Em 1 mês, triatleta supera amputações e queimaduras de 3º grau para disputar Paralimpíadas de Tóquio

Antes mesmo de chegar a Tóquio, a triatleta Jéssica Messali, de 33 anos, tornou-se vencedora da própria história de vida. Isso porque a apenas um mês do início dos jogos paralímpicos, ela, que é considerada uma das maiores esperanças de medalhas para o Brasil, superou uma série de graves queimaduras passou por cirurgias de amputações.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tudo aconteceu no início de julho, quando a atleta havia acabado de conquistar um lugar nas paralimpíadas de Tóquio na classe PWTC – voltada a atletas que usam handcycle e cadeiras de rodas – após vencer a Copa do Mundo de Triathlon, na Espanha.

Durante preparação para a disputa em Tóquio, a paratleta sofreu queimaduras de terceiro grau em uma sauna. A atividade era fazia parte de um processo de aclimatação ao verão japonês, que varia entre 30º e 35º graus nesta época do ano.

 

Ver essa foto no Instagram

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma publicação compartilhada por Jéssica Messali (@jessicamessali)

Infelizmente, durante a preparação, a atleta sofreu necrose nos pés, que resultaram na amputação de sete dedos e meio. Incidente que, praticamente, a tiraria da competição iniciada nesta semana.

“A lesão foi uma queimadura de terceiro grau, grave, e no final eu fiz a amputação de sete dedos e mais um pedaço de outro. A lesão aconteceu numa sauna seca, aquelas de madeira, pela junção de três fatores. Tenho lesão na medula, sou cadeirante, e por conta dessa lesão, não transpiro nas pernas, e o que protege uma pessoa dentro da sauna é a transpiração. Como não transpiro, não tive essa proteção nos pés. A segunda situação que ocasionou isso foi colocar as pernas para cima, e por eu ser cadeirante, meu retorno venoso, que é a circulação, tem um déficit. Como eu coloquei as pernas para cima, num ato de desinchar as pernas, que eu já faço muito, e elas ficaram bem para cima, quase no teto da sauna, não teve retorno venoso do sangue para os pés. Então eu saí da sauna com os dedos sem circulação, e isso causou a amputação, porque fiquei por 30 minutos na sauna sem retorno venoso. Foram essas três situações que causaram, somadas, a amputação de sete dedos e a queimadura de terceiro grau: a falta de sudorese, a falta de retorno venoso e os meus pés estarem muito perto do teto da sauna, que é o local mais quente”, explicou em entrevista ao site Globo Esporte.

Jéssica precisou se readaptar e, diante dos novos desafios, travou uma das mais difíceis batalhas de sua vida, enquanto se recuperava dos ferimentos na cama de um hospital

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em uma luta contra o tempo, Jéssica foi submetida a dez cirurgias em 25 dias. Superou todos os desafios durante os 46 dias de recuperação e, na última quarta-feira, deu as primeiras braçadas no percurso de reconhecimento da prova.

“No dia 06/7 sai dos “Trilhos ” vivi um intenso teste de força mental… 👉 na semana passada concluímos o teste e saímos mais fortes mentalmente do que nunca, hoje enfrentei o mar de Tokyo ( reconhecimento do percurso da prova) nadei somente 3 vezes após 46 dias sem entrar na água 😅 sofri um pouquinho fisicamente porém continuo em um estado de suprema gratidão só por estar aqui”, escreveu em publicação no Instagram.

Em apenas seis anos de carreira, Jéssica acumulou três títulos mundiais, duas medalhas de prata na World Series, outras duas no Parapan-Americano e um vice na Copa do Mundo, além de dois terceiros lugares na competição. Por isso, se tornou uma das principais esperanças de pódio para o Brasil na estreia da categoria PWTC nas Paralimpíadas.

Leia também: Jovem que perdeu as pernas após atentado com bomba se torna nadadora paralímpica de elite dos EUA

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja também:

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora adapta aulas para aluno especial: inclusão!

A professora Joana D’Arc Manente faz o que está ao seu alcance para promover a inclusão do garoto Stevão.

Gêmeos? Veja 20 fotos de pessoas que encontraram por acaso seus sósias

Já encontrou alguém que parecia muito fisicamente com você e não era nenhum parente, mesmo que distante? Eu já! Há alguns sites e aplicativos que fazem...

Marca vende chuva para ajudar cidade Colombiana que não tinha água potável

Uma grande ironia acontecia na cidade de Lloró, pequeno município na Colômbia, conhecido como o mais chuvoso do mundo que, ironicamente, não possui água...

Jovem de 22 anos e senhora de 86 fazem amizade através de jogo de palavras cruzadas online

Spencer Sleyon é um jovem rapper de 22 anos, que vive no Harlem, em Nova York e o seu passatempo preferido é jogar palavras...

Instagram