A jovem cientista de 29 anos por trás da primeira fotografia de um buraco negro


A jovem cientista de 29 anos por trás da primeira fotografia de um buraco negro
PUBLICIDADE ANUNCIE

O dia 10 de abril de 2019 entrará para a história como a data em que a primeira imagem real de um buraco negro foi divulgada para o mundo. A fotografia captada levou dois anos para ser renderizada pela comunidade científica.

Nem mesmos os 500 quintilhões de quilômetros de distância, na longínqua galáxia Messier 87, foram suficientes para frustrar o desejo dos cientistas de contemplarem o último grande corpo celeste não fotografado até então, e de quebra comprovarem, uma vez mais, que Albert Einstein (1879-1955) estava certo.

Um fato interessante disso tudo é que quem está por trás do algoritmo de detecção da icônica imagem é uma jovem cientista de 29 anos.

“Observando, incrédula, a primeira imagem que eu já fiz de um buraco negro que estava em processo de reconstrução”, escreveu a cientista Katie Bouman em um post compartilhado no seu perfil do Facebook, logo após a foto do corpo celeste ter se tornado pública.

Em outras palavras, Katie, antes mesmo dos 30 anos, entra para a história da ciência moderna por ter conseguido renderizar a primeira imagem de uma região do espaço extremamente distante e até então apenas teorizada por diferentes cientistas nos últimos cem anos.

Tínhamos até então apenas um pequeno vislumbre dado por documentários e filmes hollywoodianos sobre como poderia ser um buraco negro, baseado em predições e equações matemáticas. Agora, sabemos, de fato, como ele é. E é surpreendente como a matemática emulou tão bem a realidade.

Katherine Bouman, nome completo, guardou esse segredo por um bom, bom tempo.

Ela havia desenvolvido um algoritmo capaz de captar a imagem e não contou a ninguém, apenas aos seus colegas cientistas da equipe do Event Horizon Telescope.

O algoritmo é tão poderoso que pode encontrar corpos celestes supermassivos há milhões de anos-luz da Terra.

Leia tambémPesquisadora escreve 270 páginas no Wikipédia sobre mulheres cientistas

A pesquisadora faz pós-doutorado no Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, nos Estados Unidos, e trabalhou no algoritmo por seis anos, desde que era ‘apenas’ uma estudante de pós-graduação no MIT, um das mais conceituadas instituições de ensino do mundo.

Somando forças com uma equipe de cientistas da computação, Katie montou um grupo para aprimorar o algoritmo e processar os dados coletados pelos telescópios espalhados pelo mundo em um esforço coletivos de astrônomos, engenheiros e matemáticos.

PUBLICIDADE ANUNCIE

As informações obtidas pelo sistema de telescópios criaram “um número infinito de imagens possíveis” para o buraco negro, explicou Katie. A partir daí que o algoritmo foi essencial para organizar o caos.

“Eu tenho interesse em como podemos ver ou medir coisas que são consideradas invisíveis para nós”, disse a cientista.

Segundo os pesquisadores, o buraco negro estudado tem 40 bilhões de quilômetros de diâmetro. Ou seja, ele é cerca de 3 milhões de vezes maior que o planeta Terra. Não à toa foi apelidado pelos cientistas como um “monstro”.

Em seu perfil do Twitter, o MIT publicou uma foto de Katie com os drives que agregaram todos os dados usados pelos cientistas.

Dividindo a foto com ela está uma imagem em preto e branco da cientista Margaret Hamilton, responsável pelo código de programação que levou o homem à Lua!

Leia tambémConheça o projeto infantil que retrata as mulheres que contribuíram para a ciência

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Huffpost Brasil
Foto destacada: Reprodução

PUBLICIDADE ANUNCIE


PUBLICIDADE ANUNCIE

Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar