Jovem homenageia irmã com Down em tatuagem de cromossomos e a letra dela

O aprendiz de Administração Vitor Bruno de Araujo, 20 anos, decidiu homenagear sua irmã, a estudante Bruna Ferreira de Araujo, 23 anos, com uma tatuagem personalizada – ele só não esperava que sua iniciativa se tornasse viral nas redes sociais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No Twitter, Vitor postou um vídeo de um minuto que mostra a relação de amor, cuidado e carinho entre ele e Bruna. O post recebeu mais de 40 mil curtidas e foi compartilhado 10 mil vezes. Os irmãos moram em São João de Meriti, no Rio de Janeiro.

De surpresa, Vitor fez uma homenagem dupla à Bruna, que tem síndrome de Down. Ele tatuou a trissomia 21 (o indivíduo com Down possui três cromossomos 21, ao invés de dois) e o nome da irmã, escrito por ela mesma.

[Aos 23 anos, o Julio, que tem autismo severo, precisa ser amarrado em momentos de crise. Também por falta de tratamento ele parou de falar há muitos anos e precisa de um acompanhamento em clínicas e psicoterapeutas. Queremos custear um tratamento pra ele e comprar moveis para a família em Fortaleza (CE) viver um pouco melhor. Contribua aqui.]

“Tenho muito orgulho de ter essa responsabilidade em minha vida e prometo sempre tentar ser o melhor pra você, irmã”, escreveu o jovem na legenda do post.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jovem faz tatuagem em homenagem à irmã com Down usando como base a letra dela

Tatuagem para irmã com Down

“Sempre tive convicção de que faria alguma coisa para a Bruna e tentava fugir de ideias batidas, de fazer o nome dela, com fonte comum. Pesquisando, tive a ideia do cromossomo 21, até por ser algo do cariótipo [conjunto de cromossomos], que meus pais detectaram, e eu optei por usar a trissomia, não a ‘versão romantizada’. A assinatura dela foi para dar uma identidade na tatuagem e para ficar mais fácil de ela identificar, ver que ela que fez”, explica.

Jovem faz tatuagem em homenagem à irmã com Down usando como base a letra dela

Veja o vídeo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Comecei a me conscientizar”

Por terem uma diferença pequena de idade – três anos – os dois sempre foram bem próximos, desde crianças, mas por ele ter avançado mais no colégio, a relação foi mudando com o passar do tempo.

“De 7 a 12 anos, isso desencontrou nossos pensamentos. Para quem convive com pessoas com deficiências, é natural ter momentos menos envolvidos com a causa. Até que eu comecei a me conscientizar. Eu até brinco no meu trabalho que eu já nasci com uma filha. E é verdade. Meus pais tendem a ir antes de nós, e a Bruna é minha responsabilidade.

Leia também: Para celebrar 30 anos de amizade, idosas fazem tatuagem de ‘copo de cerveja’

“Quando eu entrei nesse mindset, acabei buscando me preparar. Mas, não vou mentir, dizer que é uma relação mil amores, porque nenhuma relação de irmão é. E a gente foca em ter uma criação bem natural com ela, sem nenhum cerco”, pontua.

Repercussão

“Ela ficou muito feliz com a repercussão que isso gerou, até porque aproveitei para divulgar a questão das Apaes, que são colégios para pessoas com deficiência. E eu a deixei a par do que estava acontecendo na internet.”

Leia também: Campanha com tatuagens interligadas mostra que temos mais coisas em comum do que diferenças

As curtidas e comentários no Twitter, perguntando sobre Bruna, geraram outro tuíte de Vitor falando mais sobre a irmã, que é “fã número 1 de Luan Santana”.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Universa (UOL)/Fotos: Reprodução/Twitter

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,561,690SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Lei em Florianópolis proíbe cachorros de ficarem presos ou acorrentados

Os tutores devem pelo menos intercalar momentos em que o animal fica preso e solto.

Da periferia de SP para os EUA: A trajetória do estudante de medicina que virou pesquisador em Harvard

"Como médico quero defender a saúde como direito de todos e agir em sua expansão nas áreas mais periféricas. Como pesquisador, quero produzir conhecimentos que melhorem a vida diária das pessoas”.

Motorista de ônibus encontra carteira em banco do veículo e devolve para a dona

Empatia e honestidade são duas coisas que transformam muito, não é verdade? O Israel Medeiros é motorista de ônibus em Jundiaí, em São Paulo...

Ninguém foi à formatura do aluno, então o professor o levou para jantar e agora quer lhe dar um carro

Existem muitas pessoas que nos fazem acreditar na bondade humana. Dominique Moore é uma delas! A última cerimônia anual de formatura da Escola Bessemer City...

Toque o botão do [email protected]#$-se e seja feliz!

Como ter uma vida dita "normal" depois que você é diagnosticado com Mal de Parkinson? Simples (e nos desculpem a expressão): ligando o botão...

Instagram