Homem cria projeto de surf para crianças em comunidade violenta após ter melhor amigo morto por gangue

A dor ensina! Foi ela que levou o João Carlos, de 52 anos, a criar uma escola de surf em uma comunidade carente. Ele quer que outros jovens não tenham o mesmo destino que o seu melhor amigo, morto por em uma briga de gangues, na sua frente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A cena marcou sua vida. “Tinham várias crianças olhando o corpo, foi muito triste. Foi quando decidi que não deixaria mais nenhuma criança desamparada”, disse. A escola de surf fica na comunidade Titanzinho, em Fortaleza (CE), e atende mais de 20 crianças. Durante seus 25 anos, já passaram por lá mais de 300 meninos e meninas.

Mas para que o local possa atender mais crianças e suas famílias, o projeto precisa do nosso apoio. Para tal, criamos uma vaquinha na VOAA. Com o valor arrecadado, serão adquiridas mais pranchas e o espaço será reformado e ampliado para que mais oficinas possam ser realizadas. Além das aulas, Fera quer oferecer às crianças alimentação e estadia. Clique aqui e contribua!

Professor de surf com alunos na praia
Foto: arquivo pessoal

João Carlos Fera, como é chamado, tem o objetivo de reduzir a violência no bairro e dar uma nova opção de vida aos jovens. Segundo estudo, o Cais do Porto, onde fica situada a escolinha, teve um dos piores índices de desenvolvimento humano.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Nós temos hoje no bairro uma grande quantidade de escolas de surfe. E todas essas escolas são de meninos que nasceram aqui e que cresceram aqui. Aprenderam a surfar, aprenderam a ensinar e estão sobrevivendo às custas do surfe”, diz Fera.

Escolinha de surf
Escolinha fica em bairro pobre. Foto: arquivo pessoal

E esse trabalho está mesmo dando frutos, pois revelou talentos como a campeã mundial Juju dos Santos, da Confederação Brasileira de Surf. “As palavras que eu falei tão reverberando. E graças a Deus alguns que poderiam ter partido para a marginalidade preferiram se envolver com o esporte”.

Fera encontrou equilíbrio no mar

Se equilibrar em cima de uma prancha nas ondas fortes do Ceará não é mais difícil do que se manter em equilíbrio na vida. Mas foi justamente onde Fera encontrou a saída para muitos de seus problemas. “O mar cura. Ele faz a gente se sentir mais gente”, disse.

Na infância, ele trocava maços de cigarro por tábuas de madeira para criar pranchas de surf. Fera sempre quis um lugar cheio de surfistas. “Todo surfista de alma tem essa relação intrínseca com o mar. O esporte cria pessoas conscientes para defender o entorno onde estão inseridos”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Homem de camisa azul
Fera manda bem nas ondas do mar e da vida! Foto: arquivo pessoal

Vamos apoiar este grande projeto e mudar mais vidas de crianças?! Conheçam mais do trabalho do Fera em @fera_surfschool.

Selo Conteúdo Original Razões para Acreditar

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Hackaball: um computador que você pode jogar

Arremessar um computador é geralmente desaprovado e algo que você nunca deve fazer - até agora. Conheça a Hackaball, uma bola inteligente e sensível feita para as crianças...

Avós que moravam com 16 netos em local condenado conseguem casa após vaquinha

A vida do seu Gilberto, 54 anos, da dona Ana, 52 anos, e de seus 16 netos vai finalmente ficar mais leve depois que...

Catador acha cofre com mais de R$ 35 mil, devolve dinheiro e diz: “Sou honesto”

“Eu gosto de deitar minha cabeça no travesseiro e dormir tranquilo”. Essas palavras são do catador Manoel de Sá, 63 anos. Em mais um dia...

Um neto recitando a brilhante crônica de Saramago, para sua avó

Uma homenagem às avós, aos avôs, aos avós. Uma carta que tem as palavras que não são as deles, mas que são para eles....

Campanha para ajudar menina com paralisia cerebral voltar a dançar bomba na internet

A pequena Finley foi adotada aos 9 meses com o diagnóstico de paralisia cerebral, que dificulta sua locomoção. Ela conta com a solidariedade dos...

Instagram

Homem cria projeto de surf para crianças em comunidade violenta após ter melhor amigo morto por gangue 3