Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte

A tatuadora Karlla Mendes tem usado seu dom de tatuar para transformar cicatrizes, queimaduras e outros traumas físicos de mulheres em arte.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Até aqui, o estúdio da tatuadora, que fica em São Paulo (SP), já recebeu mais de 150 mulheres por meio do projeto “We Are Diamonds”, cuja missão é cobrir cicatrizes que representam lembranças persistentes de dor – e convertê-las em lindos animais e flores.

Assim, a arte criada por Karlla busca trazer alívio por meio da tatuagem.

Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte 2

“Você com a sua arte pode transformar a vida de alguém… Você vê no olhar, a pessoa fica com a alma brilhante. Ela fica reluzente de felicidade”, disse a tatuadora à Reuters.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É esse momento que me faz seguir em frente com o projeto, saber que realmente eu ressignifiquei e eu consegui transformar a vida daquela pessoa de alguma forma para melhor”, completou.

De acordo com a tatuadora, boa parte das mulheres que a procuram no estúdio são sobreviventes de violência doméstica, acidentes de carro ou doenças graves que estão determinadas a recuperar sua autoestima.

Elas precisam contar suas respectivas histórias e enviar fotos pelo site do projeto para se candidatar às tatuagens – 100% gratuitas, vale frisar.

Liliana Oliveira foi uma das contempladas. Por dez horas, ela assistiu, admirada, suas cicatrizes no braço direito se transformarem em borboletas roxas e delicadas pétalas de flores.

Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte 3

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Voltei a viver (depois dessa tatuagem), voltei a ser mulher, voltei a ser mãe, voltei a ser amiga. É vida! É só isto que eu penso, é vida! E o que ela representa para mim hoje, é minha nova vida”, disse.

Já Valéria Festa foi vítima de um traumático acidente de carro há alguns anos. Como resultado, ela ficou com cicatrizes na perna esquerda – uma lembrança do pior momento de sua vida que se fazia presente todos os dias.

Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte 4

“Alguns momentos procurava nem olhar para a cicatriz. Eu nem olhava e ignorava, porque quando você olha, ela te incomoda, aquilo pesa, porque aquilo não te pertence e passa a fazer parte da sua vida”, contou. A tatuagem que ela tem agora é “incrível”, completou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Folha de S. Paulo
Fotos: Reuters / Carla Carniel

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte 6

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,981,416SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

19 fotos que provam quanto os anos 30 realmente foram legais

Os anos 30 foram uma época difícil nos Estados Unidos e ao redor do mundo. Após o crash da bolsa em 1929, cerca de...

Profissionais de saúde comemoram UTIs para Covid-19 vazias de hospital no RN: ‘Viva a vacina’

Alerta de lencinho! 🥺 Desde o dia 25 de junho, o Hospital Geral Doutor João Machado, em Natal (RN), conseguiu esvaziar uma ala inteira de...

As 30 imagens mais impactantes e poderosas já feitas

Está viralizando na web uma lista com 30 imagens impactantes, sabemos que imagens valem mais que mil palavras, aqui no RPA sempre postamos imagens...

Moradores em situação de rua cultivam horta comunitária em abrigo de SP

Escrito por Débora Spitzcovsky Já noticiamos a incrível horta orgânica cultivada por moradores em situação de rua dos Estados Unidos. Mas não é só por...

Cadeirante que entrega comidas em SP terá seu triciclo motorizado

E com o apoio de dezenas de pessoas, o cadeirante e entregador de comida por aplicativo em SP, Luciano Oliveira, 44 anos, conseguirá o...

Instagram

Tatuadora brasileira transforma cicatrizes e traumas físicos de mulheres em arte 7