Pesquisadoras da Unicamp desenvolvem colírio que evita e trata a perda de visão em diabéticos

Uma dupla de pesquisadoras brasileiras desenvolveu um colírio que previne e combate a perda da visão entre os diabéticos, a chamada retinopatia diabética.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A grande vantagem desse achado é o fato de não ser invasivo. Por ser tópico não implica em riscos e cria uma barreira contra as alterações neurodegenerativas que afeta os diabéticos”, explicou a pesquisadora Jacqueline Mendonça Lopes de Faria.

Vinculadas às faculdades de Ciências Médicas (FCM) e de Engenharia Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), as cientistas disseram que a descoberta foi feita a partir de uma pesquisa que já dura cerca de duas décadas. “É consequência de um estudo de 20 anos para entender o mecanismo de ataque das células nervosas e de irrigação sanguínea no tecido ocular.”

Leia também: Criado por pesquisador brasileiro, hidrogel de gengibre evita amputação em diabéticos

Segundo Jacqueline, devido à hiperglicemia – excesso de açúcar no sangue no organismo dos diabéticos – vários órgãos podem ser comprometidos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em aproximadamente 40% dos casos, a diabetes leva a complicações na retina provocadas pelo efeito nocivo da glicose. Quando isso ocorre, o sistema nervoso e vascular são drasticamente alterados na região dos olhos, provocando cegueira. “Isso ocorre, muitas vezes, justamente no momento em que a pessoa está em idade ativa.”

Pesquisadoras da Unicamp desenvolvem colírio que evita e trata a perda de visão em diabéticos
Foto: Antoninho Perri/Unicamp

Atualmente, procedimentos como a fotocoagulação com laser e a injeção intravítrea são consideradas opções menos invasivas para o tratamento da retinopatia diabética.

As pesquisadoras da Unicamp manifestam a expectativa de que a descoberta sirva não apenas para a cura dessa doença, mas para outras anomalias graves da visão, como o glaucoma.

Eficácia comprovada

Diversos testes realizados nos laboratórios da Unicamp comprovaram a eficácia da fórmula. Entretanto, o colírio ainda precisa ser submetido à fase clínica de testes, incluindo ensaios em seres humanos, antes de ser transformado em medicamento e vendido comercialmente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como os testes e ensaios dependem do interesse de empresas em fazer o licenciamento da tecnologia em parceria com a agência de inovação da universidade, ainda não há previsão de quando o medicamento será liberado e comercializado ao amplo público.

Em testes iniciais com roedores, não foram observados quaisquer efeitos colaterais ou adversos – e o colírio mostrou-se absolutamente eficaz na proteção do sistema nervoso da retina.

Pesquisadoras da Unicamp desenvolvem colírio que evita e trata a perda de visão em diabéticos
Foto: Reprodução/EPTV

A pesquisa foi realizada pela professora Maria Helena Andrade Santana, a pesquisadora Mariana Aparecida Brunini Rosales e a aluna de mestrado Aline Borelli Alonso – financiada com o auxílio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério de Educação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Pais fazem tatuagem na barriga em solidariedade ao filho que tem diabetes tipo 1

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Agência Brasil

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,643,961SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira de 27 anos monta sua própria fábrica de cookies e reverte parte dos lucros à caridade

Assim com o muitas outras ideias incríveis, foi durante a pandemia do novo coronavírus que Amanda Palomino, de 27 anos, decidiu ter sua própria...

Mesmo morando há anos num castelo de areia, morador de rua arrecada alimentos para quem precisa

Marcio Mizael mora em um famoso castelo de areia que ele mesmo construiu na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Faz 30...

Enfermeira salva vida de bebê que sofreu maus tratos, descobre que ela tem irmã gêmea e adota as duas

"Ela estava tão sem vida, mas ainda segurava meu dedo. Na mesma hora eu pensei em levá-la pra casa"

Empresa transforma plástico descartado em moradias

Você sabia que só com o plástico descartado todos os anos é possível dar quatro voltas na Terra? Já nos aterros sanitários, apenas 5% hoje...

Jovem paraplégico e morador de abrigo passa no vestibular da UFRGS

Estudante de 21 anos que foi atingido por bala perdida vai estudar Ciência da Computação.

Instagram