Nova York anuncia proibição de venda e circulação do isopor


Nova York anuncia proibição de venda e circulação do isopor
PUBLICIDADE ANUNCIE

Nova York começou o ano de 2019 com o pé direito: decretou a proibição da venda e circulação do isopor já para o primeiro dia do ano. O prefeito da cidade, o democrata Bill de Blasio, a comissária do Departamento de Saneamento Kathryn Garcia e o diretor do Gabinete de Sustentabilidade do prefeito, Mark Chambers anunciaram em conjunto o projeto de lei aprovado que agora entra em vigor.

A medida era discutida desde 2015, mas só agora foi aprovada pela assembleia legislativa e sancionada pela prefeitura. A lei estipula que “estabelecimentos de serviços de alimentação, lojas e fabricantes não podem ter, vender ou oferecer aos clientes embalagens de poliestireno expandido (EPS)”.

“O aquecimento global está ameaçando nossa cidade e, para combatê-la, temos que mudar a maneira como vivemos”, disse o prefeito Blasio.

Leia tambémBrasileira de 17 anos cria “isopor” biodegradável a partir da cana-de-açúcar

“[O isopor] que os nova-iorquinos jogam fora a cada ano entopem nossos aterros e alimentam a economia do petróleo destruindo nosso planeta. Estamos pondo um fim nesta prática suja para que possamos garantir um futuro mais limpo e mais justo para nossos filhos”, concluiu.

Multas e proibições

A partir de agora, lojas e fabricantes de EPS não poderão vender ou oferecer itens de isopor descartável, tais como recipientes, copos, bandejas, pratos ou protetores de embalagem.

PUBLICIDADE ANUNCIE

O governo estipulou um período de transição de seis meses, conhecido como “período de carência” em que multas não serão aplicáveis aos que forem ‘pegos’ utilizando isopor.

Leia tambémArgamassa sustentável reduz consumo de água em 95% e acelera obra

Paralelamente à legislação criminal, os departamentos de saúde, prevenção e assuntos do consumidor irão realizar atividades de educação e divulgação em múltiplos idiomas instruindo empresas e cidadãos sobre a nova lei nos cinco distritos do município. Durante o período, as empresas podem receber um “cartão de aviso” alertando-as sobre a proibição.

“Agora, devemos aproveitar esse progresso cortando outros produtos inúteis e obsoletos, como sacolas plásticas descartáveis e canudos de plástico”, afirmou Mark Chambers, diretor de sustentabilidade.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Ciclo Vivo

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar