Vaquinha para vendedor de empanadas que sofreu humilhação na rua arrecada R$ 146 mil em menos de 24h

Gente, vocês são incríveis!!! Em menos de 24 horas, batemos a meta da vaquinha do Leandro, menino de 14 anos que sofreu humilhação na rua vendendo suas empanadas para ajudar a família.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Através de 4599 transformadores, foram arrecadados R$ 146.202,70 – valor acima da meta de R$ 140 mil. Com o dinheiro, a família de Leandro vai abrir uma loja e vender essas deliciosas empanadas em Praia Grande (SP).

Daqui pra frente, queremos ver o Leandro com sorriso no rosto e com a ajuda que vocês estão dando, é isso que vai acontecer! Muito obrigado! VOAA, Leandro! 💜

A vaquinha continua aberta e você ainda pode contribuir clicando aqui.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

View this post on Instagram

 

Uma publicação compartilhada por VOAA – a vaquinha do Razōes (@voaa_vaquinhadorazoes)

Relembre a história

Leandro tem 14 anos, mora em Praia Grande (SP) com seus pais Edgardo, de 64 anos, sua mãe Maria, de 39 anos, seu irmão Alexandro de 15 anos, e mais três irmãos menores. A família de Leandro é da Argentina e vieram ao Brasil, em busca de uma vida melhor.

A família morava na cidade de SP e tinha um restaurante de doces e empanadas, no bairro Santa Cecília, porém com a pandemia, eles precisaram fechar o local.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com os negócios parados, eles se mudaram para Praia Grande e tentaram vender seus produtos (empanadas, brownies e muffins) por aplicativo, mas a porcentagem cobrada era muito alta e eles não estavam conseguindo se manter, então tiveram a ideia de vender os produtos na rua.

Em média, eles vendem empanadas todos os dias, custando R$ 10,00 cada. Ainda assim, é muito pouco para sustentar toda a família.

Hoje a renda da família vem só da venda das empanadas. Os pais fazem os produtos e os filhos mais velhos vendem na rua, porém, eles passam por muita humilhação, como o Leandro passou, sendo humilhado por um grupo de rapazes, que pisotearam em suas empanadas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A vaquinha será para ajudar no sustento da casa e realizar o sonho da família em poder abrir a loja. Assim, nenhum dos meninos precisará voltar às ruas.

No último dia 24, Leandro foi humilhado por um grupo de rapazes, enquanto estava vendendo as empanadas

Os rapazes disseram à Leandro que as empanadas, feitas por uma receita especial de sua avó, não eram de qualidade e nem possuíam higiene na venda, sendo que todas as empanadas eram embaladas e feitas com muito carinho.

Além disso, os rapazes tiraram as empanadas das caixas, elas caíram e eles pisotearam algumas. Isso tudo fez o Leandro entrar em desespero e ele chorou muito.

Duas amigas de Leandro, Luana e Gabi, presenciaram a humilhação que ele sofreu e ficaram com muita dó. As meninas pagaram o prejuízo dos rapazes e ainda ajudaram os irmãos a vender o restante das empanadas. Elas divulgaram em suas redes sociais o ocorrido e a história chegou até nós.

“O Leandro estava chorando muito. Foi uma das piores cenas da minha vida, nunca havia presenciado algo assim, era o mínimo que podíamos fazer.”, contou Luana.

Clique aqui para acessar o site da campanha de Leandro e faça uma contribuição!

Fotos: VOAA

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,847,081SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cego desde os 6 anos, homem reflete sobre a falta de acessibilidade no Brasil

O Marcos Lima foi o primeiro cego brasileiro a esquiar, mas encontra dificuldades para pegar um ônibus no Rio de Janeiro.

Polícia do Paraná desmonta “rinha” de pitbull no interior de São Paulo

Os cães que sobreviveram receberão todo o atendimento médico necessário e, depois de castrados e adestrados, irão para a adoção.

Ex-segurança de hospital volta a trabalhar no local, mas como médico residente

Russell Ledet tem 34 anos e é um veterano da Marinha dos EUA. Ele trabalhou por cinco anos como segurança no Baton Rouge General...

Dono de livraria doa material escolar para menino que não pediu dinheiro, mas sim caderno para estudar

O protagonista desta história é Mauricio Casado, um homem de 48 anos de Mendoza, no oeste da Argentina, que fez questão de dar uma...

Paciente vence Covid-19 após 94 dias de luta e dança forró com médica para comemorar em GO

Foram necessários quase 100 dias, mas o marceneiro Elismário Amorim, 54 anos, venceu a Covid-19 em um hospital de Goiânia (GO). Para comemorar sua...

Instagram