Primeira universidade sem professores e gratuita é inaugurada no Vale do Silício

Sim, você leu certo: universidade sem professores.

Uma universidade sem professores rompe com um modelo vigente e tradicional – aquele que coloca o professor em uma posição acima do aluno, foi inaugurada no Vale do Silício, na Califórnia, nos EUA.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na universidade 42, não existem professores, livros e nada é pago. Ela é voltada para estudantes interessados em programação de computadores e desenvolvimento de software. Durante o curso, os alunos escolhem um projeto do seu interesse e trabalham em grupo.

Para transformar a ideia em projeto, eles usam fontes gratuitas disponíveis na internet e recebem ajuda dos colegas. Os alunos trabalham lado a lado, em uma mesma sala, com várias fileiras de computadores, o que favorece a troca de conhecimento.

sim! uma universidade sem professores
Rick Friedmann/BBC

Os trabalhos são avaliados uns pelos outros, ao final de cada curso, que pode durar de 3 e 5 anos. A formatura acontece quando os alunos atingem o nível 21 de desenvolvimento dentro do programa – a progressão é semelhante às fases de um jogo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O nome da universidade é uma referência à resposta sobre qual seria o sentido da vida segundo o clássico de ficção científica “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams, e que já virou livro, peça de teatro, minissérie de TV, filme longa-metragem, revista em quadrinhos, livro ilustrado e jogo de computador.

A 42 é uma iniciativa do empreendedor do setor de tecnologia Xavier Niel. O primeiro campus da 42 foi criado em Paris, em 2013. Muitos estudantes que se formaram lá trabalham hoje em gigantes como IBM, Amazon e Tesla. Outros criaram suas próprias empresas ou são funcionários da própria universidade.

universidade sem professores inaugurada
A 42 é uma iniciativa do empreendedor do setor de tecnologia Xavier Niel (Foto: Divulgação)

“O retorno que temos recebido dos empregadores é que os jovens que formamos são mais preparados para buscar informações por si mesmos, por exemplo, sem precisar perguntar ao supervisor o que devem fazer,” diz Brittany Bir, chefe de operações da 42 na Califórnia e ex-aluna no campus de Paris.

Leia também:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mensagem de despedida do dublador de Wolverine emociona internautas

Menino de 10 anos cria dispositivo que impede a morte de bebês esquecidos dentro do carro

Cientistas criam vacina que corta efeito do crack e cocaína

A universidade 42 é inspirada em modelos de empresas como Airbnb e Uber. A primeira é a maior empresa de hospedagem do mundo sem ter nenhum quarto, já a segunda é a maior empresa de transportes de passageiros sem ter nenhum veículo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações do G1 e Startse

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,643,961SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Faróis de carros ajudam avião com pacientes a decolar no Peru

Numa demonstração de solidariedade, motoqueiros e motoristas se uniram para ajudar um avião a decolar, em um pequeno aeroporto, na Amazônia peruana. Um avião...

O sorriso desta bebê prematura está derretendo corações do mundo inteiro

A bebê nasceu prematura, com menos de 2 kg, e não esconde sua gratidão pela vida.

Empresa cria substância que transforma óleo de cozinha em detergente em apenas 1 minuto

E se eu te contasse que você não precisa mais jogar o óleo de cozinha fora, depois de usá-lo, pois dá para lavar louça...

Vaso de planta é o carregador de celular do futuro: sustentável e “gratuito”

Uma fonte de energia totalmente limpa e “gratuita” para seu celular e tablet. O “Bioo Lite” foi desenvolvido por três estudantes de engenharia da...

Ex-moradora de rua cria loja gratuita de roupas onde sem-teto escolhem o que querem vestir

Na "Re Solidário", os sem-teto ganham um vale fictício de R$ 50 para "comprar" aquilo que gostam.

Instagram