De trabalhador rural a doutor em Economia: conheça a história do agricultor que virou bancário

A história de Júlio César reforça uma sabedoria do campo: quem planta, colhe! O rapaz, nascido e criado na comunidade rural de Campestre, em Caradaí (MG), começou a vida trabalhando na roça para ajudar no sustento da família. Mas com o tempo, plantou semente nos estudos, virou bancário e hoje é doutor em Economia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Sonhava grande e minha mãe achava impossível um filho de gente pobre fazer as coisas que eu desejava”, relembra. Com 16 anos, ele já tinha trabalhado nas terras de todos os grandes fazendeiros das redondezas. Foi quando o seu pai arrendou um pedaço de terra para plantar feijão. “Sob sol forte, passávamos os dias naquele cantinho”, conta.

O sonho de arar outros caminhos seria inspirado em uma conhecida, que se tornara secretária do prefeito da cidade. “Foi a primeira pessoa próxima a mim que vi ficar tão perto de alguém com tanto poder. E ela era negra e de uma origem tão humilde quanto a minha”, disse.

Foto antiga de rapaz
Júlio chegou a tirar carteira de trabalhador rural. Foto: arquivo pessoal

Estava decidido! Júlio queria estudar para cultivar seu futuro. Começou se dedicando na escola pública. “As sementes ali plantadas subsistiram na minha mente. A escola primária é, de fato, um divisor de águas em nossos caminhos e bons professores nos inspiram para toda a vida”, avalia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Professores pagaram taxa de inscrição no vestibular

Júlio ainda precisou superar problemas familiares, como o alcoolismo do pai e a extrema pobreza para poder se dedicar aos estudos. O sonho de passar na faculdade parecia estar a léguas de distância, mas a vontade de trocar a enxada pela caneta era maior.

A taxa de inscrição do primeiro vestibular foi paga por seus professores, que vão muito além de docentes. “O apoio dos professores é um determinante para se derrubar as barreiras que nos aprisionam aos ciclos de pobreza“, disse Júlio.

Homem em computador
Júlio se dedicou aos estudos para atingir seus objetivos. Foto: arquivo pessoal

Nesta mesa época, o jovem começou a estagiar como menor-aprendiz na Caixa Econômica Federal e, logo depois, passou no vestibular para Economia na Universidade Federal de São João Del Rey.

O agricultor que virou doutor

Na nova cidade, Júlio César recebeu ajuda de muitas pessoas, inclusive, moradia de graça. No último ano da graduação, seria aprovado para o concurso do Banco do Brasil. Logo já atuava na Gerência de Assessoramento Econômico do Banco do Brasil (Gease), da Diretoria Geral do BB, em Brasília. “Um novo mundo se descortinou”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Homem em frente a projeção com mapa do Brasil
Foto: arquivo pessoal

Lá, ele conseguiu fazer mestrado e doutorado na Universidade Católica de Brasília, custeados pela Universidade Corporativa Banco do Brasil. Até a Universidade de Liverpool, na Inglaterra, Júlio frequentou.

O trabalhador rural tornava-se oficialmente um doutor em Economia. “Sim, a vida mudou e eu mudei, mas dentro de mim bate o mesmo coração do menino sonhador do Campestre. Seguimos adiante”, finalizou.

Homem de boina e óculos em frente ao quadro da Monalisa, no Museu do Louvre
Foto: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É incrível como o tempo é capaz de nos transformar. No meu caso, duas décadas, num processo de constante movimento, foram suficientes para sair de um ambiente de pobreza quase que extrema para a iminente conquista do título de doutor. Doutor com doutorado! Mas esse feito não é mérito somente meu”, declarou.

Pais de Júlio se inspiraram nele e voltaram à escola; irmãs entraram na faculdade

Além de aprender muito em todo este processo, Júlio também ensinou. Tanto que, enquanto cursava o doutorado, seus pais, José e Elza, voltaram à escola, na Educação de Jovens e Adultos (EJA), e concluíram o Ensino Médio. Já as irmãs, Luciana e Angelita, casadas e com filhos, ingressaram na faculdade e se formaram.

Filho adulto com pai e mãe
Seu José e dona Elza voltaram a estudar. Foto: arquivo pessoal

“Quanta inspiração e motivação tive ao ver o empenho, dedicação e superação dessas quatro pessoas. Lembro do meu pai fazendo exercícios para desenvolver movimentos finos naquelas mãos calejadas que tiveram como caneta a enxada, a foice e o martelo”, disse emocionado.

Assim como aconteceu com ele e com sua família, Júlio quer que mais pessoas tenham acesso à transformação social provocada pela educação. A sua pesquisa científica é sobre crédito subsidiado como instrumento de política pública para a geração de emprego e renda, indicadores sociais que sintetizam a inclusão e a emancipação social.

Homem sorrindo de óculos e cachecol em frente a lago
Foto: arquivo pessoal

“Existem milhões como eu, certamente mais inteligentes e com potencial mais elevado, espalhados nas periferias das grandes cidades ou nos rincões do país que não tiveram a mesma sorte por falta de políticas públicas comprometidas com a transformação social efetiva”, finalizou.

Homem sorrindo com taça e Champagne na mão
Um brinde às conquistas! Foto: arquivo pessoal

Vá em frente, Júlio!


A história de Júlio nos faz lembrar do caso de Marcinho, que quase largou a escola e que agora vai estudar Medicina em Harvard. Leia aqui a matéria e inspire-se neste outro lindo roteiro!

Selo Conteúdo Original Razões para Acreditar

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,425,269SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

“Você é tão linda!”, diz cabeleireira para menina que se acha feia; assista

Em um vídeo que viralizou nas redes sociais na última sexta-feira (6), uma cabeleireira exalta a beleza de uma menina que disse que era...

ONG usa garrafas PET para construir escolas, une comunidades e muda vidas

UAU! Quantas lições podemos tirar de um único vídeo? Pouco mais de 3 minutos podem nos dar e mostrar tantas situações, caminhos e superações. O...

Pandas aproveitam zoológico vazio para acasalar pela 1ª vez em 10 anos

Dois pandas aproveitaram que o zoológico Ocean Park, em Hong Kong, estava fechado devido à quarentena para acasalar. Detalhe: eles não faziam isso há...

Como nos velhos tempos, circo retoma apresentações nas ruas para levar alegria e de graça

Hoje tem marmelada? Tem sim, senhor! Hoje tem palhaçada? Tem sim, senhor! É do modo antigo de se fazer circo que uma turma circense...

Desconhecidos organizam vaquinha para menino de 4 anos que cata recicláveis no Ceará

A história de luta e sofrimento do pequeno Levi, 4 anos, que cata recicláveis para ajudar a família, em Juazeiro do Norte (CE), é...

Instagram