“Comecei lavando louça, agora sou auxiliar de cozinha no restaurante”: projeto abre portas para mercado de trabalho

O curso, que capacita pessoas para trabalhar na área de gastronomia, lança um olhar mais consciente para a cozinha, evitando o desperdício de alimentos.


projeto gastronomia sustentável abre portas mercado trabalho
PUBLICIDADE ANUNCIE

A iniciativa Gastronomia Sustentável, criada pela Electrolux Food Foundation em parceria com a Worldchef e a AIESEC , e apoiada pela renomada chef Morena Leite, nasceu com o objetivo de despertar a consciência sobre o desperdício de alimentos, ensinando técnicas de cozinha para aproveitamento integral de alimentos.

Só no ano passado, em Curitiba, o curso já capacitou 70 alunos, que estavam em busca de novas oportunidades. Das quatro turmas, 50% das pessoas já estão empregadas e duas delas resolveram empreender um negócio próprio na área. E em São Carlos, no interior de São Paulo, o curso acaba de formar 10 novos técnicos de cozinha, que também já estão mudando o rumo de suas vidas.

Leia também: Bares e restaurantes brasileiros começam a abrir espaço para a gastronomia sustentável

É o caso da aluna Victória Augusto, 21 anos, que trabalhava na copa do Jolly Gastro Lab, em São Carlos, lavando louça. Quando o chef do restaurante, que também é voluntário no projeto, viu o interesse dela, chamou-a para fazer o curso. Hoje ela já está atuando como auxiliar de cozinha no local: “achei fantástico participar, mudou muita coisa, até na minha postura. Tive uma boa base e aprendi que não precisamos eliminar a casca, o bagaço ou as sementes dos alimentos”, conta.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Formada na primeira turma do Gastronomia Sustentável, em Curitiba, Elisangela da Silva, 45 anos, também saiu do curso já empregada. Ela que sempre gostou de cozinhar, mas não pensava em atuar nessa área, hoje trabalha com um dos chefs que ministrou o curso e ainda auxilia outros chefs a fazer o mise en place (termo francês, que se refere a qualquer processo de preparação culinária na hora de organizar a ordem dos ingredientes que serão usados nas receitas), na escola da Electrolux. “Hoje eu tenho uma profissão. De dona de casa, passei a ser cozinheira”, celebra ela.

Elisangela ainda comenta que para ela, aprender é uma escolha, independentemente da idade: “eu escolhi isso e sou muito grata, porque não é um curso que fala só de comida, ele fala de pessoas e alarga as possibilidades na vida da gente”.

Leia também:

[Nota da Redação]

Esse conteúdo faz parte de um canal especial co-criado em parceria com a Electrolux para falarmos sobre gastronomia sustentável, acesse todas as matérias aqui.

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar