Vendedor de paçoca dá a própria blusa de frio para pessoa em situação de rua que passava frio no PR

Na tarde desta segunda-feira (28), câmeras de monitoramento no centro de Foz do Iguaçu (PR) ‘flagraram’ o momento em que um homem cede a própria blusa de frio para uma pessoa em situação de rua que estava passando frio.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pouco antes de entregar a blusa, o mesmo homem também dá uma marmita para a pessoa, que estava agasalhada com um cobertor sobre o corpo.

A imprensa local descobriu que o homem da filmagem é Gabriel Alexandre. Ele e a esposa são músicos, mas têm vendido paçocas no semáforo porque furtaram o violão dele.

vendedor de paçoca dá blusa de frio morador de rua

“Eu não imaginava essa repercussão, nem vi a câmera na hora e para mim é normal ajudar. Acho que deveria ser normal para todo mundo, ainda mais nessa época, com o que a humanidade está passando. Eu só vi o rapaz ali enquanto eu comia e pensei: ‘esse menino deve estar com fome’. Aí levei o pratinho com um pouco do arroz que fiz. Ele disse na hora: ‘Foi Deus que que mandou você aqui'”, contou o rapaz.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com o Simepar, o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná, a cidade de Foz do Iguaçu registrou uma temperatura mínima de congelantes 5º C (com máxima de apenas 12º C).

A boa ação foi notada por funcionários de uma loja de segurança eletrônica que faziam a observação das câmeras.

Em entrevista ao portal G1, o vendedor Yuri Rafael Vartha contou que o rapaz da calçada tremia de frio naquela tarde.

Ficamos bem surpresos com uma cena dessa. Hoje em dia é difícil ver algo assim, ainda mais em uma pandemia, nesse momento que estamos vivendo de pandemia. Ficamos comovidos”, afirmou.

A Secretaria Municipal de Assistência Social estima que o município tenha cerca de 300 pessoas vivendo em situação de rua.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Repercussão

Para Gabriel, a repercussão de sua atitude empática foi uma surpresa que ele não simplesmente não esperava.

Antes de ter seu violão furtado, ele e sua esposa – que formam uma dupla musical, -cantavam em bares e no semáforo.

“Com a pandemia ficou tudo difícil. Começamos a cantar no semáforo por causa dos ‘lockdowns’. As dificuldades existem, mas a gente tenta dar a volta por cima. E no semáforo a gente é movido pela fraternidade das pessoas. Por isso, a gente tenta passar isso para outras pessoas. Passar sempre para frente a corrente da fraternidade”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O gesto de ajudar o homem, segundo Gabriel, foi espontâneo e rotineiro. Ele disse que sempre fez o que pode pelos moradores de rua e que lamenta tantas pessoas terem preconceito com eles.

Não importa o que o levou para a aquela condição, mas que naquele momento ele está sofrendo e precisa de ajuda“, concluiu.

Fonte: Guia Medianeira
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,977,926SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Casal de 100 anos está junto há 80 anos

O casal José Miguel Lucio e Rita Josefa vive numa casa de alvenaria, coberta por madeira, na zona rural de Iguaracy, a 365 km...

Como o autoconhecimento pode ser positivo para você e toda a sociedade

“Eu não diria que as pessoas têm medo de autoconhecimento, diria que elas não estão acostumadas, não tem o hábito de investirem tempo, energia e dinheiro nisso”, diz a especialista em desenvolvimento humano Viviane Ribeiro.

Com computador especial, jovem com doença degenerativa rara se torna grande gamer

Samuca tem um canal onde posta dicas e tutoriais sobre jogos.

Cadela surda comemora 14 anos de idade e tem aprendido linguagem de sinais com a tutora

A expectativa de vida de um cachorro gira em torno dos 10 a 13 anos (a depender da raça), e a terceira idade deles...

Instagram