Veja o surfista profissional que usa sua experiência única para ajudar crianças autistas

Foi num dia de verão em 1969, quando Israel “Izzy” Paskowitz se apaixonou pelo surf. Ele tinha seis anos quando seu pai, o lendário surfista Dorian “Doc” Paskowitz, o levou para surfar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu nunca vou esquecer daquela onda. Foi meu pontapé inicial para dentro da tribo.”

Considerada a primeira família de surf, Izzy é o quarto dos nove filhos de Doc e Juliette. Eles viviam uma vida nômade em um trailer e viajaram o país durante cerca de 23 anos. Nessa  época, Doc, um médico graduado de Stanford, tinha deixado sua carreira para cumprir seu amor por viagens, família e surf.

surf-autistas-7

surf-autistas-8

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Izzy, naturalmente, tornou-se um surfista profissional. Em 1983 bateu lendas do esporte e logo se tornou um campeão mundial, ganhando eventos nacionais e internacionais.

“Com minha linda esposa, Danielle, ao meu lado, me sentia invencível, como se eu fosse o rei do mundo,” Izzy recorda.

surf-autistas-11 surf-autistas-10

Izzy se casou com Danielle, tiveram uma filha chamada Ella, que era a cara da mãe e logo depois tiveram Isaiah que era a cara de seu pai. Tudo era incrível e perfeito e ele tinha aquele sonho de que seu filho seria igual seu pai. Foi então quando seu mundo desabou, seu filho aos três anos de repente parou de falar. Eles pensaram que ele era surdo, mas seu filho acabou sendo diagnosticado com autismo. surf-autistas-14 surf-autistas-12

“Demorei muito tempo para aceitar a sua condição, até para dizer a palavra ‘autismo’. Eu tinha o sonho de qualquer atleta profissional: que meu filho seria igual ao pai, e não estava sendo daquele jeito.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Izzy sabia que tinha que ser um pai melhor e em um momento especial, Isaiah, então com 5 anos de idade, estava tendo um ataque de raiva incontrolável na praia devido a uma sobrecarga sensorial, um sintoma de autismo. Quando ele levou Isaiah para o mar e remaram juntos na prancha através das ondas, como seu pai havia feito com ele.

 surf-autistas-15

“Uma calma caiu sobre ele. Ele ficou solto e relaxado e genuinamente feliz. Ele era um rapaz normal lá fora fazendo o que sempre sonhei fazer com ele.”

E foi assim que eles começaram o Surfer’s Healing, um acampamento de surf sem fins lucrativos, onde os melhores surfistas profissionais do mundo levam crianças com autismo para o mar. Hoje, o acampamento cuida de 3.000 crianças por ano em 22 acampamentos em todo o país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

surf-autistas-16 surf-autistas-5 surf-autistas-4 surf-autistas-3

“Não vou encontrar uma cura. Mas agora eu sei que posso montar as ondas com crianças autistas e não vamos cobrar um centavo por isso. Estes são os melhores dias da minha vida.” diz Izzy.

Assista ao vídeo:

Vocês podem ajudar a fundação aqui.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,452,816SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Delivery brasileiro combate desperdício e ainda oferece frutas e legumes muito mais baratos

Você sabia que mais  de 30% dos alimentos produzidos diariamente no Brasi são desperdiçados? Um número absurdo se pensarmos na quantidade de pessoas que passam fomem...

Casal da Bahia acha boleto com 220 reais na rua e paga conta de idosa

"Se alguém conhecer esta pessoa, avisa que a conta está paga." Com esta frase curta, postada no Facebook junto à imagem de uma conta de...

Pedigree lança plataforma para formar humanos-guias de cães cegos

Quando uma pessoa perde a visão, é comum ela poder contar com um cão-guia, mas nem sempre a recíproca é verdadeira.

Fotos mostram que mesmo quando velhos cães ainda são fofos

Todo mundo adora filhotes de cachorro, mas o fotógrafo canadense Pete Thorne em sua série de Old Faithful, ou O Velho Esperançoso, fotografa exclusivamente...

Após infância traumática, jovem inspira outras meninas da periferia a serem o que quiserem: “multiplicar o impacto”

“Garotas da favela podem ser o que quiser”, a Bia Franco é mais uma prova que isso não é apenas uma frase. Mas o...

Instagram