Inteligência artificial já consegue detectar Alzheimer até seis anos antes do diagnóstico


Inteligência artificial já consegue detectar Alzheimer até seis anos antes do diagnóstico
PUBLICIDADE ANUNCIE

Cientistas da Universidade da Califórnia publicaram um novo estudo demonstrando que softwares aplicados à inteligência artificial podem acelerar o diagnóstico do Mal de Alzheimer, ajudando pacientes afetados a tratar a doença ainda em seu estado precoce.

Publicada no periódico científico Radiology, a pesquisa usou um tipo de diagramação cerebral com um algoritmo de aprendizado digital, que aprendeu a diagnosticar o estágio da doença neurológica progressiva aproximadamente seis anos antes que um diagnóstico clínico pudesse ser feito.

De acordo com o principal pesquisador do estudo, o cientista Jae Ho Sohn, um dos grandes problemas do Alzheimer é que quando os primeiros sintomas clínicos se manifestam e o diagnóstico é feito, grande parte dos neurônios já morreram, o que torna o Alzheimer irreversível.

Leia tambémEstudo revolucionário neutraliza gene do Alzheimer em células cerebrais humanas

Desta forma, o diagnóstico feito com a inteligência artificial da Universidade da Califórnia pode fornecer aos médicos um importante passo adiante rumo ao tratamento mais eficiente e curável da doença neurodegenerativa crônica.

Inteligência artificial já consegue detectar Alzheimer até seis anos antes do diagnóstico
Foto: Reprodução / Portal Amigo Idoso

Durante os estudos, Sohn e sua equipe acompanharam os níveis de glicose no cérebro de pacientes afetados, uma vez que a glicose é a principal fonte de energia para as células do corpo humano. Caso as células adoeçam, elas interrompem o fluxo de glicose. As mudanças são sutis e exigem equipamento à altura para detecção.

PUBLICIDADE ANUNCIE

Os cientistas enriqueceram o algoritmo com informações de exames de pacientes diagnosticados com o Mal de Alzheimer, com comprometimento cognitivo leve ou imperceptível. A partir destes dados, o software de IA acertou 92% dos diagnósticos no primeiro teste e incríveis 98% no segundo, fazendo previsões corretas até 76 meses antes do paciente receber o diagnóstico de Alzheimer com os métodos tradicionais.

Leia tambémAvó com Alzheimer emociona neta ao lembrar do seu nome

O pesquisador treinou o algoritmo em exames de pacientes que acabaram sendo diagnosticados com doença de Alzheimer, comprometimento cognitivo leve ou nenhum distúrbio, e o algoritmo começou a descobrir como prever a doença. O acerto foi de aproximadamente 92% no primeiro teste e 98% no segundo, fazendo previsões corretas em média 75,8 meses antes do paciente receber o diagnóstico de Alzheimer.

Apesar de não estar pronto para uso clínico, o algoritmo já é considerado um auxiliar vital no combate da comunidade médica contra o Mal de Alzheimer, visando ajudar os pacientes muito antes da doença progredir.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: B9

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar