foto: Divulgação / ReforAmar

Quando finalmente tiver o diploma de engenheira civil em mãos, ela espera fazer uma especialização em perícia e patologia de edificações, além da área de gestão de projetos.

Futuramente, almeja abrir um empreendimento e continuar a ação voluntária.

Menina que sonhava ter lar sem goteiras hoje 'transforma casas' de graça
A sexta casa reformada pelo grupo que criou era de um homem de 96 anos: fachada, sala e cozinha foram transformados. Foto: Divulgação / ReforAmar

Aos 22 anos, Fernanda ainda vive na mesma casa que já foi de taipa no passado.

A casa não tem mais goteiras, nem aquele cheiro ruim emanando das paredes. Com a ajuda de um tio, reformou seu lar com as próprias irmãos, auxiliada pelos irmãos, que serviram de ajudantes.

Felizmente, quando a chuva vem, é super bem-vinda: “É bom demais ficar em casa com uma chuvinha tirando o calor de Natal”.

Leia tambémPedreira caprichosa de SP viraliza com trabalho detalhista e ganha novos clientes

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações da BBC.
Foto destacada: Acervo Tribuna do Norte / Magnus Nascimento

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar