Vendedor de marmitas comemora formatura de filho com paralisia cerebral

Os muitos anos de trabalho duro de Luís Antônio Garcia, de 60 anos, e sua mulher, Rosana Soares, 58, foram recompensados com uma importante conquista: a graduação tão desejada de Luiz Bichir, 30 anos, filho do casal, que possui paralisia cerebral.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Seu Luís” ganha a vida vendendo comida na UnB, a Universidade de Brasília, e recentemente relatou a emocionante história de seu filho.

Depois de 10 semestres na universidade, Luiz concluiu a graduação do curso de história, no dia 22 de setembro. Com certificado de bacharel e de licenciatura, ele está pronto para atuar no mercado, de forma geral, e em sala de aula, como professor.

Mas o caminho até o diploma não foi fácil. Seus pais moravam em Bertioga, São Paulo, quando o filho nasceu. Em 1993, decidiram mudar para Brasília, pois não tinham condições de pagar um  tratamento adequado para Luiz, já diagnosticado com paralisia cerebral.

Felizmente, através da rede pública, o casal conseguiu os tratamentos de que o filho precisava.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2012, Luiz passou no vestibular de história, e viu o seu sonho começar a ser tornar realidade. Mas não foi fácil. No primeiro semestre do curso, as aulas aconteciam das 10h às 22h. Com pouca mobilidade física, ele precisava do auxílio do pai o tempo todo. Nessa mesma época, Rosana teve que voltar para São Paulo, porque sua mãe ficou muito doente.

Seu Luís passou a se dedicar totalmente ao filho e precisou parar de vender marmitas, piorando sua situação financeira. E esse não era o único problema: a distância até a UnB era grande, e os ônibus não tinham acesso a cadeirantes. Além disso, o elevador do Instituto Central de Ciências (ICC) não funcionava. De acordo com a universidade, o concerto é “uma das prioridades da Secretaria da Gestão Patrimonial”, mas ainda não há prazo para que o equipamento volte a funcionar, uma vez que a fase de licitação da obra ainda não foi finalizado.

Apesar das dificuldades, eles conseguiram uma bolsa mensal no valor de R$ 465, e também contaram com o Programa de Apoio às Pessoas com Necessidades Especiais (PPNE).

“Ele tinha dois tutores para ajudá-lo. Um dava apoio dentro de sala e o outro gravava os textos”, conta Seu Luís ao explicar que o filho é disléxico, condição médica que dificulta a leitura.

Graças a essa ajuda, seu Luís conseguiu voltar a trabalhar. Como não queria ficar longe do filho, ele uniu o útil ao agradável e começou a vender marmitas na universidade. Nessa época, dona Rosana voltou de São Paulo e começou a ajudar no negócio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A situação financeira deles melhorou e cinco anos depois, seus esforços deram frutos: Luiz se formou. No dia da colação de grau, seu Luís estava bastante emocionado e quis acompanhar o filho na hora em que ele recebeu o diploma.

“Estive com ele todos esses anos, queria estar nesse momento também”, disse.

Apesar da conquista, a família ainda enfrenta desafios. O recém-formado precisa fazer uma cirurgia de transplante de córnea para não ficar cego de um olho e por isso, eles precisarão voltar para Bertioga.

Mas Luiz está tranquilo. Com sede de conhecimento, ele ainda deseja concluir mais uma graduação e planeja entrar na Unicamp em breve, para cursar jornalismo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Via

Foto: Crédito do site Correio Braziliense

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,400,451SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Alunos ajudam professora trans a pagar a cirurgia de redesignação sexual

Os alunos da professora de Português e Literatura Danieli Balbi fizeram uma grande mobilização para levantar o dinheiro necessário para ela fazer a cirurgia...

Médico compra chuteiras novas para menino que furou o pé com prego

A atitude de pura empatia de um médico de Mongaguá (SP) com um menino que machucou o pé e ama jogar futebol chamou a atenção...

Ex-alpinista que perdeu o movimento das pernas escala arranha-céu com cadeira de rodas e dá lição de superação

Ex-alpinista profissional, a vida de Lai Chi-Wai mudou há cerca de 10 anos, quando ele sofreu um grave acidente de motocicleta e perdeu o...

Graças a um óculos especial, pai daltônico consegue ver os filhos e o mundo ao redor com as verdadeiras cores

Opie Hughes é daltônico, e durante toda sua vida nunca foi capaz de ter a real experiência relacionada às cores. Mas, graças a um...

Estamos todos conectados com a natureza, saiba porquê.

A WWF, em comemoração aos seus 50 anos de existência, produziu um belíssimo vídeo mostrando o quanto somos conectados a natureza e o quanto...

Instagram