Para valorizar a autoestima, alunos de escola pública fazem bonecos de si mesmos

Monaliza Furtado é professora da rede pública municipal há 18 anos e, atualmente trabalha na Escola Municipal de Ensino Fundamental Esperança, em Montenegro, Rio Grande do Sul. Neste ano, ela desenvolveu um projeto especial com os alunos do quarto ano do ensino fundamental, que tinha como objetivo trabalhar a representatividade e o empoderamento da criança negra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em relato ao site Porvir, ela diz que se inspirou em um dos maiores e mais conhecidos educadores do mundo, Paulo Freire, a professora utilizou a letra da música “Bonecas Pretas”, da cantora Larissa Luz para propor uma reflexão crítica sobre a realidade, questionando os alunos com perguntas como : “Se eu não pareço com quase nenhuma boneca ou personagem em destaque, será que não sou tão bonito? Não sirvo como modelo? Como se dá a construção do conceito de beleza? Somos livres pra construir a ideia de bonito ou feio?”

Relacionado: Menina de 2 anos dá a melhor resposta para caixa que “questionou” a escolha de boneca negra

Além de terem entrevistado a escola inteira para descobrir quais as características físicas que os estudantes consideravam bonitas nos outros, depois foram até as lojas de brinquedos mais próximas à escola, para saber se a criança negra estava sendo bem representada, já que a grande maioria dos alunos da escola é negra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Surpresa com o resultado da pesquisa, Monaliza percebeu que havia um consenso: grande parte dos alunos tinham problemas de autoestima, consideravam quem tem cabelos lisos e olhos claros mais bonitos do que eles e, em alguns casos, mal conseguiam se olhar no espelho.

Após este trabalho inicial, as crianças construíram bonecos e bonecas com as mesmas características físicas que eles, para que eles se sentissem representados e ela confirma: “As crianças negras, principalmente, melhoraram significativamente o olhar sobre si mesmas, fator esse que me enche de alegria”.

A iniciativa também foi apresentada às famílias dos alunos, que apresentaram o resultado desde intenso trabalho proposto por Monaliza. Eles saíram de sua zona de conforto, aprenderam, se questionaram e, sobretudo, criaram um senso crítico que levarão com eles para o resto de suas vidas, que mostra que, representatividade importa sim e que para que exista respeito, aceitação e empoderamento, precisamos estar abertos a conversar abertamente sobre as coisas. Que projeto incrível!

Com informações de Porvir

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fotos: reprodução vídeo Youtube

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,638,512SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Shopping cria “praça de amamentação” para estimular a doação de leite materno

Muitas mães não se sentem confortáveis para amamentar em público com medo da reação de pessoas que desaprovam o ato. O preconceito existe e...

Cão devolvido por ser surdo é adotado por estudante também surdo

Um cão de apenas 11 meses foi devolvido por uma família pouco após eles descobrirem que o animal era surdo. Felizmente, um estudante que...

Dona de restaurante distribui caldos de graça após perder tudo em incêndio

"Esses caldos que tô distribuindo são os que eu vendo, mas como aconteceu isso, estou dando como forma de ajudar o próximo."

Harlem ‘Parkinson’ Shake

Harlem Shake de tudo quanto é jeito, e esse foi o único que me impactou e comoveu. "Agitar (ou balançar). Engraçado para alguns..." "Luta diária...

Criança de doença rara e sem cura dá lição de vida e internautas criam vaquinha para ajudar no tratamento

O menino Pedrinho tem uma doença genética que causa lesões semelhantes a queimaduras em todo o corpo. Cada troca de curativos leva 3 horas. A...

Instagram