Histórico: Universidade Federal de Goiás forma a primeira doutora surda

Neste ano, mais um passo à frente foi dado em prol da acessibilidade. A Universidade Federal de Goiás formou a primeira doutora surda na história da instituição. A economista e gestora governamental Elcileni de Melo Borges, de 45 anos, apresentou uma tese sobre as mudanças urbanas do Estado nos últimos 11 anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Escute essa história incrível da Elcileni! Clique no play acima!

Integrante da equipe do Observatório das Metrópoles, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia, ela tem bastante experiência em estudos urbanos e habitacionais. O trabalho apresentado, “Habitação e Metrópole: transformações recentes na dinâmica urbana de Goiânia”, teve pesquisas feitas em sete municípios locais para identificar os impactos na reconfiguração urbana da metrópole goianiense entre 2005 e 2016. “Foi quando se viu aflorar uma nova periferia e novos padrões de segregação residencial e socioespacial”, justificou ela, em comunicado da UFG.

A surdez da doutoranda surgiu aos 27 anos, após a descoberta de um tumor no nervo auditivo. Depois de passar por uma cirurgia, ficou com deficiência auditiva bilateral. Inserida no Programa de Pós-Graduação em Geografia do Instituto de Estudos Socioambientais (PPGeo/Iesa), a pesquisadora frequentou as atividades durante quatro anos e teve uma mãozinha amiga para ajudar na conclusão dos estudos.

Uma aluna ouvinte transcrevia simultaneamente o que era dito em sala de aula, presencial ou virtual, para que Elcileni acompanhasse. Segundo comunicado da Universidade, a alternativa deu bons resultados. “Usando a plataforma Google Docs, eu conseguia ler de forma instantânea. Era como se fosse um ‘closed caption’. Com isso, obtive aproveitamento suficiente em todas as disciplinas, disse a doutora.

A comunicação entre a banca e a aluna durante defesa da tese também aconteceu por meio de plataformas multimídia, incluindo até mesmo a participação de professores de São Paulo e Portugal. Ela é a segunda pessoa surda a se formar na pós-graduação da UFG. A primeira foi Renata Garcia, que concluiu Mestrado em Ciências da Saúde em 2016.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Elcileni afirmou ainda que a tecnologia foi de grande valia até mesmo para seu lado pessoal, aumentando sua segurança e confiança. A experiência prática me ajudou a vencer o medo de me expor ao público e me possibilitou o contato com o instrumental e a temática da pesquisa, dando maior segurança para realizar apresentações orais em seminários nacionais e até internacionais – como por exemplo, o estágio doutoral realizado no Instituto de Geografia e Ordenamento Territorial – IGOT, da Universidade de Lisboa”.

Com força de vontade, recursos tecnológicos e bons parceiros de estudos, a gente pode chegar longe, não é?

Fotos: Adriana Silva/UFG

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

984,898FãsCurtir
1,731,005SeguidoresSeguir
8,540SeguidoresSeguir
11,100InscritosInscrever

+ Lidas

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções...

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Juiz vai até a casa de idosa para lhe conceder aposentadoria

Um  caso incomum aconteceu há alguns meses, onde um juiz foi até a casa de uma senhora de 100 anos para conceder aposentadoria a ela. O...

Mulher que sofre de ansiedade agradece a compreensão do seu namorado: “Há pessoas melhores que remédio”

Porque respeito e compreensão são fundamentais em qualquer relacionamento.

Mãe diz para filha chamar melhor amiga para noite do pijama e ela trouxe: uma senhora de 68 anos

Quando somos crianças, sempre temos um amigo ou uma melhor amiga que nos identificamos mais, não? E, mesmo que essa amizade não dure pra...

Instagram