Universidade Federal do ES tem primeiro aluno surdo a defender mestrado

professor_da_rede_estadual_e_primeiro_surdo_a_obte__526fac2fa9Com a defesa da dissertação “A inclusão do aluno surdo no Ensino Médio”, o estudante do Programa de Pós-Graduação em Educação da Ufes Ademar Miller Júnior tornou-se o primeiro surdo a obter o título de mestre pela Universidade. Ele foi aprovado sem ressalvas no último dia 29 de julho, diante de um público de mais de 100 pessoas, no auditório do Centro de Educação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A banca examinadora foi composta pela orientadora do trabalho e professora do PPGE, Ivone Martins, da coorientadora e sub-chefe do Departamento de Educação Integrada em Saúde, Lucyenne Machado, da professora do PPGE, Edna Castro e  do professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rodrigo Marques.

A orientadora destaca que esse foi um marco histórico para a Ufes e para o PPGE. Além de ser o primeiro aluno surdo a concluir o primeiro aluno surdo a concluir o mestrado na Ufes, Ademar também foi o primeiro a se formar no curso de pedagogia e o primeiro professor substituto da Ufes com surdez.

Segundo a professora Ivone, o mestrado de Ademar foi um desafio muito grande, pois no início o PPGE não tinha experiência com um aluno surdo. “ Secretaria, professores, colegas, tradutores/intérpretes, enfim, todos foram aprendendo aos poucos o papel de cada um”, enfatizou.

Além da orientadora e coorientadora, a equipe contou com cinco tradutores/intérpretes e uma monitora. As professoras do campus de São Mateus Keli Xavier e de Alegre Aline Bregonci também colaboraram, elaborando uma disciplina especial.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Júnior comemorou: “Tenho certeza de que serei um modelo para tantos outros que verão em mim uma possibilidade de entrar no mestrado. No futuro penso em fazer o doutorado, aqui ou nos EUA”.

Durante a pesquisa, Júnior teve uma bolsa de estudos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo (Fapes) e, em agosto de 2011, interrompeu o mestrado para participar de um intercâmbio de seis meses na Universidade Gallaudet, nos EUA, a única no mundo cujos programas são desenvolvidos para pessoas surdas.

Fonte: Portal Ufes | Dica do Naone Garcia

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,763SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Escola permite fotos de alunos em carteirinhas inspiradas em filmes e memes

Uma escola de ensino médio de Detroit, Michigan (EUA), permite que as fotos das carteirinhas de identificação dos seus estudantes sejam como bem quiserem. Essa...

Menino chora ao ser denunciado por vender água na rua, comove web e ganha vaquinha

Gabriel é um garotinho de 11 anos que foi trabalhar na rua para ajudar no sustento da casa. Ele mora com a mãe e três...

Loja a céu aberto resgata a autoestima de moradores de rua

Doar roupa e ao mesmo tempo participar de um programa internacional que está mudando a lógica de como as pessoas carentes são impactadas por...

Ela existe: uma cidade auto-sustentável que não tem políticos e nem hierarquia

Na Índia, existe uma cidade chamada Auroville e que pode ser o exemplo real de algo que desde sempre é considerado utópico por muitos quando o...

Alunos transformam tema de redação em projeto de inclusão digital para idosos

“Os idosos se sentiram úteis, valorizados, protagonistas. E depois de uma série de ações singelas, mas significativas, os alunos com certeza mudaram o olhar para com os idosos”, comenta a professora dos estudantes.

Instagram