Estudantes em Divinópolis (MG) criam perfil para informar e acolher mulheres vítimas de violência: “Assunto nunca é falado nas escolas”

O ‘Moça, você não está sozinha’ mostra a mulheres vítimas de violência que do outro lado tem alguém para apoiá-las!


estudantes

Estudantes da Escola Ilídio da Costa Pereira, de Divinópolis (MG), criaram um perfil nas redes sociais para empoderar e informar mulheres oprimidas sobre os seus direitos. Direito à liberdade, direito de ser quem são! O ‘Moça, você não está sozinha’, como o nome disse, mostra a essas mulheres que do outro lado tem alguém para apoiá-las!

Os conteúdos compartilhados trazem desde informações de como buscar ajuda ou denunciar casos de violência até explicações sobre os diferentes tipos de violência contra a mulher, além de posts que jogam por terra padrões de beleza, celebrando a diversidade dos corpos!

A ideia surgiu durante uma feira de ciências em que os alunos tinham que desenvolver algum produto voltado para a comunidade. Como a maioria da equipe de sete estudantes era composta por meninas, a temática da violência contra a mulher foi escolhida e resultou na criação do perfil, atuante no Facebook e Instagram.

“Assunto que nunca é falado nas escolas”

A turma começou a colocar a ideia em prática quando todos faziam o 8º ano do Ensino Fundamental. Hoje, todos eles estão no 9º ano. Participam do grupo: Ana Clara Aquino Soares; Bruno Tavares Rodrigues Borges; Helena Chagas de Araújo Mateus; Luiza Costa Moreira; Thaila Camille Carvalho e Vinícius Simedo Costa de Carvalho.

Helena é a coordenadora do grupo e a mais velha, 15 anos. Apesar da pouca idade, fala sobre o assunto com clareza e objetividade.

“Particularmente, eu avaliaria nosso projeto com uma nota 9 ou até 10, já que é um assunto que nunca é falado nas escolas e estamos fazendo isso sendo apenas jovens do ensino fundamental”, afirma.

“Em relação à tecnologia, hoje em dia ela está em todos os lugares, e por que não usá-la somada a uma ideia de contribuir com mulheres que procuram ajuda? Para o meu grupo, a tecnologia é um meio bastante viável para o projeto, pois atinge um número maior de pessoas”, explicou.

estudantes
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Depois da criação do perfil, os estudantes realizaram também uma campanha de autoaceitação na escola. Convocaram uma psicóloga para fazer escuta com alunas e funcionárias e participaram de uma caminhada na cidade em defesa dos direitos das mulheres.

“O conteúdo chega aos alunos e funcionários da nossa escola e pessoas da cidade. É tanto para meninas quanto meninos, pois não basta só empoderar as meninas, temos que dizer aos meninos o quanto é importante respeitá-las”, pontuou Helena.

Feira de ciências no México e lançamento de aplicativo

A turma do perfil já apresentou a iniciativa na Feira Mineira de Iniciação Científica e o projeto foi escolhido para ser apresentado em uma feira de ciências em Zamá, no México. Além disso, eles já estão arquitetando o lançamento de um aplicativo que deve ajudar as mulheres a buscarem mais informações e auxílio. Acesse o app clicando aqui.

Em parceria com a Intel, selecionamos histórias e projetos que utilizam a tecnologia com um único propósito: o de mudar, ajudar e transformar vidas! Acesse todas as matérias aqui.



Comentários no Facebook

Acessar

Resetar senha

Voltar para
Acessar