fbpx

Chamado de ‘louco’ por vizinhos, homem transforma pastagem em floresta de 50 mil árvores

Louco é ver os desmatamento das nossas florestas e ficar de braços cruzados, né?!?


floresta-pastagem
PUBLICIDADE ANUNCIE

Diziam que o Seu Vicente, prestes a completar 84 anos, estava fora do seu melhor juízo quando decidiu comprar um pedaço de terra a 200 km de São Paulo para plantar árvores.

Em entrevista para o programa Outlook, da BBC, ele disse que as pessoas riam da sua cara, porque ele não viveria o tempo suficiente para comer as frutas das árvores, que demorariam pelo menos 20 anos para crescer.

“Eu respondia: ‘Vou plantar essas sementes, porque alguém plantou as que estou comendo agora. Vou plantá-las para que outros possam comê-las’.”

Vicente comprou o terreno em 1973, no auge da Ditadura Militar. Naquela época, a fim de impulsionar a agricultura, o governo oferecia facilidades de créditos para investimentos em tecnologia agrícola. Mas Vicente não queria transformar seu pedaço de terra numa pastagem.

Vindo de uma família de agricultores, a expansão da atividade agrícola lhe causava desconforto e preocupação, pois os campos destruíam a fauna e flora locais, além de afetar a oferta de recursos hídricos.

“Quando era criança, os agricultores cortavam as árvores para criar pastagens e pelo carvão. A água secou e nunca voltou”, lembra.

“Pensei comigo: ‘a água é o bem mais valioso, ninguém fabrica água e a população não para de crescer. O que vai acontecer? Ficaremos sem água’”.

Aos 14 anos, Vicente foi morar na cidade, onde trabalhou como ferreiro. Foi com o dinheiro da venda do seu negócio que ele comprou 30 hectares em uma região de planície perto de São Francisco Xavier, distrito de 5 mil habitantes que faz parte do município de São José dos Campos, no interior de São Paulo.

A vida na cidade foi nada fácil: “Acabei tendo de viver debaixo de uma árvore porque não tinha dinheiro para o aluguel. Tomava banho no rio e vivia debaixo da árvore, cercado de raposas e ratos. Juntei muitas folhas e fiz uma cama, onde dormi”, diz Vicente.

“Mas nunca passei fome. Comia sanduíches de banana no café da manhã, almoço e jantar.”

PUBLICIDADE ANUNCIE

Depois de voltar para o campo, ele começou a plantar as árvores que hoje formam uma floresta tropical com cerca de 50 mil unidades!

“Em 1973, não havia nada aqui, como você pode ver. Tudo era pastagem. Minha casa é a mais bonita de toda essa região, mas hoje não se pode tirar uma foto desse ângulo porque as árvores a encobrem, porque estão muito grandes”, conta orgulhoso Vicente.

A floresta trouxe de volta os animais: “Há tucanos, todo tipo de aves, pacas, esquilos, lagartos, gambás e, inclusive, javalis”. “Temos também uma onça pequena onça e uma jaguatirica, que come todas as galinhas”, brinca.

floresta-pastagem

Mas o que deixa o Seu Vicente mais feliz é que os cursos de água voltaram a brotar. Quando ele comprou o terreno, só havia um – agora, há cerca de 20.

Com informações do G1 / Fotos: Gibby Zobel

Coleção ACREDITAR

Comprando 1 peça, você garante um dia de aula de uma criança. Consumo consciente na parceria entre Razões & Euzaria. Compre aqui.

PUBLICIDADE ANUNCIE

PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar