USP cria plástico 100% biodegradável com resíduos da agroindústria

Uma equipe multidisciplinar de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto (SP) desenvolveu um tipo de plástico 100% biodegradável e economicamente competitivo em relação ao plástico comum.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na busca por um produto sustentável, que substituísse o polímero sintético, os pesquisadores fizeram diversos testes em resíduos agroindustriais que resultaram num produto com qualidades técnicas e econômicas promissoras, além de amigáveis ao meio ambiente.

A novidade veio direto dos laboratórios do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP. A química Bianca Chieregato Maniglia e sua equipe desenvolveram filmes plásticos biodegradáveis a partir de matrizes de amido presentes em resíduos agroindustriais de cúrcuma, babaçu e urucum.

USP produz plástico 100% biodegradável com resíduos da agroindústria
Foto: Divulgação/FFCLRP

É importante frisar de onde veio essa inovação: descartes da agroindústria, altamente poluidora. A reciclagem desses resíduos e sua consequente transformação em produtos biodegradáveis, produzidos com fontes renováveis que não se esgotam (como o petróleo), é um grande avanço nas soluções que combatem o descarte desenfreado de lixo plástico.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Bianca lembra também que a matéria-prima para a produção do seu produto é barata e que não compete com o mercado alimentício. Além disso, “contém em sua fórmula compostos antioxidantes, interessantes no desenvolvimento das chamadas embalagens ativas (que interage com o produto que envolve, sendo capaz de melhorar a qualidade e segurança para acondicionamento de frutas e legumes frescos)”.

Leia também: 

No entanto, os pesquisadores acreditam que a invenção demande mais estudos e testes antes de ser liberada para comercialização em massa.

A ideia é que o plástico 100% biodegradável seja uma alternativa direta ao comum, e que chegue para brigar pela hegemonia desse nicho, uma vez que ele será tão barato quanto o polímero sintético advindo do petróleo – que leva até 500 anos para desaparecer da natureza (em contraste com o bioplástico, que leva, no máximo, 120 dias, de acordo com a USP).

USP produz plástico 100% biodegradável com resíduos da agroindústria
Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Jornal USP

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,835,148SeguidoresSeguir
24,700SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Estudante com paralisia cerebral revela talento na escrita: tudo começou com um celular

Professores e alunos da EMEF Franscisco Meirelles, de São Paulo, se mobilizaram para comprar um tablet para o estudante Marcos Gabriel Rocha, 18 anos. Essa...

Bigênero, preta e gorda, influencer Bielo estreia jornal de boas notícias e dá aula de amor próprio

É falar um “A” e a gente já sente uma energia que melhora o nosso dia. A Bielo Pereira, apresentadora do Coisa Boa Pra...

Pai canta para filho surdo e chora quando ele sorri

O americano Zach Oxendine se emocionou enquanto cantava a música "The Boy" para o filho que tem problemas de audição.

Lacoste troca os tradicionais crocodilos por espécies ameaçadas em coleção especial

Com o objetivo de alertar à favor da conservação da natureza, o tradicional crocodilo da marca francesa de roupas Lacoste, será substituído por outras...

Vizinhos criam ‘cãodomínio’ para abrigar cachorros de rua

No 'cãodomínio', os doguinhos recebem ração e água todos os dias e vivem confortavelmente.

Instagram

USP cria plástico 100% biodegradável com resíduos da agroindústria 1